Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

MP denuncia gestor do Saesa por direcionar licitação em S.Caetano

Nario Barbosa/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Rodrigo Toscano é acusado de favorecer Mirasoft em concorrência de tecnologia ao desabilitar concorrente e firmar contrato emergencial


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

07/09/2021 | 02:00


O Ministério Público ajuizou ação civil pública contra o superintendente do Saesa (Sistema de Água, Esgoto e Saneamento Ambiental) de São Caetano, Rodrigo Toscano (PSDB), com acusação de direcionamento de licitação para contratar empresa responsável por oferecer serviço de tecnologia da informação para a gestão da autarquia do governo interino de Tite Campanella (Cidadania).


Toscano é suspeito de agir para manter o vínculo com a Mirasoft
Foto: Nario Barbosa/ DGABC


O promotor José Roberto Fumach Junior se baseou em denúncia apresentada por uma concorrente da licitação para execução do trabalho. A Waterfy Partners Participações S/A argumenta que foi alijada injustificadamente da concorrência pública 1/2020, cujo valor atingia a casa dos R$ 12,37 milhões em dois anos. A Waterfy participou da disputa pelo lote 1, de quantia estimada em R$ 8,2 milhões, mas alegou ter sido desclassificada sem apresentação de provas. Toda manobra, ainda conforme a concorrente, beneficiaria a Mirasoft Tecnologia – Comércio e Serviço de Informática, que já detinha contrato com o Saesa.

Diante do caso, a Waterfy ingressou com representação no MP, até porque viu o Saesa ignorar decisões liminares conquistadas na Justiça local para paralisar o certame e reincluí-la na lista de interessadas no contrato. Fumach apontou que houve série de medidas administrativas questionáveis para manter a Waterfy fora da licitação e garantir o contrato para a Mirasoft, a despeito da diferença dos valores praticados – a Waterfy garantia executar o trabalho por R$ 6,9 milhões, enquanto a Mirasoft ofereceu proposta de R$ 8,17 milhões.

Em meio à celeuma jurídica instalada pelas tentativas judiciais de a Waterfy reingressar na concorrência, Toscano cancelou a licitação. Com parecer técnico assinado por Vanessa Rodriguez Belinchon Wengryn, diretora jurídica da autarquia, o superintendente decidiu contratar a Mirasoft em caráter emergencial, por valores proporcionais maiores do que os previstos no edital inicial – por 180 dias de serviço, a Mirasoft iria receber R$ 2,3 milhões, o que chegaria a R$ 9,1 milhões se o acordo durasse dois anos.

Fumach indicou em sua peça que em nenhum momento o Saesa demonstrou a necessidade de emergência no contrato sem licitação. E que, diante do inquérito instaurado, justificativas da autarquia deixavam clara a intenção em renovar com a Mirasoft. Nas respostas, o departamento alegava que a Mirasoft já administrava o sistema interno e que a intenção do Saesa era otimizar o painel existente. E que o processo licitatório só foi paralisado pela questão jurídica da Waterfy, ou seja, não houve nenhuma excepcionalidade balizada na Lei de Licitações (8.666/93) que sustentasse a decisão de firmar convênio com a Mirasoft de forma direta.

“Verifica-se, assim, que a postergação injustificada da licitação e a contratação emergencial questionada pode ter dado ensejo a prejuízo ao erário de ao menos R$ 133.478,76 (equivalente a 180 dias de contrato emergencial de um total de R$ 533.915,04 calculado como preço a menor a ser pago ao longo de dois anos), na medida em que o Saesa dispunha de proposta mais vantajosa e menos onerosa e poderia ter melhor contratado caso tivesse levado a efeito o regular procedimento licitatório”, escreveu o promotor.

Fumach pediu punição a Toscano, Vanessa e às empresas Mirasoft e Monitora Tecnologia da Informação, que venceu o lote 2 da licitação.

PROCESSO
O juiz Sérgio Noboru Sakagawa, da 3ª Vara Cível de São Caetano e onde o processo tramita, já determinou, em caráter liminar, que o Saesa reabra a concorrência 1/2020 e que reinclua a Waterfy no rol de participantes. Além disso, exigiu a suspensão do contrato emergencial com a Mirasoft.

Superintendente e autarquia negam irregularidade no processo

O Saesa (Sistema de Água, Esgoto e Saneamento Ambiental) de São Caetano rebateu as acusações do Ministério Público e da Waterfy Partners Participações S/A de direcionamento da licitação para contratar empresa prestadora de serviços de tecnologia, disse que a Waterfy não apresentou demonstrativos contábeis exigidos no edital e sustentou que a contratação emergencial da Mirasoft Tecnologia – Comércio e Serviço de Informática se fez necessária para evitar calamidade pública.

A autarquia do governo do prefeito interino Tite Campanella (Cidadania) pontuou que somente a Waterfy deixou de apresentar toda regularização fiscal e contábil, mas que não aceitou o resultado da desclassificação, acionando a Justiça para paralisar o processo licitatório. Como o contrato passado terminaria em setembro, o Saesa achou por bem firmar acordo emergencial com a empresa que já operava o sistema interno. A suspensão da licitação, que, para o MP, foi ato de improbidade, ocorreu dois meses depois.

“A contratação emergencial teve termo inicial em outubro de 2020, ou seja, dois meses antes da revogação da concorrência pública número 1/2020 (publicada em 22 de dezembro de 2020), fato que por si só já refuta a tese da ‘emergência fabricada’ exposta na inicial”, discorreu a autarquia, em sua defesa preliminar protocolada na ação.

Superintendente do Saesa, Rodrigo Toscano também negou as irregularidades apontadas. Disse que quem deveria responder pelos atos é a Waterfy, que, na visão dele, provocou dano ao erário por “tumultuar” o processo licitatório. O dirigente disse que a acusação carece de provas e que, mesmo se a Justiça entender que houve erro administrativo, não está caracterizado dolo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;