Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Covid mata na região mais do que o dobro do restante do País

Celso Luiz/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Nos 24 dias de maio, de cada 100 pessoas infectadas pelo coronavírus, oito morreram


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

25/05/2021 | 00:01


A letalidade da Covid-19 no Grande ABC nos primeiros 24 dias de maio é mais do que o dobro da indicada pelo Ministério da Saúde em todo o Brasil. Do início do mês até ontem, foram 11.411 novos pacientes infectados pelo coronavírus e 893 mortes, ou seja, de quem contrai a doença na região, 7,83% morrem. No País, o indicador de maio até agora é de 3,11%, taxa bem similar à registrada no Estado de São Paulo, que é de 3,91%.

O indicador atual das sete cidades, aliás, é o segundo maior em toda a pandemia, atrás apenas dos 9,94% registrados em abril de 2020, ainda no início da crise sanitária, quando as prefeituras tinham bastante dificuldade para conseguir comprar testes de Covid e por isso o número de contaminados confirmados era pequeno. 

A letalidade do Grande ABC vem registrando altas consecutivas desde fevereiro, quando o indicador era de três mortes a cada 100 pessoas. De lá para cá o número passou para quatro em março, depois cinco em abril e agora, do dia 1º até ontem, é de quase oito.

Para especialistas há fatores diversos que explicam a evolução do parâmetro. Os médicos concordam que as causas mais observadas são o baixo índice de testagem, a diminuição na procura do serviço médico e a crise enfrentada entre março e abril nos hospitais com a alta da demanda por atendimento.

Infectologista e diretor do Hospital Santa Ana, em São Caetano, Paulo Rezende pontua que, além destes pontos, observou-se também que a segunda onda, impulsionada pela variante P1, originária em Manaus, também se mostrou mais letal. Porém, o especialista acredita que a baixa testagem seja um dos principais problemas da alta letalidade. 

“Nunca tivemos um índice alto de testagem, mas, nessa segunda onda, isso foi ainda pior porque, com o convívio da doença, as pessoas estão procurando menos o serviço médico. As pessoas sabem que 85% dos contaminados vão ter a doença de forma assintomática ou leve, e mesmo com sintomas, ficam em casa sem procurar testar ou buscar um médico”, explicou Rezende, reforçando que esse é também o motivo que faz com que a população procure auxílio hospitalar tardiamente, quando a doença já está agravada e, consequentemente, aumenta a possibilidade de morte.

O infectologista e fundador do IBSP (Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente), José Ribamar Branco, destaca que os problemas com fornecimento de medicamentos aos hospitais, como foi o caso da falta de sedativos, além do sistema de saúde colapsado, também agravou a situação. “A taxa de ocupação das UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) está 62% maior do que o mesmo período do ano passado. Fora isso, temos de pensar na qualidade dos serviços prestados, diante da crise enfrentadas”, pontuou.

Grande ABC chega a 189.615 casos e 7.712 perdas pelo coronavírus
(da Redação)

As sete cidades do Grande ABC chegaram ontem ao total de 189.615 casos de contaminação pelo novo coronavírus e 7.712 mortes em decorrência da Covid-19.

Nas últimas 24 horas, a região registrou 425 novos casos e 36 falecimentos. Foi o menor número de vítimas fatais reportado em um dia útil – aos finais de semana, apenas três cidades divulgam boletins epidemiológicos – desde 14 de maio, uma sexta-feira. O Grande ABC tem 173.491 pessoas que já se recuperaram da doença e outros 148.284 exames que ainda aguardam resultados.

No Estado de São Paulo foram registrados 3.192.727 casos de Covid-19 durante toda a pandemia e 107.677 óbitos. Entre o total de casos, 2.862.003 tiveram a doença e já estão recuperados. A taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) no Estado é de 80,2% e na Grande São Paulo é de 77,1%.

O Brasil tem 16.120.756 casos de Covid e 449.858 mortes, sendo que 37.498 infectados e 790 óbitos foram registrados em 24 horas. Do total de contaminados, 14,5 milhões estão recuperados.  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;