Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 14 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Fed diz não elevar juros apenas com desemprego em queda, mas com base na inflação



14/04/2021 | 17:27


O vice-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Richard Clarida, afirmou nesta quarta-feira, 14, que a instituição não elevará juros simplesmente porque o desemprego está em queda. De acordo com o dirigente, a autoridade começará o ciclo de aperto monetário apenas quando tiver alcançado a meta de inflação média de 2%.

Em um discurso sobre a nova estrutura de política monetária do Fed, Clarida reforçou que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) perseguirá uma inflação moderadamente acima de 2% "por algum tempo".

Ele ressaltou que as expectativas inflacionárias de longo prazo precisam estar "bem ancoradas" em 2%.

Também destacou que, na nova concepção do Fed, máximo emprego é o "nível de emprego mais alto sem gerar pressões nos preços".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fed diz não elevar juros apenas com desemprego em queda, mas com base na inflação


14/04/2021 | 17:27


O vice-presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Richard Clarida, afirmou nesta quarta-feira, 14, que a instituição não elevará juros simplesmente porque o desemprego está em queda. De acordo com o dirigente, a autoridade começará o ciclo de aperto monetário apenas quando tiver alcançado a meta de inflação média de 2%.

Em um discurso sobre a nova estrutura de política monetária do Fed, Clarida reforçou que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) perseguirá uma inflação moderadamente acima de 2% "por algum tempo".

Ele ressaltou que as expectativas inflacionárias de longo prazo precisam estar "bem ancoradas" em 2%.

Também destacou que, na nova concepção do Fed, máximo emprego é o "nível de emprego mais alto sem gerar pressões nos preços".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;