Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Cesta básica tem alta de 30,46% e chega a R$ 869

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Preços do arroz, feijão, carnes bovinas e farinha de trigo tiveram influência do dólar


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

18/12/2020 | 00:05


Em 2020, o consumidor enfrentou a alta no preço dos alimentos básicos e sofreu para conseguir manter a combinação de arroz, feijão e carne nas refeições diárias. No Grande ABC, o preço da cesta básica chegou a R$ 869,55, o que corresponde a praticamente três benefícios do auxílio emergencial (atualmente em R$ 300). O valor teve alta de 30,46% em 12 meses, enquanto a inflação do período – considerando os resultados de novembro – é de apenas 4,31%.

Os números são da pesquisa de preços da cesta básica feita pela Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André) que faz a cotação do preço de 34 produtos, entre alimentos, higiene pessoal e limpeza doméstica, nos principais supermercados da região. A pesquisa é baseada no consumo de uma família de quatro pessoas – dois adultos e duas crianças – em um período de 30 dias.

É difícil listar os principais vilões das gôndolas, já que entre os 34 itens, apenas três – extrato de tomate (que foi de R$ 1,31 para R$ 0,88), papel higiênico (de R$ 16,93 para R$ 13,21), e sabão em pó (de R$ 7,88 para R$ 4,62) – tiveram queda nos preços na comparação com dezembro do ano passado.

Neste ano, o arroz se destacou, com alta de 93,20% em relação a janeiro, saltando de média de R$ 13,98 para R$ 27,01 – o pacote de cinco quilos. O feijão não ficou atrás, teve um aumento de 15,54%, e passou de R$ 6,63 para R$ 7,66.

A alta de 21,36% na farinha de trigo (de R$ 3,98 para R$ 4,83) também impacta no preço do macarrão (aumento de 10,57%) e das bolachas (40% para a salgada e 11,07% para a de maizena) e, principalmente, do quilo do pão francês, que foi de R$ 10,09 para R$ 11,71 – alta de 16,06%.

A carne bovina de primeira e de segunda também registrou alta. O quilo do coxão mole foi de R$ 30,53 para R$ 36,48, uma alta de 19,49%. Já o acém foi de R$ 22,79 para R$ 27,56. O frango aumentou em 10,73% (de R$ 7,55 para R$ 8,36) e a sardinha em lata aumentou em 23,78% (R$ 4,32). A dúzia de ovos foi de R$ 6,02 para R$ 7,02 (16,61%).

Para o engenheiro agrônomo da Craisa, Fábio Vezzá De Benedetto, a alta do dólar impactou nos preços. “O câmbio foi o fator que mais pressionou e influencia diretamente no preço e também em toda a cadeia, já que o adubo, os defensivos agrícolas, o combustível e a energia possuem a influência do dólar”, disse. Segundo ele, o preço do arroz só deve recuar no fim do primeiro trimestre, quando está prevista a próxima safra do arroz. “Muita gente quer plantar por conta da oferta e talvez possa recuar um pouco.”
 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;