Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Filha de Cidão, Viviane morre aos 40


Soraia Abreu Pedrozo
Diário do Grande ABC

05/12/2020 | 09:03


Acostumado a subir no carro de som para, em alto e bom som, informar trabalhadores de São Caetano sobre negociações salariais, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, presidente do sindicato dos metalúrgicos da cidade, em voz baixa e embargada deu notícia que nenhum pai jamais imagina, a da morte de sua filha.

Viviane Silva, que trabalhava com ele no departamento pessoal do sindicato, foi, aos 40 anos, vítima do novo coronavírus. Transplantada de rins, era solteira e vivia com a mãe, que havia lhe doado o órgão, o qual lhe garantiu sobrevida anos atrás, mas não foi páreo para a força da Covid-19. Ao contrário. Conforme a doença foi tomando conta de seu corpo, ela começou a fazer hemodiálise, o que se tornou porta de entrada para infecções.

“Viviane ficou intubada por 15 dias e não reagiu. Na terça-feira, ela acordou para se despedir de nós. Mandamos áudio (pelo WhatsApp) para dizer que a amávamos, que ela estava fazendo muita falta, e ela sorriu, mexeu com os lábios, mas logo em seguida apagou, não conversou mais. Na madrugada (de quarta) ela piorou bastante e, às 18h, os médicos nos chamaram para dar a notícia de que ela tinha descansado”, contou Cidão. “Tudo isso é muito difícil, muito doloroso, mas temos que deixar nas mãos de Deus. Nada é por acaso.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Filha de Cidão, Viviane morre aos 40

Soraia Abreu Pedrozo
Diário do Grande ABC

05/12/2020 | 09:03


Acostumado a subir no carro de som para, em alto e bom som, informar trabalhadores de São Caetano sobre negociações salariais, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, presidente do sindicato dos metalúrgicos da cidade, em voz baixa e embargada deu notícia que nenhum pai jamais imagina, a da morte de sua filha.

Viviane Silva, que trabalhava com ele no departamento pessoal do sindicato, foi, aos 40 anos, vítima do novo coronavírus. Transplantada de rins, era solteira e vivia com a mãe, que havia lhe doado o órgão, o qual lhe garantiu sobrevida anos atrás, mas não foi páreo para a força da Covid-19. Ao contrário. Conforme a doença foi tomando conta de seu corpo, ela começou a fazer hemodiálise, o que se tornou porta de entrada para infecções.

“Viviane ficou intubada por 15 dias e não reagiu. Na terça-feira, ela acordou para se despedir de nós. Mandamos áudio (pelo WhatsApp) para dizer que a amávamos, que ela estava fazendo muita falta, e ela sorriu, mexeu com os lábios, mas logo em seguida apagou, não conversou mais. Na madrugada (de quarta) ela piorou bastante e, às 18h, os médicos nos chamaram para dar a notícia de que ela tinha descansado”, contou Cidão. “Tudo isso é muito difícil, muito doloroso, mas temos que deixar nas mãos de Deus. Nada é por acaso.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;