Fechar
Publicidade

Sábado, 23 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A articulação de Chiquinho do Zaíra


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

03/12/2020 | 00:10


Chiquinho do Zaíra (Avante) é conhecido como exímio articulador político em Mauá. Reeleito vereador da cidade, com 2.466 votos, o parlamentar foi escalado pelo futuro grupo governista para conversar com o bloco montado no Legislativo para tentar emplacar o vereador eleito Zé Carlos Nova Era (PL) como presidente da casa. Chiquinho tem bom trânsito com a maioria dos políticos dessa ala, assim como possui boa relação com o prefeito eleito Marcelo Oliveira (PT). Até hoje está na retina da classe política da cidade a articulação que ele fez no mandato de Leonel Damo, entre 2005 e 2008. Sem querer falar com o político – que estava fora da Câmara por ter concorrido à Prefeitura em 2004 –, Leonel viu Chiquinho, habilidosamente, estruturar um grande bloco que deu dor de cabeça ao então prefeito. Leonel precisou ceder, dialogar com Chiquinho para poder tocar a gestão de forma mais serena.

Compromissos
A aposta na Câmara de São Bernardo é a de que o prefeito reeleito Orlando Morando (PSDB) vai chamar três vereadores do PSDB para compor vagas no secretariado a partir do ano que vem, tudo para cumprir compromissos firmados com aliados. O número não é por acaso. O terceiro suplente do partido é Eduardo Tudo Azul (PSDB), filho do atual presidente da Câmara, Juarez Tudo Azul (PSDB), um aliado fiel de Morando. Advogado, Eduardo obteve 2.460 votos. O primeiro suplente é Henrique Kabeça (PSDB, 2.801 votos). O segundo, Ary de Oliveira (PSDB, 2.538).

Primeiro nome
Já é dado como certo o primeiro nome do primeiro escalão do prefeito eleito de Diadema, José de Filippi Júnior (PT). Fátima Queiroz, conhecida como Fatinha, com larga experiência no poder público municipal, deve comandar a Secretaria de Planejamento, justamente a área onde domina. Filiada ao PT e irmã do vereador Josa Queiroz (PT), Fatinha é considerado quadro técnico do partido.

Secretariado
No governo do prefeito eleito de Mauá, Marcelo Oliveira (PT), também há nomes praticamente definidos para o secretariado, mas falta ainda fechar as funções. Filho do ex-prefeito Oswaldo Dias (PT), Leandro Dias (PT) deve compor o time, bem como o ex-vereador Rômulo Fernandes (PT), vice-presidente da sigla na cidade. Wagner Rubinelli (PTB), que desistiu de candidatura própria para apoiar Marcelo, é outro que tende a ser secretário.<EM>

Avaliação
O PTB de Mauá fez uma análise da participação na eleição deste ano, e apontou para saldo positivo. Elegeu um vereador – Jairo Michelângelo –, mas foi na disputa majoritária a menina dos olhos da legenda. Desde o primeiro momento a sigla apoiou o prefeito eleito Marcelo Oliveira (PT). A chapa petebista conquistou aproximadamente 8.000 votos e, dadas as diferenças no primeiro turno pró-Marcelo contra Juiz João (PSD, 655 votos) e no segundo turno a favor do petista contra Atila Jacomussi (PSB, 2.676), é de considerar decisivo o apoio. Nem mesmo a adesão de Michelângelo a Atila, no segundo turno, estragou o clima de euforia no PTB.

Boas vindas
O presidente da Câmara de Diadema, Pretinho do Água Santa (DEM), recebeu ontem 12 dos 21 vereadores eleitos para a próxima legislatura, com objetivo de explicar a rotina do Legislativo. Participaram da atividade os petistas Lilian Cabrera, Neno e Zé Antônio; Jerry Bolsas (PSB); Cabo Angelo (PV); Jeferson Leite (PDT); Dequinha Potência (PSD); Reinaldo Meira e Eduardo Minas (ambos do Pros); Edval da Farmácia (PSDB); e os democratas Lucas Almeida (sobrinho de Pretinho) e Robson Santos, o Boy.

Possível convite
O prefeito eleito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi (PL), tinha iniciado conversas com o prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão (Cidadania), para que o colega da cidade vizinha fosse trabalhar com ele em Ribeirão, em função de secretário. Maranhão é engenheiro e emergiu politicamente como secretário de Obras na gestão de Adler Kiko Teixeira (PSDB), rival de Volpi – Maranhão rompeu com Kiko. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A articulação de Chiquinho do Zaíra

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

03/12/2020 | 00:10


Chiquinho do Zaíra (Avante) é conhecido como exímio articulador político em Mauá. Reeleito vereador da cidade, com 2.466 votos, o parlamentar foi escalado pelo futuro grupo governista para conversar com o bloco montado no Legislativo para tentar emplacar o vereador eleito Zé Carlos Nova Era (PL) como presidente da casa. Chiquinho tem bom trânsito com a maioria dos políticos dessa ala, assim como possui boa relação com o prefeito eleito Marcelo Oliveira (PT). Até hoje está na retina da classe política da cidade a articulação que ele fez no mandato de Leonel Damo, entre 2005 e 2008. Sem querer falar com o político – que estava fora da Câmara por ter concorrido à Prefeitura em 2004 –, Leonel viu Chiquinho, habilidosamente, estruturar um grande bloco que deu dor de cabeça ao então prefeito. Leonel precisou ceder, dialogar com Chiquinho para poder tocar a gestão de forma mais serena.

Compromissos
A aposta na Câmara de São Bernardo é a de que o prefeito reeleito Orlando Morando (PSDB) vai chamar três vereadores do PSDB para compor vagas no secretariado a partir do ano que vem, tudo para cumprir compromissos firmados com aliados. O número não é por acaso. O terceiro suplente do partido é Eduardo Tudo Azul (PSDB), filho do atual presidente da Câmara, Juarez Tudo Azul (PSDB), um aliado fiel de Morando. Advogado, Eduardo obteve 2.460 votos. O primeiro suplente é Henrique Kabeça (PSDB, 2.801 votos). O segundo, Ary de Oliveira (PSDB, 2.538).

Primeiro nome
Já é dado como certo o primeiro nome do primeiro escalão do prefeito eleito de Diadema, José de Filippi Júnior (PT). Fátima Queiroz, conhecida como Fatinha, com larga experiência no poder público municipal, deve comandar a Secretaria de Planejamento, justamente a área onde domina. Filiada ao PT e irmã do vereador Josa Queiroz (PT), Fatinha é considerado quadro técnico do partido.

Secretariado
No governo do prefeito eleito de Mauá, Marcelo Oliveira (PT), também há nomes praticamente definidos para o secretariado, mas falta ainda fechar as funções. Filho do ex-prefeito Oswaldo Dias (PT), Leandro Dias (PT) deve compor o time, bem como o ex-vereador Rômulo Fernandes (PT), vice-presidente da sigla na cidade. Wagner Rubinelli (PTB), que desistiu de candidatura própria para apoiar Marcelo, é outro que tende a ser secretário.<EM>

Avaliação
O PTB de Mauá fez uma análise da participação na eleição deste ano, e apontou para saldo positivo. Elegeu um vereador – Jairo Michelângelo –, mas foi na disputa majoritária a menina dos olhos da legenda. Desde o primeiro momento a sigla apoiou o prefeito eleito Marcelo Oliveira (PT). A chapa petebista conquistou aproximadamente 8.000 votos e, dadas as diferenças no primeiro turno pró-Marcelo contra Juiz João (PSD, 655 votos) e no segundo turno a favor do petista contra Atila Jacomussi (PSB, 2.676), é de considerar decisivo o apoio. Nem mesmo a adesão de Michelângelo a Atila, no segundo turno, estragou o clima de euforia no PTB.

Boas vindas
O presidente da Câmara de Diadema, Pretinho do Água Santa (DEM), recebeu ontem 12 dos 21 vereadores eleitos para a próxima legislatura, com objetivo de explicar a rotina do Legislativo. Participaram da atividade os petistas Lilian Cabrera, Neno e Zé Antônio; Jerry Bolsas (PSB); Cabo Angelo (PV); Jeferson Leite (PDT); Dequinha Potência (PSD); Reinaldo Meira e Eduardo Minas (ambos do Pros); Edval da Farmácia (PSDB); e os democratas Lucas Almeida (sobrinho de Pretinho) e Robson Santos, o Boy.

Possível convite
O prefeito eleito de Ribeirão Pires, Clóvis Volpi (PL), tinha iniciado conversas com o prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão (Cidadania), para que o colega da cidade vizinha fosse trabalhar com ele em Ribeirão, em função de secretário. Maranhão é engenheiro e emergiu politicamente como secretário de Obras na gestão de Adler Kiko Teixeira (PSDB), rival de Volpi – Maranhão rompeu com Kiko. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;