Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

PF abre operação contra tráfico de fósseis no Ceará e prende dois em flagrante



22/10/2020 | 11:14


A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quinta-feira, 22, a Operação Santana Raptor para apurar suposto esquema de tráfico de fósseis na região da Chapada do Araripe, no sul do Estado do Ceará. Até a publicação desta matéria, dois homens tinham sido presos em flagrante com fósseis, em Santana do Cariri e Nova Olinda.

Agentes cumprem 19 mandados de busca e apreensão - 17 nos municípios de Santana do Cariri e Nova Olinda, no Ceará, e dois no Rio de Janeiro - em endereços de suspeitos de integrarem organização criminosa que envolve empresários, servidores públicos, mineradores, pesquisadores e atravessadores de fósseis.

Segundo a PF, um dos presos em flagrante é apontado como um dos principais negociadores de fósseis no período investigado (2017-2020) e o outro seria responsável por receber valores de um professor do Rio para coleta e guarda dos fósseis.

As investigações tiveram início em 2017 e apontam para um suposto esquema de extração ilegal de fósseis por parte de trabalhadores em pedreiras na região dos municípios de Nova Olinda e Santana do Cariri, com posterior venda criminosa dos mesmos.

"Há atuação de uma rede de empresários, servidores públicos e atravessadores que negociam fósseis raros da região, com indícios da prática ilícita por parte de professor/pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro/RJ, um dos alvos da operação, bem como outros pesquisadores nacionais e estrangeiros", diz a PF.

A Polícia Federal ressalta que os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, usurpação de bem da União e crimes ambientais, com penas de até 16 anos de prisão.

De acordo com a corporação, o nome da operação, Santana Raptor, remete ao gênero de dinossauro encontrado na região da Chapada do Araripe, onde são encontrados fósseis de 110 milhões de anos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PF abre operação contra tráfico de fósseis no Ceará e prende dois em flagrante


22/10/2020 | 11:14


A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quinta-feira, 22, a Operação Santana Raptor para apurar suposto esquema de tráfico de fósseis na região da Chapada do Araripe, no sul do Estado do Ceará. Até a publicação desta matéria, dois homens tinham sido presos em flagrante com fósseis, em Santana do Cariri e Nova Olinda.

Agentes cumprem 19 mandados de busca e apreensão - 17 nos municípios de Santana do Cariri e Nova Olinda, no Ceará, e dois no Rio de Janeiro - em endereços de suspeitos de integrarem organização criminosa que envolve empresários, servidores públicos, mineradores, pesquisadores e atravessadores de fósseis.

Segundo a PF, um dos presos em flagrante é apontado como um dos principais negociadores de fósseis no período investigado (2017-2020) e o outro seria responsável por receber valores de um professor do Rio para coleta e guarda dos fósseis.

As investigações tiveram início em 2017 e apontam para um suposto esquema de extração ilegal de fósseis por parte de trabalhadores em pedreiras na região dos municípios de Nova Olinda e Santana do Cariri, com posterior venda criminosa dos mesmos.

"Há atuação de uma rede de empresários, servidores públicos e atravessadores que negociam fósseis raros da região, com indícios da prática ilícita por parte de professor/pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro/RJ, um dos alvos da operação, bem como outros pesquisadores nacionais e estrangeiros", diz a PF.

A Polícia Federal ressalta que os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, usurpação de bem da União e crimes ambientais, com penas de até 16 anos de prisão.

De acordo com a corporação, o nome da operação, Santana Raptor, remete ao gênero de dinossauro encontrado na região da Chapada do Araripe, onde são encontrados fósseis de 110 milhões de anos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;