Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 23 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Juros fecham em leve alta, com realização de lucros e espera por pacote dos EUA



21/10/2020 | 18:02


Após duas sessões de queda firme, os juros futuros percorreram a quarta-feira em alta moderada, num movimento de realização de lucros alimentado em boa medida pela espera por uma definição sobre o pacote fiscal norte-americano e pelo leilão de títulos de quinta-feira. Internamente, o noticiário foi até favorável a uma eventual continuidade da suavização dos prêmios, com a melhora da expectativa de votação de pautas do Congresso e confirmação do Tesouro da possibilidade de transferências de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Caixa no começo de 2021 para reforçar o colchão de liquidez.

As taxas terminaram a sessão regular com avanço entre 3 e 5 pontos-base, longe de recompor o que foi perdido nos últimos dias. No começo da tarde, quando bateram mínimas, chegaram a zerar a alta e a oscilar com viés de queda após declarações otimistas da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, sobre o andamento das negociações para o pacote fiscal, mas logo voltaram a subir.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou com taxa de 4,58%, de 4,545% no ajuste anterior, e o DI para janeiro de 2022, o mais negociado, com taxa de 3,25%, de 3,244% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2025 encerrou com taxa de 6,37%, de 6,334% na terça, e a do DI para janeiro de 2027 subiu de 7,234% para 7,28%.

"É um ajuste técnico. Tivemos um fechamento forte da curva com as 'juras de amor' entre Maia e Guedes dando uma acalmada nas tensões fiscais e a ala 'fura teto' perdendo força", resumiu o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Camargo Rosa.

O economista diz, porém, que a margem para uma queda estrutural dos prêmios de risco é pequena neste momento, já que as tensões fiscais estão latentes e controladas por ora pelos discursos das autoridades. "A situação segue instável e é difícil essa curva fechar muito mais. Deve seguir bem empinada", completou.

Ao Broadcast/Estadão, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu urgência na montagem de um cronograma de votações das medidas de corte de gastos para garantir o programa Renda Cidadã e uma solução que dê tranquilidade fiscal para os próximos dois anos. Já o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), propôs que a Casa analisasse ainda nesta quarta a proposta de autonomia do Banco Central, mas demais líderes estão resistindo à ideia em função da falta de acordo.

Em participação no evento Finanças Mais 2020, organizado pelo jornal O Estado de S. Paulo, Broadcast e Austin Rating, no período da manhã, o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, confirmou informação antecipada pelo Broadcast da negociação com o BNDES para repasse de recursos ao Tesouro no começo de 2021, mas não confirmou os valores, assim como também uma possível transferência da Caixa. "R$ 100 bilhões foi exatamente o que estava sendo pago em 2019. É razoável? Vamos discutir com o BNDES", disse.

Funchal também aventou a possibilidade de haver uma transferência de lucros vinda do Banco Central.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juros fecham em leve alta, com realização de lucros e espera por pacote dos EUA


21/10/2020 | 18:02


Após duas sessões de queda firme, os juros futuros percorreram a quarta-feira em alta moderada, num movimento de realização de lucros alimentado em boa medida pela espera por uma definição sobre o pacote fiscal norte-americano e pelo leilão de títulos de quinta-feira. Internamente, o noticiário foi até favorável a uma eventual continuidade da suavização dos prêmios, com a melhora da expectativa de votação de pautas do Congresso e confirmação do Tesouro da possibilidade de transferências de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e Caixa no começo de 2021 para reforçar o colchão de liquidez.

As taxas terminaram a sessão regular com avanço entre 3 e 5 pontos-base, longe de recompor o que foi perdido nos últimos dias. No começo da tarde, quando bateram mínimas, chegaram a zerar a alta e a oscilar com viés de queda após declarações otimistas da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, sobre o andamento das negociações para o pacote fiscal, mas logo voltaram a subir.

O contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 fechou com taxa de 4,58%, de 4,545% no ajuste anterior, e o DI para janeiro de 2022, o mais negociado, com taxa de 3,25%, de 3,244% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2025 encerrou com taxa de 6,37%, de 6,334% na terça, e a do DI para janeiro de 2027 subiu de 7,234% para 7,28%.

"É um ajuste técnico. Tivemos um fechamento forte da curva com as 'juras de amor' entre Maia e Guedes dando uma acalmada nas tensões fiscais e a ala 'fura teto' perdendo força", resumiu o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Camargo Rosa.

O economista diz, porém, que a margem para uma queda estrutural dos prêmios de risco é pequena neste momento, já que as tensões fiscais estão latentes e controladas por ora pelos discursos das autoridades. "A situação segue instável e é difícil essa curva fechar muito mais. Deve seguir bem empinada", completou.

Ao Broadcast/Estadão, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu urgência na montagem de um cronograma de votações das medidas de corte de gastos para garantir o programa Renda Cidadã e uma solução que dê tranquilidade fiscal para os próximos dois anos. Já o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), propôs que a Casa analisasse ainda nesta quarta a proposta de autonomia do Banco Central, mas demais líderes estão resistindo à ideia em função da falta de acordo.

Em participação no evento Finanças Mais 2020, organizado pelo jornal O Estado de S. Paulo, Broadcast e Austin Rating, no período da manhã, o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, confirmou informação antecipada pelo Broadcast da negociação com o BNDES para repasse de recursos ao Tesouro no começo de 2021, mas não confirmou os valores, assim como também uma possível transferência da Caixa. "R$ 100 bilhões foi exatamente o que estava sendo pago em 2019. É razoável? Vamos discutir com o BNDES", disse.

Funchal também aventou a possibilidade de haver uma transferência de lucros vinda do Banco Central.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;