Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Glauber Rocha e o magnífico 'Terra em Transe'

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/10/2020 | 07:40


Em 1964, Glauber Rocha estava em Cannes apresentando Deus e o Diabo na Terra do Sol. Era o ano em que Fritz Lang presidia o júri e Anthony Mann lançava, fora de competição, o épico monumental A Queda do Império Romano. Nunca ninguém comentou isso, mas existem boas chances de que Glauber tenha visto o Mann. Afinal, era um autor importante, idolatrado pela crítica francesa, por Cahiers du Cinéma.

Terra em Transe, de 1967, pode muito bem ter nascido da cena final do filme de Mann. Sophia Loren, como Lucila, tenta conseguir apoio nas ruas para salvar o império, que está sendo leiloado. Ela grita, e ninguém a ouve. A cena dá o tom delirante na obra-prima de Glauber. Terra em Transe passa no Canal Brasil às 13h40 desta quarta, 21. É sempre merecedor de toda atenção.

Glauber e suas estruturas bipolares. Depois que o vaqueiro Manuel (Geraldo Del Rey) gravitou em torno do beato e do cangaceiro em Deus e o Diabo, é a vez do poeta Paulo Martins (Jardel Filho) oscilar entre o ditatorial Diaz (Paulo Autran) e o demagógico Vieira/José Lewgoy. Como a revolucionária Sara, Glauce Rocha não se dobra - como Lucila - e tem uma das maiores interpretações da história do cinema brasileiro. E o filme ainda tem a câmera na mão de ferro de Dib Lutfi. É magnífico.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Glauber Rocha e o magnífico 'Terra em Transe'


21/10/2020 | 07:40


Em 1964, Glauber Rocha estava em Cannes apresentando Deus e o Diabo na Terra do Sol. Era o ano em que Fritz Lang presidia o júri e Anthony Mann lançava, fora de competição, o épico monumental A Queda do Império Romano. Nunca ninguém comentou isso, mas existem boas chances de que Glauber tenha visto o Mann. Afinal, era um autor importante, idolatrado pela crítica francesa, por Cahiers du Cinéma.

Terra em Transe, de 1967, pode muito bem ter nascido da cena final do filme de Mann. Sophia Loren, como Lucila, tenta conseguir apoio nas ruas para salvar o império, que está sendo leiloado. Ela grita, e ninguém a ouve. A cena dá o tom delirante na obra-prima de Glauber. Terra em Transe passa no Canal Brasil às 13h40 desta quarta, 21. É sempre merecedor de toda atenção.

Glauber e suas estruturas bipolares. Depois que o vaqueiro Manuel (Geraldo Del Rey) gravitou em torno do beato e do cangaceiro em Deus e o Diabo, é a vez do poeta Paulo Martins (Jardel Filho) oscilar entre o ditatorial Diaz (Paulo Autran) e o demagógico Vieira/José Lewgoy. Como a revolucionária Sara, Glauce Rocha não se dobra - como Lucila - e tem uma das maiores interpretações da história do cinema brasileiro. E o filme ainda tem a câmera na mão de ferro de Dib Lutfi. É magnífico.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;