Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

AIE piora previsão de queda na demanda global por petróleo em 2020



13/08/2020 | 07:45


Depois de registrar um tombo de 16,1 milhões de barris por dia (bpd) do consumo global de petróleo no segundo trimestre do ano, durante o auge da pandemia de coronavírus na Ásia e Europa, a Agência Internacional de Energia (AIE) revisou para baixo suas expectativas de consumo para este e o próximo ano. De acordo com relatório mensal da entidade que tem sede em Paris, a queda do uso da commodity em 2020 deve ser de 8,1 milhões de bpd, para um total de 91,9 milhões de bpd.

"Neste relatório, reduzimos nossa previsão para 2020 em 140 mil bpd, a primeira diminuição em vários meses, refletindo a paralisação da mobilidade, pois o número de casos de covid-19 permanece alto, assim como a fraqueza no setor de aviação", justificou a instituição no documento divulgado nesta quinta-feira, 13.

A AIE estima que a atividade da aviação - medida em passageiros-quilômetro - tenha diminuído em cerca de dois terços em relação aos níveis normais em julho, normalmente um dos meses de pico do tráfego aéreo.

A Agência também salientou que grande parte dos países manteve as fronteiras fechadas já que as infecções continuaram a se espalhar. "O vírus continua a impactar o transporte rodoviário, pois as pessoas evitam viagens não essenciais e trabalhar em casa continua sendo a norma em grande parte do Ocidente", observou.

O relatório também citou que os dados de mobilidade de julho indicam que a demanda por combustível permanece abaixo das normas sazonais na Europa e na América do Norte. "Regiões onde o vírus continua a se espalhar rapidamente - por exemplo, América Latina e Índia - apresentam números muito piores para mobilidade."

A AIE destacou, no entanto, que a demanda por petróleo da China está se recuperando fortemente, com alta de 750 mil bpd em junho em comparação com o mesmo mês do ano passado. "Foi a maior taxa anual de crescimento registrada desde o início da pandemia", comparou.

Nos países que fazem parte da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), houve aumento de 2 milhões de bpd no consumo de abril, que foi baixo, para maio. A elevação, no entanto, ficou abaixo das estimativas da instituição. "Em particular, a demanda no Canadá, Japão, México, Reino Unido e Estados Unidos teve um desempenho significativamente inferior."

2021

Para 2021, a Agência também revisou para baixo sua previsão de recuperação do consumo global da commodity em 240 mil bpd, para 5,2 milhões de barris por dia em relação a este ano, o que levaria a um total de 97,1 milhões de bpd.

Mais uma vez, foi a fraqueza do setor de aviação a principal responsável pela alteração. A instituição previu que, em dezembro de 2021, o consumo global de petróleo ainda será 2% inferior ao registrado no final de 2019.

"A pandemia de covid-19 lançou uma longa sombra sobre a demanda de petróleo", resumiu a instituição.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

AIE piora previsão de queda na demanda global por petróleo em 2020


13/08/2020 | 07:45


Depois de registrar um tombo de 16,1 milhões de barris por dia (bpd) do consumo global de petróleo no segundo trimestre do ano, durante o auge da pandemia de coronavírus na Ásia e Europa, a Agência Internacional de Energia (AIE) revisou para baixo suas expectativas de consumo para este e o próximo ano. De acordo com relatório mensal da entidade que tem sede em Paris, a queda do uso da commodity em 2020 deve ser de 8,1 milhões de bpd, para um total de 91,9 milhões de bpd.

"Neste relatório, reduzimos nossa previsão para 2020 em 140 mil bpd, a primeira diminuição em vários meses, refletindo a paralisação da mobilidade, pois o número de casos de covid-19 permanece alto, assim como a fraqueza no setor de aviação", justificou a instituição no documento divulgado nesta quinta-feira, 13.

A AIE estima que a atividade da aviação - medida em passageiros-quilômetro - tenha diminuído em cerca de dois terços em relação aos níveis normais em julho, normalmente um dos meses de pico do tráfego aéreo.

A Agência também salientou que grande parte dos países manteve as fronteiras fechadas já que as infecções continuaram a se espalhar. "O vírus continua a impactar o transporte rodoviário, pois as pessoas evitam viagens não essenciais e trabalhar em casa continua sendo a norma em grande parte do Ocidente", observou.

O relatório também citou que os dados de mobilidade de julho indicam que a demanda por combustível permanece abaixo das normas sazonais na Europa e na América do Norte. "Regiões onde o vírus continua a se espalhar rapidamente - por exemplo, América Latina e Índia - apresentam números muito piores para mobilidade."

A AIE destacou, no entanto, que a demanda por petróleo da China está se recuperando fortemente, com alta de 750 mil bpd em junho em comparação com o mesmo mês do ano passado. "Foi a maior taxa anual de crescimento registrada desde o início da pandemia", comparou.

Nos países que fazem parte da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), houve aumento de 2 milhões de bpd no consumo de abril, que foi baixo, para maio. A elevação, no entanto, ficou abaixo das estimativas da instituição. "Em particular, a demanda no Canadá, Japão, México, Reino Unido e Estados Unidos teve um desempenho significativamente inferior."

2021

Para 2021, a Agência também revisou para baixo sua previsão de recuperação do consumo global da commodity em 240 mil bpd, para 5,2 milhões de barris por dia em relação a este ano, o que levaria a um total de 97,1 milhões de bpd.

Mais uma vez, foi a fraqueza do setor de aviação a principal responsável pela alteração. A instituição previu que, em dezembro de 2021, o consumo global de petróleo ainda será 2% inferior ao registrado no final de 2019.

"A pandemia de covid-19 lançou uma longa sombra sobre a demanda de petróleo", resumiu a instituição.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;