Fechar
Publicidade

Domingo, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O advogado e sua função social


Do Diário do Grande ABC

10/08/2020 | 23:59


Como todos sabem, variadas são as áreas de especialidade para atuação do advogado. Alguns se dedicam à advocacia criminal, outros têm mais afinidade com as áreas trabalhista, tributária, cível, previdenciária, mas todos têm em comum a incessante vontade de sempre obter mais conhecimento para melhor desempenhar a defesa do seu cliente.

A advocacia é uma das profissões mais antigas da humanidade. Estudiosos indicam que a primeira concepção da profissão vem da Grécia, em meados do século IV, mas foi em Roma que a profissão se tornou mais conhecida, com o patronus (que era responsável por defender os direitos dos seus protegidos) e o advocatus (que tinha a missão de instruir a parte de litígio sobre questões de direito), tudo isso no ano 451 a.C. (antes de Cristo).

Nessa mesma época, teve destaque o frade franciscano Ivo Hélory de Kermartin, reconhecido por sua atuação na defesa dos pobres e que, por sua sabedoria e seu espírito conciliador, hoje é reverenciado como santo padroeiro dos advogados.

O advogado é um dos profissionais que exercem função social, essencial para a realização da Justiça, conforme previsto no artigo 133 da Constituição Federal. Hoje, dia 11 de agosto, se celebra o Dia do Advogado, ocasião muito oportuna para homenagear em especial os profissionais que – voluntariamente – contribuem com seu trabalho na defesa das causas beneficentes e assistenciais, em prol da parcela mais carente da sociedade.

Trata-se de atividade que demanda muita sensibilidade e altruísmo do advogado, pois, além de enfrentar a dificuldade financeira de muitas entidades, sobretudo após seguidas crises econômicas, também lhe requer afinidade com o objetivo social da instituição. Hoje temos no Brasil muitas associações, ONGs (Organizações Não Governamentais), fundações que se ativam na defesa de crianças, idosos, animais abandonados, dependentes químicos, meio ambiente, dentre tantas outras causas, porém, certo é que todas elas necessitam do apoio técnico-jurídico.

Ajudar a uma entidade assistencial como advogado é missão que conforta o coração e traz a certeza de que a gratidão é a melhor remuneração que pode existir. Conclamo os amigos advogados a se engajarem em entidades filantrópicas sem esperar algum retorno financeiro, e sim visando colaborar na melhoria do local em que vivemos. Se queremos sociedade mais justa e mais fraterna, precisamos começar fazendo a nossa parte, oferecendo aquilo que mais sabemos fazer, defender o direito e a cidadania.

Tarsio Taricano é advogado especialista em direito imobiliário/condominial, empresário e voluntário em algumas entidades filantrópicas em São Caetano.


PALAVRA DO LEITOR

Bebel
Parabenizo a jornalista Aline Melo pelas perguntas bem formuladas, na Entrevista da Semana que fez com a renomada regente Bebel (Política, ontem), que é muito atuante, carismática e respeitada no quadro do magistério estadual e agora na Assembleia Legislativa! Apesar das perguntas bem elaboradas, a deputada estadual foi evasiva em algumas respostas, mas nada que justificasse Editorial tão crítico (Opinião).
João Paulo de Oliveira
Diadema

Denúncias
A cada dia surgem novas denúncias contra o prefeito de São Bernardo. Esse rapaz agia de maneira sorrateira, sempre em benefício próprio, claro. Sem dúvida tinha em mente que enganaria a todos para sempre. Achou-se acima da lei e não contava que um dia poderia se descoberto. Mas suas falcatruas vêm à tona. Quem confiou e votou nele deve cobrá-lo para que esclareça todas as dúvidas levantadas pela Justiça. Fomos enganados e não devemos passar a mão na cabeça do prefeito, não devemos transferir a outros os erros dele. Que ele prove que é inocente, se é que é. Para piorar sua situação, agora juntou-se com antigo rival, que parece se interessar apenas por dinheiro, dono de metade da cidade. Se não se livrar das acusações, nós, moradores de São Bernardo, devemos defenestrar os dois da política da cidade.
Valdir Cobra Almeida
São Bernardo

Brasileirão
O Brasileirão começou. É caixa de surpresas. São 20 bons times. Há equilíbrio, mas os que têm mais grana e banco são os favoritos. Zebras acontecem, o campeonato é longo e os grandes, às vezes, se dão mal – é inerente ao futebol.
Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha (ES)

Ensurdecedor
Barulhos ensurdecedores após as 22h na divisa dos bairros Jardim e Campestre, em Santo André! Também durante o dia veículos e motos estão quase que voando pela Avenida Prestes Maia e Alameda Campestre, talvez tunados, que abusam de alta velocidade. Motos, com barulho ensurdecedor, passam pela Prestes Maia, entre a Rua das Figueiras até o Viaduto Dom Pedro II. Na Alameda Campestre as motos ‘pisam fundo’ entre a Vitória Régia até a Figueiras. O barulho, no total, é muito grande durante o dia, e à noite fica bem pior. Que tal colocar radar entre a Figueiras e o Viaduto Dom Pedro II, e também a lombada prometida na Alameda Campestre, que tem escola de futebol e passagem de adultos e crianças? Será que não existe departamento que possa corrigir esses absurdos? Com a palavra nossos gestores e órgãos de segurança.
Cláudio Luiz da Silva
Santo André

Só mulher
Estava pensando com meus botões: o que a população da minha Mauá poderia fazer nas próximas eleições para nossos impostos passarem a ser usados realmente em prol do bem comum do povo? Vejamos: hoje temos no governo e na Câmara humanos do sexo masculino. Será que se votarmos só em mulheres mudaria o cenário para melhor? Particularmente entendo que mulher tem olhar muito mais sensível para o próximo, seria, então, esse o caminho? De verdade, estou quase totalmente persuadida que sim. Sendo assim, que tal eu e você fazermos essa opção? E que Deus nos ajude.
Rosângela Caris
Mauá

100 mil
Dia 8 o Brasil teve a notícia de 100 mil mortes pela Covid-19, causada pelo coronavírus (Setecidades) e, em minha opinião, o culpado de tudo isso é este governo que vivemos, presidido pelo senhor Jair Messias Bolsonaro, que desde o início da pandemia dizia que era só uma ‘gripezinha’!, mas que, até agora, já destruiu 100 mil vidas. Agora, que o presidente já teve a doença, diz que quer a vacina para aliviar para as pessoas. Que o povo em 2022 pense melhor e não deixe que esse senhor seja reeleito presidente do nosso Brasil. Minhas condolências às milhares de famílias que perderam seus entes queridos nessas 100 mil mortes.
Fernando Zucatelli
São Caetano

Mal alocadas
No Brasil, no setor público, infelizmente existe buraco muito fundo, e sem limites, para gastos improdutivos, que privilegiam classes de trabalhadores como dos servidores públicos – estaduais, municipais e principalmente federais –, que, com seus altos salários, consomem mais recursos juntos do que o montante destinado para saúde e educação. Enquanto salários de servidores consomem 13,7% do PIB (Produto Interno Bruto), para a saúde, míseros 3,9% do PIB, e, à educação, 6% do PIB. Mas Bolsonaro, como diz, não quer briga com funcionalismo, porque só pensa na sua reeleição em 2022. O que é lamentável!
Paulo Panossian
São Carlos (SP)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O advogado e sua função social

Do Diário do Grande ABC

10/08/2020 | 23:59


Como todos sabem, variadas são as áreas de especialidade para atuação do advogado. Alguns se dedicam à advocacia criminal, outros têm mais afinidade com as áreas trabalhista, tributária, cível, previdenciária, mas todos têm em comum a incessante vontade de sempre obter mais conhecimento para melhor desempenhar a defesa do seu cliente.

A advocacia é uma das profissões mais antigas da humanidade. Estudiosos indicam que a primeira concepção da profissão vem da Grécia, em meados do século IV, mas foi em Roma que a profissão se tornou mais conhecida, com o patronus (que era responsável por defender os direitos dos seus protegidos) e o advocatus (que tinha a missão de instruir a parte de litígio sobre questões de direito), tudo isso no ano 451 a.C. (antes de Cristo).

Nessa mesma época, teve destaque o frade franciscano Ivo Hélory de Kermartin, reconhecido por sua atuação na defesa dos pobres e que, por sua sabedoria e seu espírito conciliador, hoje é reverenciado como santo padroeiro dos advogados.

O advogado é um dos profissionais que exercem função social, essencial para a realização da Justiça, conforme previsto no artigo 133 da Constituição Federal. Hoje, dia 11 de agosto, se celebra o Dia do Advogado, ocasião muito oportuna para homenagear em especial os profissionais que – voluntariamente – contribuem com seu trabalho na defesa das causas beneficentes e assistenciais, em prol da parcela mais carente da sociedade.

Trata-se de atividade que demanda muita sensibilidade e altruísmo do advogado, pois, além de enfrentar a dificuldade financeira de muitas entidades, sobretudo após seguidas crises econômicas, também lhe requer afinidade com o objetivo social da instituição. Hoje temos no Brasil muitas associações, ONGs (Organizações Não Governamentais), fundações que se ativam na defesa de crianças, idosos, animais abandonados, dependentes químicos, meio ambiente, dentre tantas outras causas, porém, certo é que todas elas necessitam do apoio técnico-jurídico.

Ajudar a uma entidade assistencial como advogado é missão que conforta o coração e traz a certeza de que a gratidão é a melhor remuneração que pode existir. Conclamo os amigos advogados a se engajarem em entidades filantrópicas sem esperar algum retorno financeiro, e sim visando colaborar na melhoria do local em que vivemos. Se queremos sociedade mais justa e mais fraterna, precisamos começar fazendo a nossa parte, oferecendo aquilo que mais sabemos fazer, defender o direito e a cidadania.

Tarsio Taricano é advogado especialista em direito imobiliário/condominial, empresário e voluntário em algumas entidades filantrópicas em São Caetano.


PALAVRA DO LEITOR

Bebel
Parabenizo a jornalista Aline Melo pelas perguntas bem formuladas, na Entrevista da Semana que fez com a renomada regente Bebel (Política, ontem), que é muito atuante, carismática e respeitada no quadro do magistério estadual e agora na Assembleia Legislativa! Apesar das perguntas bem elaboradas, a deputada estadual foi evasiva em algumas respostas, mas nada que justificasse Editorial tão crítico (Opinião).
João Paulo de Oliveira
Diadema

Denúncias
A cada dia surgem novas denúncias contra o prefeito de São Bernardo. Esse rapaz agia de maneira sorrateira, sempre em benefício próprio, claro. Sem dúvida tinha em mente que enganaria a todos para sempre. Achou-se acima da lei e não contava que um dia poderia se descoberto. Mas suas falcatruas vêm à tona. Quem confiou e votou nele deve cobrá-lo para que esclareça todas as dúvidas levantadas pela Justiça. Fomos enganados e não devemos passar a mão na cabeça do prefeito, não devemos transferir a outros os erros dele. Que ele prove que é inocente, se é que é. Para piorar sua situação, agora juntou-se com antigo rival, que parece se interessar apenas por dinheiro, dono de metade da cidade. Se não se livrar das acusações, nós, moradores de São Bernardo, devemos defenestrar os dois da política da cidade.
Valdir Cobra Almeida
São Bernardo

Brasileirão
O Brasileirão começou. É caixa de surpresas. São 20 bons times. Há equilíbrio, mas os que têm mais grana e banco são os favoritos. Zebras acontecem, o campeonato é longo e os grandes, às vezes, se dão mal – é inerente ao futebol.
Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha (ES)

Ensurdecedor
Barulhos ensurdecedores após as 22h na divisa dos bairros Jardim e Campestre, em Santo André! Também durante o dia veículos e motos estão quase que voando pela Avenida Prestes Maia e Alameda Campestre, talvez tunados, que abusam de alta velocidade. Motos, com barulho ensurdecedor, passam pela Prestes Maia, entre a Rua das Figueiras até o Viaduto Dom Pedro II. Na Alameda Campestre as motos ‘pisam fundo’ entre a Vitória Régia até a Figueiras. O barulho, no total, é muito grande durante o dia, e à noite fica bem pior. Que tal colocar radar entre a Figueiras e o Viaduto Dom Pedro II, e também a lombada prometida na Alameda Campestre, que tem escola de futebol e passagem de adultos e crianças? Será que não existe departamento que possa corrigir esses absurdos? Com a palavra nossos gestores e órgãos de segurança.
Cláudio Luiz da Silva
Santo André

Só mulher
Estava pensando com meus botões: o que a população da minha Mauá poderia fazer nas próximas eleições para nossos impostos passarem a ser usados realmente em prol do bem comum do povo? Vejamos: hoje temos no governo e na Câmara humanos do sexo masculino. Será que se votarmos só em mulheres mudaria o cenário para melhor? Particularmente entendo que mulher tem olhar muito mais sensível para o próximo, seria, então, esse o caminho? De verdade, estou quase totalmente persuadida que sim. Sendo assim, que tal eu e você fazermos essa opção? E que Deus nos ajude.
Rosângela Caris
Mauá

100 mil
Dia 8 o Brasil teve a notícia de 100 mil mortes pela Covid-19, causada pelo coronavírus (Setecidades) e, em minha opinião, o culpado de tudo isso é este governo que vivemos, presidido pelo senhor Jair Messias Bolsonaro, que desde o início da pandemia dizia que era só uma ‘gripezinha’!, mas que, até agora, já destruiu 100 mil vidas. Agora, que o presidente já teve a doença, diz que quer a vacina para aliviar para as pessoas. Que o povo em 2022 pense melhor e não deixe que esse senhor seja reeleito presidente do nosso Brasil. Minhas condolências às milhares de famílias que perderam seus entes queridos nessas 100 mil mortes.
Fernando Zucatelli
São Caetano

Mal alocadas
No Brasil, no setor público, infelizmente existe buraco muito fundo, e sem limites, para gastos improdutivos, que privilegiam classes de trabalhadores como dos servidores públicos – estaduais, municipais e principalmente federais –, que, com seus altos salários, consomem mais recursos juntos do que o montante destinado para saúde e educação. Enquanto salários de servidores consomem 13,7% do PIB (Produto Interno Bruto), para a saúde, míseros 3,9% do PIB, e, à educação, 6% do PIB. Mas Bolsonaro, como diz, não quer briga com funcionalismo, porque só pensa na sua reeleição em 2022. O que é lamentável!
Paulo Panossian
São Carlos (SP)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;