Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 25 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Bruno Gagliasso revela como é ter um bebê pela primeira vez em casa e cita relação de Bless e Titi com Zyan: Demos responsabilidades de irmãos mais velhos para eles



07/08/2020 | 13:10


Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank se tornaram pais pela terceira vez recentemente. Mas a chegada de Zyan é algo completamente novo na vida do casal, já que pela primeira vez eles estão lidando com um recém-nascido em casa. Em bate-papo ao vivo sobre A Importância da Conversa e da Interação da Primeira Infância, promovida pela Unesco com a Fundação Souto Vidigal, o ator falou como tem sido descobrir ao lado dos filhos mais velhos, Titi e Bless, como é ter um bebê:

- Os irmãos estão muito encantados também. É muito importante essa interação deles. A gente procurou trazer muito eles para evitar ciúmes, que eles mesmo se afastassem. Demos responsabilidades de irmãos mais velhos para eles. De que a gente estaria com um ser que é muito novo, para eles, mas para mim também como pai e para Giovanna como mãe. É a primeira vez que a gente está lidando com um bebê, assim como eles.

O ator também falou sobre como é a conversa com Zyan, que começou muito antes dele nascer. Bruno ainda confessou que já se pegou falando com uma voz de bebê, coisa que nunca imaginou que iria fazer:

- A gente começa a conversar antes dele vir para o mundo, começa a conversar dentro da barriga. É engraçado porque isso é novo para gente. Meus filhos chegaram com dois anos e meio e três anos. A gente não esperava a Gio ter engravidado. Foi um susto, mas um susto bom. Como vai ser? É muito novo. Além de ser novo o filho que veio da barriga, a gente está no meio de uma pandemia. O cuidado tem que ser maior, tudo tem que ser maior. Zyan já conhece a voz da irmã que falava o tempo inteiro com ele na gravidez. Ela pedia muito esse irmãozinho. É engraçado as brincadeiras. Eu me peguei falando igual a um louco com o Zyan. Coisa que eu não fiz com o Bless e a Titi. Parei para pensar: Por que estou falando assim? Será que é porque eu acho que fica mais fácil para ele entender? Por que estou fazendo esse papel ridículo de falar que nem criança com meu filho?

Ela ainda contou como tem sido a convivência com os filhos em meio à quarentena por causa da pandemia do coronavírus:

- É uma situação nova para minha família. Tenho dois filhos que nasceram do coração e passar por esse momento junto com eles, com a chegada de um irmãozinho biológico é muito novo. Eu estou tentando que me reinventar o tempo inteiro, porque a gente está aprendendo o tempo inteiro. A gente cria muita brincadeira junto, leio muito para eles. Até postei no Instagram que meu filho estava me mostrando quem era Luther King, Rosa Parks, Obama... isso tudo é porque eu leio para eles. Ver uma criança de cinco anos de idade, africana, tendo essas referência, é lindo de ver. Essa mesma criança vai ensinar o irmãozinho daqui a pouco. Me emociono todos os dias convivendo com os meus filhos. Na nossa família a gente conversa muito, fala muito abertamente. Lógico que eu não vou ter o mesmo papo com minha família que eu tenho com amigos de 40 anos. Mas vou falar sobre o mesmo assunto, de uma maneira que ela entenda. É muito abertamente a forma como é falada. Tudo é muito discutido, disse.

E completou:

- O diálogo é muito importante e a gente tem isso desde que eles chegaram. Minha filha chegou com dois anos e meio, a gente morou três meses na África e nesses três meses que a gente passou com ela lá, ela aprendeu a falar português mais do que a língua local, porque ela teve estímulo nesses três meses do que ela não teve em dois anos. O estímulo nada mais é do que o amor.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bruno Gagliasso revela como é ter um bebê pela primeira vez em casa e cita relação de Bless e Titi com Zyan: Demos responsabilidades de irmãos mais velhos para eles


07/08/2020 | 13:10


Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank se tornaram pais pela terceira vez recentemente. Mas a chegada de Zyan é algo completamente novo na vida do casal, já que pela primeira vez eles estão lidando com um recém-nascido em casa. Em bate-papo ao vivo sobre A Importância da Conversa e da Interação da Primeira Infância, promovida pela Unesco com a Fundação Souto Vidigal, o ator falou como tem sido descobrir ao lado dos filhos mais velhos, Titi e Bless, como é ter um bebê:

- Os irmãos estão muito encantados também. É muito importante essa interação deles. A gente procurou trazer muito eles para evitar ciúmes, que eles mesmo se afastassem. Demos responsabilidades de irmãos mais velhos para eles. De que a gente estaria com um ser que é muito novo, para eles, mas para mim também como pai e para Giovanna como mãe. É a primeira vez que a gente está lidando com um bebê, assim como eles.

O ator também falou sobre como é a conversa com Zyan, que começou muito antes dele nascer. Bruno ainda confessou que já se pegou falando com uma voz de bebê, coisa que nunca imaginou que iria fazer:

- A gente começa a conversar antes dele vir para o mundo, começa a conversar dentro da barriga. É engraçado porque isso é novo para gente. Meus filhos chegaram com dois anos e meio e três anos. A gente não esperava a Gio ter engravidado. Foi um susto, mas um susto bom. Como vai ser? É muito novo. Além de ser novo o filho que veio da barriga, a gente está no meio de uma pandemia. O cuidado tem que ser maior, tudo tem que ser maior. Zyan já conhece a voz da irmã que falava o tempo inteiro com ele na gravidez. Ela pedia muito esse irmãozinho. É engraçado as brincadeiras. Eu me peguei falando igual a um louco com o Zyan. Coisa que eu não fiz com o Bless e a Titi. Parei para pensar: Por que estou falando assim? Será que é porque eu acho que fica mais fácil para ele entender? Por que estou fazendo esse papel ridículo de falar que nem criança com meu filho?

Ela ainda contou como tem sido a convivência com os filhos em meio à quarentena por causa da pandemia do coronavírus:

- É uma situação nova para minha família. Tenho dois filhos que nasceram do coração e passar por esse momento junto com eles, com a chegada de um irmãozinho biológico é muito novo. Eu estou tentando que me reinventar o tempo inteiro, porque a gente está aprendendo o tempo inteiro. A gente cria muita brincadeira junto, leio muito para eles. Até postei no Instagram que meu filho estava me mostrando quem era Luther King, Rosa Parks, Obama... isso tudo é porque eu leio para eles. Ver uma criança de cinco anos de idade, africana, tendo essas referência, é lindo de ver. Essa mesma criança vai ensinar o irmãozinho daqui a pouco. Me emociono todos os dias convivendo com os meus filhos. Na nossa família a gente conversa muito, fala muito abertamente. Lógico que eu não vou ter o mesmo papo com minha família que eu tenho com amigos de 40 anos. Mas vou falar sobre o mesmo assunto, de uma maneira que ela entenda. É muito abertamente a forma como é falada. Tudo é muito discutido, disse.

E completou:

- O diálogo é muito importante e a gente tem isso desde que eles chegaram. Minha filha chegou com dois anos e meio, a gente morou três meses na África e nesses três meses que a gente passou com ela lá, ela aprendeu a falar português mais do que a língua local, porque ela teve estímulo nesses três meses do que ela não teve em dois anos. O estímulo nada mais é do que o amor.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;