Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 31 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Anti-heróis declaram guerra à tecnologia



25/02/2020 | 07:00


O cinema brasileiro está repercutindo na 70ª Berlinale. Variety, a Bíblia do showbiz dos EUA, mapeia a atitude do governo de Jair Bolsonaro com o cinema brasileiro de arte e a cultura negra, mas lamenta não abraçar com entusiasmo o filme de Marco Dutra e Caetano Gotardo, Todos os Mortos. Já Screen International foi mais receptiva, e no quadro de cotações da revista, com críticos de todo o mundo, All the Dead Ones ganhou o máximo de estrelas - quatro - de um crítico da China e duas vezes três (de profissionais da Alemanha e da Inglaterra).

O festival chegou ontem, exatamente, à metade - a premiação ocorre no sábado, 29, ficando o domingo, 1º, para a reprise da competição (e dos vencedores de todas as seções).

A segunda começou com um filme em língua francesa - Effacer lHistorique, Deletar a História, dos belgas Benoît Delépine e Gustave Kervern, que procura retratar uma das tragédias da vida moderna. A dependência das pessoas em relação aos celulares. Um trio de personagens, três histórias cruzadas, que seriam cômicas, se não fossem trágicas - mesmo assim, o filme é para rir, e o público de jornalistas riu muito. Uma profissional de ponta que perdeu o emprego numa usina nuclear porque ficou viciada em séries e nem detectou o vazamento que estava ocorrendo em sua cara. Ela vai trabalhar num sistema de transporte de luxo, mas tem avaliações baixas - que precisa apagar.

Os outros dois também precisam deletar vídeos comprometedores. A segunda mulher, o sexo que fez com um desconhecido e que ele gravou para chantageá-la. O homem do trio inicia um romance a distância, mas seu problema é o vídeo em que a filha sofre bullying na escola. Face ao pesadelo da comunicação nos tempos modernos, com seu incentivo ao consumo e às informações falsas, Delépine e Kervern propõem o retorno à simplicidade.

Isto é, os celulares são enviados àquela parte. Meio fantasioso, mas o filme leva jeito de repercutir, e agradar, principalmente àqueles que se sentem retratados na tela. Delépine e Kervern são veteranos em Berlim, onde já mostraram Mamute e Saint Amour - Na Rota do Vinho, ambos com Gérard Depardieu.

Dois alemães da competição ganham texto separado, nesta edição. E já houve o Abel Ferrara - Sibéria, com Willem Dafoe. A dupla de Go Go Tales e Tommaso volta a explorar os demônios da criação. Dafoe isola-se do mundo, mas não consegue se livrar dos sonhos desfeitos e dos fantasmas do passado. O filme de produção italiana tem cenas fortes, como se espera de Ferrara, mas não chega a trazer nada muito novo ao universo sórdido e violento do autor. Há dois anos, Dafoe recebeu aqui em Berlim o Urso de Ouro de carreira - prêmio a ser atribuído este ano, na quinta, 27, a Helen Mirren. Outro Urso para o ator? Dafoe veio dizer que, na vida como na arte, tudo o leva a Ferrara.

"Volto sempre a ele, e não só como amigo, mas porque possuímos uma conexão muito forte quando se trata de colocar na tela sentimentos profundos. Abel é um autor visceral. Joga-se no filme como se sua vida dependesse disso. Gosto dessa radicalidade."

Nas seções paralelas, a retrospectiva do cineasta King Vidor tem permitido revisitar filmes clássicos, que pertencem à história do cinema. Ontem passou o cultuado Stella Dallas, Mãe Redentora, com a atriz Barbara Stanwyck, de 1937. O ator e diretor Daniel Filho, com sua experiência na televisão, vê nesse filme a fonte de todas as novelas - o amor de mãe, que leva Stella a se sacrificar pelo bem-estar da filha.

Por falar em TV, Berlim abriu um espaço para séries. Hillary Clinton foi a capa da Screen desta segunda. Berlinale Special está abrigando as exibições dos quatro capítulos de uma série documentário dedicada à ex-primeira-dama dos EUA. A própria Hillary é convidada superespecial do festival.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;