Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Assembleia adia votação da reforma da Previdência

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Por falta de votos, base de Doria deixa para o dia 3 segundo turno da apreciação da proposta


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

20/02/2020 | 00:00


Após cinco horas de discussão, a Assembleia Legislativa adiou para o dia 3 a votação definitiva da reforma da Previdência estadual proposta pelo governador João Doria (PSDB). O adiamento foi costurado pelo líder de governo, Carlão Pignatari (PSDB), por falta de votos pró-reforma.

A tramitação do texto foi protocolada ainda em dezembro, mas foi suspensa após decisão da Justiça paulista. A apreciação foi liberada na terça-feira pelo STF (Supremo Tribunal Federal). O primeiro turno da votação ocorreu já na terça, horas depois de o ministro Dias Toffoli, presidente do STF, derrubar liminar proferida pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), que acatou pedido do deputado oposicionista Emídio de Souza (PT).

O placar da votação de terça deu o tom de como o governo Doria enfrenta dificuldades para emplacar a reforma. O texto passou em primeiro turno por 57 a 31, no limite de votos mínimos necessários para aprovação de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição).

A sessão extraordinária para a votação definitiva da reforma foi aberta ontem às 19h e perdurou até meia-noite. Os trabalhos foram marcados por manifestações de servidores estaduais e de sindicatos, contrários às mudanças. Também houve intenso debate e até troca de ofensas entre governistas e oposicionistas. A deputada Beth Sahão (PT) prometeu representar na comissão de ética a líder do PSDB na casa, Carla Morando, por ela ter dito que as parlamentares da esquerda “não prestam”. “Vocês pensam no próprio rabinho”, disse a tucana. “Quando você debate com uma mulher e tenta reduzi-la ao próprio corpo, você está contribuindo com uma luta que não é a nossa”, rebateu a oposicionista Mônica da Bancada Ativista (Psol).

MUDANÇAS
A reforma da Previdência de Doria altera a idade mínima para acesso à aposentadoria: 62 anos (atualmente é de 55) para as mulheres e 65 anos (hoje é 60) para os homens. A emenda também eleva de 11% para 14% a alíquota de contribuição.

No caso dos professores, além de ampliar a idade mínima – de 50 para 57 no caso das mulheres e de 55 para 60 no dos homens –, também serão exigidos 25 anos de magistério, dez de serviço público e cinco de atuação no cargo em que se pede a aposentadoria.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Assembleia adia votação da reforma da Previdência

Por falta de votos, base de Doria deixa para o dia 3 segundo turno da apreciação da proposta

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

20/02/2020 | 00:00


Após cinco horas de discussão, a Assembleia Legislativa adiou para o dia 3 a votação definitiva da reforma da Previdência estadual proposta pelo governador João Doria (PSDB). O adiamento foi costurado pelo líder de governo, Carlão Pignatari (PSDB), por falta de votos pró-reforma.

A tramitação do texto foi protocolada ainda em dezembro, mas foi suspensa após decisão da Justiça paulista. A apreciação foi liberada na terça-feira pelo STF (Supremo Tribunal Federal). O primeiro turno da votação ocorreu já na terça, horas depois de o ministro Dias Toffoli, presidente do STF, derrubar liminar proferida pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), que acatou pedido do deputado oposicionista Emídio de Souza (PT).

O placar da votação de terça deu o tom de como o governo Doria enfrenta dificuldades para emplacar a reforma. O texto passou em primeiro turno por 57 a 31, no limite de votos mínimos necessários para aprovação de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição).

A sessão extraordinária para a votação definitiva da reforma foi aberta ontem às 19h e perdurou até meia-noite. Os trabalhos foram marcados por manifestações de servidores estaduais e de sindicatos, contrários às mudanças. Também houve intenso debate e até troca de ofensas entre governistas e oposicionistas. A deputada Beth Sahão (PT) prometeu representar na comissão de ética a líder do PSDB na casa, Carla Morando, por ela ter dito que as parlamentares da esquerda “não prestam”. “Vocês pensam no próprio rabinho”, disse a tucana. “Quando você debate com uma mulher e tenta reduzi-la ao próprio corpo, você está contribuindo com uma luta que não é a nossa”, rebateu a oposicionista Mônica da Bancada Ativista (Psol).

MUDANÇAS
A reforma da Previdência de Doria altera a idade mínima para acesso à aposentadoria: 62 anos (atualmente é de 55) para as mulheres e 65 anos (hoje é 60) para os homens. A emenda também eleva de 11% para 14% a alíquota de contribuição.

No caso dos professores, além de ampliar a idade mínima – de 50 para 57 no caso das mulheres e de 55 para 60 no dos homens –, também serão exigidos 25 anos de magistério, dez de serviço público e cinco de atuação no cargo em que se pede a aposentadoria.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;