Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe a R$ 4,37, contrariando queda ante emergentes, com fatores locais

Reprodução/Instagram Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


19/02/2020 | 09:52


O dólar abriu esta quarta-feira, 19, em alta ante o real, descolado da queda predominante no exterior em relação a divisas emergentes ligadas a commodities, e renovou máxima em R$ 4,3723 (+0,30%) no mercado à vista. Por volta das 9h40, O BC apenas observava.

O operador da Commcor, Cleber Alessie Machado Neto, diz que alta é estrutural com os juros baixos no País. Ele cita várias razões que justificam sua avaliação: não há atrativo para carry trade com o achatamento do diferencial de juros interno externo, há carência de entrada de fluxo estrangeiro para a Bolsa, o País carece de grau de investimento e o PIB interno pode ser comprometido pelos efeitos do coronavírus na economia chinesa. "Tudo isso é ruim para o real. O investidor nacional é que está apoiando as altas recentes da Bolsa e faz hedge cambial para exposição em renda variável", acrescenta.

Machado Netto relata que aumentou a posição comprada em dólar de investidores nacionais. "Ontem (terça) o investidor local estava comprador em dólar futuro em US$ 5,964 bilhões, ante uma exposição vendida desses players de US$ 837,5 milhões em 31 de janeiro", comenta.

"O investidor nacional se protege no dólar por temer eventual revés na economia interna ou estresse externo mais forte", avalia. Sua percepção é de que o real opera descolado, mas se o movimento se acentuar e persistir, o BC pode mostrar as caras. "Aparentemente, não há uma defesa de nível de preço, mas de eventual volatilidade", diz.

Machado Netto avalia que não há disfuncionalidades. "Se houvesse, o cupom cambial estaria subindo. Até 9h17, o cupom cambial curto (abril) ainda não tinha negócio registrado, e ontem fechou a 2,43% - "dentro da normalidade para o período do mês", afirma ele. Às 9h30, a taxa do dólar casado estava em 0,90 pontos, queda de 0,40 ante o fechamento anterior, também considerada normal por ele.

Às 9h32, o dólar à vista subia 0,32%, a R$ 4,3710. Na mínima, ficou a R$ 4,3628 (+0,12%). O dólar futuro para março estava em alta de 0,33%, a R$ 4,3720, após máxima aos R$ 4,3730 (+0,36%). Esse contrato já teve mínima em R$ 4,3630 (+0,13%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe a R$ 4,37, contrariando queda ante emergentes, com fatores locais


19/02/2020 | 09:52


O dólar abriu esta quarta-feira, 19, em alta ante o real, descolado da queda predominante no exterior em relação a divisas emergentes ligadas a commodities, e renovou máxima em R$ 4,3723 (+0,30%) no mercado à vista. Por volta das 9h40, O BC apenas observava.

O operador da Commcor, Cleber Alessie Machado Neto, diz que alta é estrutural com os juros baixos no País. Ele cita várias razões que justificam sua avaliação: não há atrativo para carry trade com o achatamento do diferencial de juros interno externo, há carência de entrada de fluxo estrangeiro para a Bolsa, o País carece de grau de investimento e o PIB interno pode ser comprometido pelos efeitos do coronavírus na economia chinesa. "Tudo isso é ruim para o real. O investidor nacional é que está apoiando as altas recentes da Bolsa e faz hedge cambial para exposição em renda variável", acrescenta.

Machado Netto relata que aumentou a posição comprada em dólar de investidores nacionais. "Ontem (terça) o investidor local estava comprador em dólar futuro em US$ 5,964 bilhões, ante uma exposição vendida desses players de US$ 837,5 milhões em 31 de janeiro", comenta.

"O investidor nacional se protege no dólar por temer eventual revés na economia interna ou estresse externo mais forte", avalia. Sua percepção é de que o real opera descolado, mas se o movimento se acentuar e persistir, o BC pode mostrar as caras. "Aparentemente, não há uma defesa de nível de preço, mas de eventual volatilidade", diz.

Machado Netto avalia que não há disfuncionalidades. "Se houvesse, o cupom cambial estaria subindo. Até 9h17, o cupom cambial curto (abril) ainda não tinha negócio registrado, e ontem fechou a 2,43% - "dentro da normalidade para o período do mês", afirma ele. Às 9h30, a taxa do dólar casado estava em 0,90 pontos, queda de 0,40 ante o fechamento anterior, também considerada normal por ele.

Às 9h32, o dólar à vista subia 0,32%, a R$ 4,3710. Na mínima, ficou a R$ 4,3628 (+0,12%). O dólar futuro para março estava em alta de 0,33%, a R$ 4,3720, após máxima aos R$ 4,3730 (+0,36%). Esse contrato já teve mínima em R$ 4,3630 (+0,13%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;