Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 10 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar volta a subir após dois dias de queda e fecha em R$ 4,32



17/02/2020 | 18:31


O dólar voltou a subir nesta segunda-feira, 17, depois de duas sessões de queda, quando o Banco Central injetou US$ 2 bilhões em dinheiro novo no mercado. Hoje, sem leilão extraordinário de dólares e com volume de negócios muito baixo, por causa do feriado nos Estados Unidos, o dólar à vista fechou em alta de 0,67%, a R$ 4,3292. A moeda americana subiu ante divisas fortes e de emergentes, em meio a renovadas preocupações com os efeitos do coronavírus. O real foi novamente a divisa com pior desempenho em uma cesta de 34 moedas.

O banco central da China voltou a injetar recursos no mercado nesta segunda-feira e também reduziu os juros. A estratégia acabou contribuindo para a alta das bolsas europeias e asiáticas, mas não ajudou as moedas de emergentes. As preocupações sobre os efeitos da disseminação do coronavírus falaram mais alto e o tom de cautela predominou, ressaltam os estrategistas de câmbio do banco de investimento americano Brown Brothers Harriman (BBH). "O impacto final do vírus ainda é desconhecido", destacam.

Para o economista-chefe da gestora paulista Panamby Capital, Eduardo Yuki, o crescimento da economia mundial tende a mostrar desaceleração este ano, influenciado pelo coronavírus. A tendência é que o crescimento da China recue para perto de 5%, o que afeta o desempenho de outras regiões, como a zona do euro e as exportações brasileiras, o que significa menos dólares entrando no País. "O câmbio tem uma tendência natural de desvalorização este ano", disse ele. Na máxima do dia, o dólar foi a R$ 4,3320. O economista da Panamby trabalha com a moeda americana em R$ 4,50 no final de 2020. "O dólar abaixo de R$ 4,00 não está incluso em nosso cenário. Muita coisa boa precisa acontecer para isso", disse ele.

"O coronavírus continua pesando nas moedas mais sensíveis a riscos", observam os estrategistas em Nova York do grupo financeiro holandês ING. "Com isso, o apetite por dólar permanece forte", afirmam. Como reflexo, o índice DXY, que mede o comportamento da divisa americana ante uma cesta de moedas fortes, chegou a bater em 99,208 pontos, renovando as máximas desde o começo do ano passado. Já o euro seguiu testando mínimas, no menor patamar desde abril de 2017.

No mercado local, o Banco Central não fez leilão extraordinário hoje, apenas a rolagem de swaps de abril. Foi colocado o lote integral de 13 mil contratos, somando US$ 650 milhões. Na quinta e na sexta-feira, foi injetado, via swap, US$ 1 bilhão por dia, fazendo o dólar cair nas duas sessões.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar volta a subir após dois dias de queda e fecha em R$ 4,32


17/02/2020 | 18:31


O dólar voltou a subir nesta segunda-feira, 17, depois de duas sessões de queda, quando o Banco Central injetou US$ 2 bilhões em dinheiro novo no mercado. Hoje, sem leilão extraordinário de dólares e com volume de negócios muito baixo, por causa do feriado nos Estados Unidos, o dólar à vista fechou em alta de 0,67%, a R$ 4,3292. A moeda americana subiu ante divisas fortes e de emergentes, em meio a renovadas preocupações com os efeitos do coronavírus. O real foi novamente a divisa com pior desempenho em uma cesta de 34 moedas.

O banco central da China voltou a injetar recursos no mercado nesta segunda-feira e também reduziu os juros. A estratégia acabou contribuindo para a alta das bolsas europeias e asiáticas, mas não ajudou as moedas de emergentes. As preocupações sobre os efeitos da disseminação do coronavírus falaram mais alto e o tom de cautela predominou, ressaltam os estrategistas de câmbio do banco de investimento americano Brown Brothers Harriman (BBH). "O impacto final do vírus ainda é desconhecido", destacam.

Para o economista-chefe da gestora paulista Panamby Capital, Eduardo Yuki, o crescimento da economia mundial tende a mostrar desaceleração este ano, influenciado pelo coronavírus. A tendência é que o crescimento da China recue para perto de 5%, o que afeta o desempenho de outras regiões, como a zona do euro e as exportações brasileiras, o que significa menos dólares entrando no País. "O câmbio tem uma tendência natural de desvalorização este ano", disse ele. Na máxima do dia, o dólar foi a R$ 4,3320. O economista da Panamby trabalha com a moeda americana em R$ 4,50 no final de 2020. "O dólar abaixo de R$ 4,00 não está incluso em nosso cenário. Muita coisa boa precisa acontecer para isso", disse ele.

"O coronavírus continua pesando nas moedas mais sensíveis a riscos", observam os estrategistas em Nova York do grupo financeiro holandês ING. "Com isso, o apetite por dólar permanece forte", afirmam. Como reflexo, o índice DXY, que mede o comportamento da divisa americana ante uma cesta de moedas fortes, chegou a bater em 99,208 pontos, renovando as máximas desde o começo do ano passado. Já o euro seguiu testando mínimas, no menor patamar desde abril de 2017.

No mercado local, o Banco Central não fez leilão extraordinário hoje, apenas a rolagem de swaps de abril. Foi colocado o lote integral de 13 mil contratos, somando US$ 650 milhões. Na quinta e na sexta-feira, foi injetado, via swap, US$ 1 bilhão por dia, fazendo o dólar cair nas duas sessões.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;