Fechar
Publicidade

Sábado, 29 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Secretário cai após discurso próximo ao nazismo; região critica

Ronaldo Caldas/Fotos Públivcas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito, deputados e artistas do Grande ABC condenam falas que derrubaram Alvim, ex-titular da Cultura do governo Bolsonaro


Daniel Tossato
Do dgabc.com.br

18/01/2020 | 00:01


Políticos e pessoas ligas aos movimentos culturais do Grande ABC criticaram duramente o discurso do ex-secretário de Cultura Roberto Alvim, que se utilizou de frases do ex-ministro da Propaganda nazista Joseph Goebbels em vídeo no qual tratava sobre projetos da área para a década. Alvim foi demitido no início da tarde de ontem após o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), não suportar críticas das mais variadas frentes sobre seu subordinado.

Na noite de quinta-feira, Alvim publicou vídeo em que recorreu a declarações de Goebbels. “A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo, ou então não será nada.”

Deputado estadual com domicílio eleitoral em São Caetano, Thiago Auricchio (PL) utilizou o Facebook para expor sua opinião. Dizendo que o Brasil é um País democrático “e de bem” e que, por isso, não haveria espaço para “apologia ao nazismo”, o parlamentar alegou que não é possível tolerar discursos “irresponsáveis e nocivos.” “O discurso que deve reinar no País é aquele que prioriza o bem-estar social do seu povo.”

No mesmo caminho e também utilizando as redes sociais, a deputada estadual e líder do PSDB na Assembleia Legislativa, Carla Morando, emitiu nota oficial apontando que a fala do “ex-secretário Roberto Alvim é inaceitável e cruel”. “Vergonhoso ver alguém fazendo apologia ao nazismo nos dias de hoje. Um desrespeito à memória de milhões de vidas perdidas de forma covarde”, disse a tucana. Nos comentários, porém, um seguidor lembrou a deputada que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chegou a se aproximar de Bolsonaro quando era candidato ao Palácio dos Bandeirantes. “Desculpe deputada, mas seu partido apoiou tanto este presidente, que até seu governador mudou o nome para BolsoDoria.”

Foi Bolsonaro quem indicou Alvim para ocupar o cargo de secretário de Cultura, posição que foi preenchida em novembro do ano passado pelo ator e produtor de teatro. Ainda ontem, Bolsonaro convidou novamente a atriz Regina Duarte para a secretaria, que deverá dar resposta hoje, ao longo do dia.

Deputado federal por São Bernardo, Alex Manente (Cidadania) comemorou a demissão do ex-secretário via Twitter. “Ótima notícia a demissão do secretário de Cultura Roberto Alvim. Qualquer inspiração no nazismo é a mais pura demonstração do fanatismo e extremismo político”, declarou o deputado. “A democracia e as instituições têm que barrar esse tipo de comportamento”, concluiu em sua postagem.

Também deputado federal, Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT) pediu medidas judiciais contra Alvim e defendeu que haja movimentação popular pela “democracia, contra os retrocessos, contra o ódio e a intolerância”.

Entre os prefeitos do Grande ABC, somente o chefe do Executivo de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), expôs seu comentário acerca do episódio. “Quero registrar meu repúdio e indignação pela declaração proferida pelo secretário nacional de Cultura Roberto Alvim, já exonerado do cargo pelo presidente Jair Bolsonaro, que fez alusão aos pensamentos do governo nazista”, sustentou o prefeito.

MOVIMENTOS CULTURAIS
Para Dalila Teles Veras, escritora e dona da Alpharrabio Livraria e Editora, em Santo André, a declaração de Alvim expõe um pouco mais do que, na visão dela, é o governo Bolsonaro. “Fiquei sem saber o que falar. Eles perderam o pouco pudor que já tinham. É daí para pior”, declarou. “Não tenho esperanças para a cultura.”

Cineasta de São Bernardo, Diaulas Ullysses também não poupou críticas à gestão. “O atual momento é pior que o da ditadura. É muito triste.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Secretário cai após discurso próximo ao nazismo; região critica

Prefeito, deputados e artistas do Grande ABC condenam falas que derrubaram Alvim, ex-titular da Cultura do governo Bolsonaro

Daniel Tossato
Do dgabc.com.br

18/01/2020 | 00:01


Políticos e pessoas ligas aos movimentos culturais do Grande ABC criticaram duramente o discurso do ex-secretário de Cultura Roberto Alvim, que se utilizou de frases do ex-ministro da Propaganda nazista Joseph Goebbels em vídeo no qual tratava sobre projetos da área para a década. Alvim foi demitido no início da tarde de ontem após o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), não suportar críticas das mais variadas frentes sobre seu subordinado.

Na noite de quinta-feira, Alvim publicou vídeo em que recorreu a declarações de Goebbels. “A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo, ou então não será nada.”

Deputado estadual com domicílio eleitoral em São Caetano, Thiago Auricchio (PL) utilizou o Facebook para expor sua opinião. Dizendo que o Brasil é um País democrático “e de bem” e que, por isso, não haveria espaço para “apologia ao nazismo”, o parlamentar alegou que não é possível tolerar discursos “irresponsáveis e nocivos.” “O discurso que deve reinar no País é aquele que prioriza o bem-estar social do seu povo.”

No mesmo caminho e também utilizando as redes sociais, a deputada estadual e líder do PSDB na Assembleia Legislativa, Carla Morando, emitiu nota oficial apontando que a fala do “ex-secretário Roberto Alvim é inaceitável e cruel”. “Vergonhoso ver alguém fazendo apologia ao nazismo nos dias de hoje. Um desrespeito à memória de milhões de vidas perdidas de forma covarde”, disse a tucana. Nos comentários, porém, um seguidor lembrou a deputada que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), chegou a se aproximar de Bolsonaro quando era candidato ao Palácio dos Bandeirantes. “Desculpe deputada, mas seu partido apoiou tanto este presidente, que até seu governador mudou o nome para BolsoDoria.”

Foi Bolsonaro quem indicou Alvim para ocupar o cargo de secretário de Cultura, posição que foi preenchida em novembro do ano passado pelo ator e produtor de teatro. Ainda ontem, Bolsonaro convidou novamente a atriz Regina Duarte para a secretaria, que deverá dar resposta hoje, ao longo do dia.

Deputado federal por São Bernardo, Alex Manente (Cidadania) comemorou a demissão do ex-secretário via Twitter. “Ótima notícia a demissão do secretário de Cultura Roberto Alvim. Qualquer inspiração no nazismo é a mais pura demonstração do fanatismo e extremismo político”, declarou o deputado. “A democracia e as instituições têm que barrar esse tipo de comportamento”, concluiu em sua postagem.

Também deputado federal, Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT) pediu medidas judiciais contra Alvim e defendeu que haja movimentação popular pela “democracia, contra os retrocessos, contra o ódio e a intolerância”.

Entre os prefeitos do Grande ABC, somente o chefe do Executivo de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), expôs seu comentário acerca do episódio. “Quero registrar meu repúdio e indignação pela declaração proferida pelo secretário nacional de Cultura Roberto Alvim, já exonerado do cargo pelo presidente Jair Bolsonaro, que fez alusão aos pensamentos do governo nazista”, sustentou o prefeito.

MOVIMENTOS CULTURAIS
Para Dalila Teles Veras, escritora e dona da Alpharrabio Livraria e Editora, em Santo André, a declaração de Alvim expõe um pouco mais do que, na visão dela, é o governo Bolsonaro. “Fiquei sem saber o que falar. Eles perderam o pouco pudor que já tinham. É daí para pior”, declarou. “Não tenho esperanças para a cultura.”

Cineasta de São Bernardo, Diaulas Ullysses também não poupou críticas à gestão. “O atual momento é pior que o da ditadura. É muito triste.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;