Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Tomógrafo abandonado será descartado em Ribeirão Pires

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Equipamento, doado em 2009 por São Caetano, foi encontrado em área de obra de hospital


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

10/12/2019 | 07:00


O prefeito em exercício de Ribeirão Pires, Gabriel Roncon (PDT), declarou em entrevista ao Diário que o tomógrafo encontrado em 19 de novembro dentro de sala sem portas em área do futuro Complexo Hospitalar Santa Luzia (que está com as obras paralisadas há seis anos e depende de recursos do governo estadual para que a construção seja retomada) deverá ser descartado. Segundo ele, que substitui o prefeito Adler Kiko Teixeira (PSB), em férias, o equipamento não tem condições nenhuma de uso.

O tomógrafo foi doado em 2009 pela Prefeitura de São Caetano. O aparelho ainda tem a etiqueta que o identificava como propriedade da administração são-caetanense. “Provavelmente, quando o prefeito Kiko voltar, a gente vai estudar junto isso e a utilização mais viável é o descarte, porque não existe a possibilidade alguma deste tomógrafo (ser aproveitado)”, pontuou.

Roncon destacou que foi aberta sindicância para apurar por que o tomógrafo passou tanto tempo confinado. “Está estragado, quebrado totalmente. Vamos decidir qual será o real destino, mas está mesmo bem defasado, bem danificado”, concluiu.

O MP (Ministério Público) enviou ofício em 29 de novembro, assinado pela promotora Paula de Figueiredo Silva, questionando a Secretaria de Saúde o ocorrido. A Prefeitura tem 30 dias para apresentar resposta. A administração municipal informou que a sindicância aberta para apurar os fatos segue em andamento. Foi recusado, na Câmara Municipal de Ribeirão, requerimento convocando a secretária de Saúde, Patricia Aparecida de Freitas, para prestar esclarecimentos.

INSTALAÇÃO ERRADA
Em 2014, o ex-prefeito Saulo Benevides (ex-MDB, atualmente no Avante) gastou R$ 661 mil na aquisição de um aparelho que foi instalado na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Santa Luzia. Por funcionar apenas em urgências e emergências, o equipamento não recebia recursos do Ministério da Saúde pelos exames realizados, e por isso, em 2017, o atual prefeito transferiu o aparelho para o Hospital e Maternidade São Lucas alegando que havia sido instalado em espaço errado. Foram gastos R$ 188,9 mil apenas no transporte.

O ex-secretário de Saúde da cidade na gestão Saulo, Carlinhos Jesus, justificou que o projeto do Complexo Hospitalar determinava o local exato onde o aparelho deveria ser instalado, por isso estava na UPA (que é anexa ao futuro hospital).

Segundo a atual gestão, a instalação de um tomógrafo no Hospital e Maternidade São Lucas em 2017 resultou na eliminação da fila de espera pelos exames, com a realização de 5.300 procedimentos de novembro de 2017 até outubro de 2019. Atualmente, cerca de 30 procedimentos estão agendados e aguardando para serem realizados.

O aparelho é essencial para detectar alterações em ossos, tecidos, órgãos e outras estruturas do corpo e investigar nódulos ou tumores, além de vasos pulmonares e cerebrais.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tomógrafo abandonado será descartado em Ribeirão Pires

Equipamento, doado em 2009 por São Caetano, foi encontrado em área de obra de hospital

Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

10/12/2019 | 07:00


O prefeito em exercício de Ribeirão Pires, Gabriel Roncon (PDT), declarou em entrevista ao Diário que o tomógrafo encontrado em 19 de novembro dentro de sala sem portas em área do futuro Complexo Hospitalar Santa Luzia (que está com as obras paralisadas há seis anos e depende de recursos do governo estadual para que a construção seja retomada) deverá ser descartado. Segundo ele, que substitui o prefeito Adler Kiko Teixeira (PSB), em férias, o equipamento não tem condições nenhuma de uso.

O tomógrafo foi doado em 2009 pela Prefeitura de São Caetano. O aparelho ainda tem a etiqueta que o identificava como propriedade da administração são-caetanense. “Provavelmente, quando o prefeito Kiko voltar, a gente vai estudar junto isso e a utilização mais viável é o descarte, porque não existe a possibilidade alguma deste tomógrafo (ser aproveitado)”, pontuou.

Roncon destacou que foi aberta sindicância para apurar por que o tomógrafo passou tanto tempo confinado. “Está estragado, quebrado totalmente. Vamos decidir qual será o real destino, mas está mesmo bem defasado, bem danificado”, concluiu.

O MP (Ministério Público) enviou ofício em 29 de novembro, assinado pela promotora Paula de Figueiredo Silva, questionando a Secretaria de Saúde o ocorrido. A Prefeitura tem 30 dias para apresentar resposta. A administração municipal informou que a sindicância aberta para apurar os fatos segue em andamento. Foi recusado, na Câmara Municipal de Ribeirão, requerimento convocando a secretária de Saúde, Patricia Aparecida de Freitas, para prestar esclarecimentos.

INSTALAÇÃO ERRADA
Em 2014, o ex-prefeito Saulo Benevides (ex-MDB, atualmente no Avante) gastou R$ 661 mil na aquisição de um aparelho que foi instalado na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Santa Luzia. Por funcionar apenas em urgências e emergências, o equipamento não recebia recursos do Ministério da Saúde pelos exames realizados, e por isso, em 2017, o atual prefeito transferiu o aparelho para o Hospital e Maternidade São Lucas alegando que havia sido instalado em espaço errado. Foram gastos R$ 188,9 mil apenas no transporte.

O ex-secretário de Saúde da cidade na gestão Saulo, Carlinhos Jesus, justificou que o projeto do Complexo Hospitalar determinava o local exato onde o aparelho deveria ser instalado, por isso estava na UPA (que é anexa ao futuro hospital).

Segundo a atual gestão, a instalação de um tomógrafo no Hospital e Maternidade São Lucas em 2017 resultou na eliminação da fila de espera pelos exames, com a realização de 5.300 procedimentos de novembro de 2017 até outubro de 2019. Atualmente, cerca de 30 procedimentos estão agendados e aguardando para serem realizados.

O aparelho é essencial para detectar alterações em ossos, tecidos, órgãos e outras estruturas do corpo e investigar nódulos ou tumores, além de vasos pulmonares e cerebrais.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;