Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Deputado diz desconhecer suposta inclusão fraudulenta de seu nome em inquérito



10/09/2019 | 21:32


O deputado Hélio Lopes (PSL-RJ), conhecido como Hélio Negão, afirmou nesta terça-feira, 10, não ter conhecimento sobre a suposta inclusão fraudulenta de um homônimo seu em inquérito sobre crime previdenciário.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, determinou hoje que o caso seja investigado pela Polícia Federal no âmbito administrativo e criminal, com a identificação dos responsáveis.

Questionado pela reportagem, Hélio Negão disse apenas que não iria comentar porque desconhecia todo o caso.

A informação sobre a ordem de Moro foi divulgada pelo site O Antagonista e confirmada pela reportagem do Estadão. A inclusão forjada de um homônimo de Hélio Negão no inquérito teria sido o estopim da crise que derrubou o superintendente da PF no Rio, delegado Ricardo Saadi.

Amigo do presidente Jair Bolsonaro, o deputado não é alvo da investigação. Em agosto, o presidente criticou publicamente Saadi, atribuindo ao delegado problemas de "produtividade".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Deputado diz desconhecer suposta inclusão fraudulenta de seu nome em inquérito


10/09/2019 | 21:32


O deputado Hélio Lopes (PSL-RJ), conhecido como Hélio Negão, afirmou nesta terça-feira, 10, não ter conhecimento sobre a suposta inclusão fraudulenta de um homônimo seu em inquérito sobre crime previdenciário.

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, determinou hoje que o caso seja investigado pela Polícia Federal no âmbito administrativo e criminal, com a identificação dos responsáveis.

Questionado pela reportagem, Hélio Negão disse apenas que não iria comentar porque desconhecia todo o caso.

A informação sobre a ordem de Moro foi divulgada pelo site O Antagonista e confirmada pela reportagem do Estadão. A inclusão forjada de um homônimo de Hélio Negão no inquérito teria sido o estopim da crise que derrubou o superintendente da PF no Rio, delegado Ricardo Saadi.

Amigo do presidente Jair Bolsonaro, o deputado não é alvo da investigação. Em agosto, o presidente criticou publicamente Saadi, atribuindo ao delegado problemas de "produtividade".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;