Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

A pé por Sampa


Christiane Ferreira
Do Diário do Grande ABC

24/04/2008 | 07:00


A cidade de São Paulo, tão cantada em verso e prosa, pode assustar tamanha sua grandiosidade. Vista de um ângulo mais próximo, a grande metrópole esconde em algumas de suas ruas, esquinas e bairros muita história para contar.

Para quem não conhece todos os pontos do município, a dica é o livro Dez Roteiros Históricos a Pé em São Paulo, com apoio do PAC (Programa Ação Cultural), da Secretaria de Estado da Cultura.

Organizado pelo historiador Roney Cytrynowicz, o livro, dividido em dez capítulos, cada um descrito por uma pessoa que conhece bem cada canto da cidade, mostra passeios por igrejas e cemitérios; pelos bairros da Liberdade, Mooca, Bom Retiro, Jardim América; Centro Histórico; rios Pinheiros e Guarapiranga; e as galerias do Centro Novo.

"Este guia é um convite para andar a pé, passear e conhecer a história da cidade de São Paulo, com a proposta de recriar os caminhos que percorremos no nosso dia-a-dia e os olhares sobre eles - tornando a cidade cada vez mais uma experiência objetiva e subjetiva de nossa identidade pessoal e história coletiva", afirma Roney Cytrynowicz em trecho do livro.

Início - O Pátio do Colégio, onde tudo começou, foi o primeiro edifício construído pelos jesuítas na cidade, em 1554, e desempenhava funções de colégio e igreja. O prédio que existe atualmente é uma cópia da construção destruída no fim do século 19, reconstruída na década de 1970.

A igreja foi também o primeiro local de sepultamento cristão na cidade, já que até meados do século 19 os mortos eram enterrados dentro ou ao lado da igreja. Quem for até o local vai encontrar um manto que teria sido do padre jesuíta José de Anchieta e um baú com seus ossos, trazidos para São Paulo na década de 1980.

A Catedral da Sé, igreja matriz e principal da cidade, foi inaugurada em 1954, como parte das festividades do 4º Centenário da cidade. Foi construída no fim do século 16, e o motivo de ter sido erguida no local foi o fato de haver mortos enterrados ali.

Ao andar pela Líbero Badaró, em direção à rua São Bento, o pedestre vai se deparar com o primeiro arranha-céu paulistano: o Edifício Sampaio Moreira, projetado em 1924 pelo arquiteto Cristiano Stockler das Neves.

Ainda na São Bento, o visitante encontra a imponência do Edifício Martinelli, obra do imigrante italiano, de 1929.

Bairros - No bairro da Mooca, o passeio deve começar pelo Memorial do Imigrante, passando pela Universidade Anhembi-Morumbi, que antes funcionava como fábrica da Alpargatas, onde se fabricou o primeiro jeans brasileiro: US Top.

O trajeto pode continuar pelo metrô Bresser, passando pela antiga Cadeia Pública do Hipódromo, Rua dos Trilhos, por onde circulavam os bondes; Igreja do Bom Conselho, Largo da igreja São Rafael, além dos galpões abandonados na Avenida Presidente Wilson.

Primeiro bairro-jardim da cidade, o Jardim América foi inspirado na cidade britânica de Letchworth e no bairro-jardim de Hampstead, em Londres, ambos desenhados por Raymond Unwin e Barry Parker, os mesmos contratados para a criação do Jardim América em São Paulo.

Para conhecer melhor o Rio Pinheiros e a Represa Guarapiranga, a publicação sugere aproveitar os fins de semana e feriados, quando os trens estão vazios e é possível levar a bicicleta nos vagões.

Eternizada na canção Sampa, de Caetano Veloso, a Avenida São João é a mais paulistana das avenidas, com dois quilômetros de extensão, segue em linha reta com subidas e descidas, calçadões e praças, do Centro Velho aos bairros.

Testemunho de transformações urbanas desde o século 19, o bairro do Bom Retiro é um convite de passeio e de compras. Vale reservar um tempo para conhecer a Estação da Luz, o Parque da Luz, o Colégio Santa Inês e o tradicicional comércio de roupas da Rua José Paulino.

Serviço - Dez Roteiros Históricos a Pé em São Paulo - Editora Narrativa, 244 páginas, R$ 35.

Informações: 3333-1363 ou

www.narrativaum.com.br

História - A igreja do Mosteiro de São Bento foi erguida entre 1910 e 1922, período caracterizado pela paralisação das construções em geral, motivada pela Primeira Guerra Mundial.

- A Faculdade de Direito do Largo São Francisco, com estilo neocolonial e projetada por Ricardo Severo e Felizberto Ranzini, é de 1932/33.

- De 1909, a Casa da Bóia, na Rua Florêncio de Abreu mantém um pequeno museu.

No padrão inaugurado pelo Jardim América as ruas eram curvas; os lotes, de desenhos e tamanhos variados; as calçadas tinham faixa verde, assim como as esquinas, as quais freqüentemente havia um grande canteiro, até para uma praça.

Antes da canalização, o Rio Pinheiros serpenteava lentamente à maneira dos rios de planalto, em direção ao Rio Tietê. Em suas águas, paulistanos nadavam, entre eles os sócios do Esporte Clube Pinheiros, construído às suas margens em 1920.

A canalização do Rio Pinheiros e a construção das represas Guarapiranga e Billings foram parte de uma obra da empresa Light. A capacidade de gerar energia e a disponibilidade de transporte foram fundamentais para que se desenvolvesse a urbanização (iluminação e bondes) e a industrialização de São Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;