Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Como usar reconhecimento facial na sua empresa sem infringir a privacidade de dados

Da Redação, com assessoria

05/09/2019 | 14:48


Captar imagens dos usuários de um estabelecimento comercial para perceber reações, comportamentos ou hábitos de consumo tem se tornado prática de algumas empresas. Mas esta ação exige um cuidado muito grande com as informações coletadas e, acima de tudo, o consumidor precisa estar ciente do dado que está cedendo, no caso sua imagem.

Um relatório da consultoria IDC, mostrou que 15,3% das médias e grandes organizações brasileiras já contam com reconhecimento facial em várias frentes de trabalho. De acordo com a McKinsey, áreas como atendimento a clientes, investigação de fraudes, TI, diagnósticos e tratamentos de saúde são as que mais investem nesta tecnologia, que deve estar presente em 70% das companhias.

Leia mais
Reconhecimento facial: bar em SP tem tecnologia que “adivinha” idade, humor e gênero dos clientes
Mitos e verdades sobre reconhecimento facial
Reconhecimento facial x Invasão de privacidade: até que ponto a tecnologia é segura?

Empresas já vêm sendo autuadas por capturar as imagens sem aviso prévio à sociedade. Um exemplo atual disso é uma marca brasileira especializada em vestuário, que criou uma loja conceito que reconhece gestos e o rosto dos clientes para estudo de comportamento, escolhas e compras. O IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor) enviou uma notificação para entender qual a finalidade da coleta dos dados, bem como o fato dos clientes não terem sido avisados.

“Para usar dados de pessoas físicas é preciso ter um cuidado muito grande, deixando claro o porque daquela ação e, principalmente, trazendo valor para coletar as informações. Mostrar que a pessoa estará cedendo algo para benefício próprio é uma boa causa para a utilização desses serviços”, comenta Diego Nogare, Chief Data Officer da Lambda3.

Na Câmara dos Deputados Federal, já tramita um projeto que obriga estabelecimentos que utilizam essa tecnologia a informar seus clientes por meio de placas ou avisos visíveis sobre uso das imagens e devidos fins, tentando minimizar qualquer imprevisto para ambas as partes e não causar nenhuma surpresa no final da sua experiência dentro do estabelecimento.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

Vale ressaltar também que os cuidados com o reconhecimento facial devem ser dobrados para não cair nas mãos erradas. Na galeria, você relembra hackers famosos e suas façanhas ilegais:

 
 

<
>

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;