Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

A vez do Blu-Ray


Luís Felipe Soares
Do Diário do Grande ABC

21/03/2009 | 07:00


Uma das novas ondas da tecnologia é a busca por imagens em alta definição. Para suportar arquivos de filmes que correspondem a esse tipo de entretenimento foi criado o Blu-Ray. Ele é o único compatível com a resolução de 1080p, somente encontrada em monitores da nova geração de televisores.

"Muitos já ouviram falar, mas poucos conhecem de verdade o que é e o que significa o Blu-Ray", comenta o diretor geral da Sony Pictures, Wilson Cabral.

Nascida em 2003 pelas mãos da Sony, a mídia enfrentou concorrência com o HD-DVD, da Toshiba. Mas a briga teve fim no início do ano passado, quando o outro formato parou de ser desenvolvido. Considerada a tecnologia padrão para vídeos em alta definição, o Blu-Ray possui capacidade total de 25 GB para armazenar informações, enquanto o DVD mais avançado tem apenas oito GB. Quanto mais informações guardadas, melhor será o som e a imagem apresentados.

Apesar da qualidade, o alto preço tem assustado os consumidores. O aparelho não é encontrado por menos de R$ 999 e o preço dos filmes ocila entre R$ 70 e R$ 100. Os três dígitos são fruto da importação dos produtos, que ainda não são produzidos no Brasil.

Por enquanto, a oferta de títulos no formato está longe da apresentada em DVD. Mas a tendência é o crescimento.

A Sony, por exemplo, lançou mais de 100 filmes no ano passado e se prepara para jogar no mercado, neste ano, mais de 140 produções. Já a Universal Pictures foi mais modesta e trouxe para o público menos de dez títulos em 2008. "Trazemos os lançamentos com maior potencial de público e alguns catálogos de sucesso. O volume hoje é baixo por causa da baixa demanda", diz Marcelo Bermudez, diretor de marketing da Universal.

Outra grande empresa que também se movimenta, de olho neste mercado, é a Fox Filmes, que lançou 50 filmes até este mês e promete mais 35 após abril.

Tanto Cabral quanto Bermudez afirmam que a popularização da nova tecnologia irá levar mais alguns anos. Segundo Cabral, "depende do volume de vendas de aparelhos que estão a seu redor, como os leitores de Blu-Ray e as TVs de alta definição".

LOCAÇÕES - O preço salgado para se comprar atrações em Blu-Ray surge como uma boa opção para aquecer o mercado de locação. "Além de trazer a novidade, o Blu-Ray é uma mídia que torna novamente viável a locação", explica Antonio Marcos Zanos, gerente da rede Video In, de São Bernardo, uma das poucas videolocadoras a disponibilizar produções no formato na região. O investimento na tecnologia mostra que o local está antenado com as novidades. "É um investimento a médio e longo prazo. Temos esse tipo de filme agora para satisfazer o cliente e para que ele tenha uma motivação para mudar de aparelho."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;