Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Desempenho no Pan enche atletas da região de esperança

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Esportistas do Grande ABC se aproximam da vaga em Tóquio-2020; Hugo Calderano já tem


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

13/08/2019 | 07:00


O desempenho dos atletas do Grande ABC nos Jogos Pan-Americanos de Lima foi acima do esperado, assim como o do restante da delegação brasileira. O grupo, formado por 19 nomes entre esportistas vinculados a uma das sete cidades ou que nasceram por aqui, conseguiu seis ouros, seis pratas e quatro bronzes. Além disso, deixou o Peru com excelentes perspectivas em relação à Olimpíada de Tóquio-2020.

O único atleta da região já garantido no Japão é o mesa-tenista Hugo Calderano, que mora na Alemanha, mas está vinculado ao time de São Caetano. Atualmente sexto do ranking mundial, ele conquistou o bi individual do Pan, está assegurado e com boas possibilidades de se tornar o primeiro brasileiro a conquistar uma medalha olímpica na modalidade.

Calderano pode ainda arrastar outros três atletas do Grande ABC para Tóquio. Ele será o principal nome do time no Campeonato Latino-Americano por equipes, que acontece em Lima, no Peru, de 25 a 27 de outubro e que dará uma vaga ao país campeão. Caso o Brasil tenha êxito, a região ganhará representatividade com Bruna Takahashi, que nasceu em São Bernardo, Gustavo Tsuboi e Eric Jouti, ambos também vinculados a São Caetano.

Outros dois que estão com um pé em Tóquio são os ginastas Caio Souza, que está vinculado a São Bernardo, e Arthur Zanetti, de São Caetano. Eles são grandes nomes da equipe que ainda conta com Francisco Barreto e Arthur Nory, mas precisam garantir uma das nove vagas disponíveis para o time no Mundial de Stuttgart, na Alemanha, em outubro.

No taekwondo, os são-caetanenses Milena Titoneli, ouro, e Ícaro Miguel, prata, estão em 12º e 13º do ranking mundial, respectivamente, e precisam estar entre os cinco primeiros até o fim do ano para assegurarem vaga. Caso contrário, a Seleção vai disputar pré-olímpico em março de 2020 e, conseguindo as vagas, fica a critério da Confederação Brasileira indicar os quatro representantes.

Outros atletas da equipe de taekwondo de São Caetano que estão na briga são Raiany Fidelis, bronze em Lima, e Rafaela Araújo, que voltou do Pan sem medalhas. Mas, além de estarem mais abaixo no ranking mundial, em 39ª e 22º, respectivamente, não tiveram bons resultados no Peru para convencer a Confederação Brasileira no caso de conquistar a vaga coletiva.

Por fim, outro atleta ligado à região e que está bem perto de Tóquio é o velocista andreense Paulo André. Ele foi prata nos 100 metros livres, mas integra o revezamento 4x100 m do Brasil, campeão mundial de forma inédita em maio, em Yokohama, que encheu o time de expectativa não só pela vaga, mas também por medalha olímpica.

O Brasil conta com 104 atletas garantidos em Tóquio-2020, em 13 modalidades, entre elas futebol, rúgbi, vôlei e handebol feminino e nove atletas no hipismo. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Desempenho no Pan enche atletas da região de esperança

Esportistas do Grande ABC se aproximam da vaga em Tóquio-2020; Hugo Calderano já tem

Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

13/08/2019 | 07:00


O desempenho dos atletas do Grande ABC nos Jogos Pan-Americanos de Lima foi acima do esperado, assim como o do restante da delegação brasileira. O grupo, formado por 19 nomes entre esportistas vinculados a uma das sete cidades ou que nasceram por aqui, conseguiu seis ouros, seis pratas e quatro bronzes. Além disso, deixou o Peru com excelentes perspectivas em relação à Olimpíada de Tóquio-2020.

O único atleta da região já garantido no Japão é o mesa-tenista Hugo Calderano, que mora na Alemanha, mas está vinculado ao time de São Caetano. Atualmente sexto do ranking mundial, ele conquistou o bi individual do Pan, está assegurado e com boas possibilidades de se tornar o primeiro brasileiro a conquistar uma medalha olímpica na modalidade.

Calderano pode ainda arrastar outros três atletas do Grande ABC para Tóquio. Ele será o principal nome do time no Campeonato Latino-Americano por equipes, que acontece em Lima, no Peru, de 25 a 27 de outubro e que dará uma vaga ao país campeão. Caso o Brasil tenha êxito, a região ganhará representatividade com Bruna Takahashi, que nasceu em São Bernardo, Gustavo Tsuboi e Eric Jouti, ambos também vinculados a São Caetano.

Outros dois que estão com um pé em Tóquio são os ginastas Caio Souza, que está vinculado a São Bernardo, e Arthur Zanetti, de São Caetano. Eles são grandes nomes da equipe que ainda conta com Francisco Barreto e Arthur Nory, mas precisam garantir uma das nove vagas disponíveis para o time no Mundial de Stuttgart, na Alemanha, em outubro.

No taekwondo, os são-caetanenses Milena Titoneli, ouro, e Ícaro Miguel, prata, estão em 12º e 13º do ranking mundial, respectivamente, e precisam estar entre os cinco primeiros até o fim do ano para assegurarem vaga. Caso contrário, a Seleção vai disputar pré-olímpico em março de 2020 e, conseguindo as vagas, fica a critério da Confederação Brasileira indicar os quatro representantes.

Outros atletas da equipe de taekwondo de São Caetano que estão na briga são Raiany Fidelis, bronze em Lima, e Rafaela Araújo, que voltou do Pan sem medalhas. Mas, além de estarem mais abaixo no ranking mundial, em 39ª e 22º, respectivamente, não tiveram bons resultados no Peru para convencer a Confederação Brasileira no caso de conquistar a vaga coletiva.

Por fim, outro atleta ligado à região e que está bem perto de Tóquio é o velocista andreense Paulo André. Ele foi prata nos 100 metros livres, mas integra o revezamento 4x100 m do Brasil, campeão mundial de forma inédita em maio, em Yokohama, que encheu o time de expectativa não só pela vaga, mas também por medalha olímpica.

O Brasil conta com 104 atletas garantidos em Tóquio-2020, em 13 modalidades, entre elas futebol, rúgbi, vôlei e handebol feminino e nove atletas no hipismo. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;