Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Cetesb encerra serviço de limpeza na Billings


Luciana Sereno
Do Diário do Grande ABC

12/12/2004 | 11:40


A Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) encerrou neste sábado a operação de limpeza dos resíduos de óleo e solventes que tomaram o braço Rio Grande da represa Billings. O vazamento atingiu a represa na quinta-feira e descobriu-se que foi originado em um galpão que funcionava como desmanche clandestino de caminhões, na altura do Km 29 da Via Anchieta.

Nesta segunda-feira, o atual locatário do espaço deve prestar depoimento na Dicma (Delegacia de Investigações de Crimes contra o Meio Ambiente), de São Bernardo. Dois inquéritos estão abertos: um para apurar a suposta atividade ilícita de desmanche e outro para investigar os responsáveis pelo vazamento.

Para finalizar o trabalho de despoluição das águas, os técnicos da Cetesb derramaram água por todo o percurso feito pelo óleo, desde a canaleta do galpão até a canaleta da Estrada Velha. Nesse ponto do trajeto a água foi sugada para retirada dos resíduos. Segundo os técnicos, o processo evita que os poluentes cheguem novamente à Billings. A área da represa onde fica a estação de tratamento da Sabesp continua isolada por bóias de absorção. Esses equipamentos evitam que o óleo se alastre. A Cetesb afirma que o vazamento não causou danos ambientais.

Investigação – No sábado, o proprietário do terreno onde fica o galpão que funcionava como desmanche voltou ao local. Ele reafirmou não ter conhecimento das atuais atividades mantidas no espaço alugado. “É a segunda vez que alugar essa área me dá dor de cabeça”, diz Salvatori Drago. Na tarde de sábado, ele disse ao Diário que antes de locar o galpão desta última vez o espaço foi usado por outro locatário, que realizava leilões de veículos de seguradoras. “O engraçado é que funcionários dessa pessoa não pagavam as seguradoras e também houve problemas.”

Segundo a polícia, antes de servir de espaço para os leilões, o galpão era usado por homens contratados por Salvatori para lavagem de caminhões-tanque.

Salvatori prestou depoimento na Dicma na sexta-feira. Nesta segunda-feira, além de colher o depoimento do atual locatário do galpão, os investigadores devem voltar ao local para realizar uma segunda perícia técnica. O Diário tentou falar por telefone com o atual locatário, identificado pela polícia apenas como Sandro, mas ele não atendeu a reportagem. “Para mim, ele disse que os caminhões no galpão são de seguradoras”, afirma Salvatori.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;