Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Governo utilizará recursos devolvidos por bancos públicos para resgatar dívida



12/06/2019 | 11:57


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira, 12, que o governo utilizará recursos devolvidos por bancos públicos para resgatar a dívida pública. Guedes participa de coletiva com o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. "Vamos resgatar a dívida pública, que aumentou na contabilidade criativa. As pedaladas acabaram levando a impeachment de presidente", disse.

Guedes frisou que os recursos não voltam para o Ministério da Economia, mas sim para o abatimento da dívida pública. "Nossa responsabilidade é garantir que recursos devolvidos por bancos abatam dívida pública", completou.

O ministro afirmou que o governo está "despedalando" e removendo privilégios, como empréstimos a juros subsidiados para as empresas chamadas de "campeões nacionais". "O Brasil virou paraíso dos rentistas e inferno dos investidores", acrescentou.

Devolução da Caixa ao Tesouro

O presidente da Caixa Econômica Federal confirmou durante a entrevista à imprensa que a instituição vai devolver ao Tesouro Nacional "o dinheiro que se deve". Hoje, serão devolvidos R$ 3 bilhões, mas "o plano é devolver R$ 20 bilhões este ano."

Guimarães fez questão de pontuar que a devolução dos recursos ao Tesouro não prejudica os índices financeiros da Caixa. "Nosso índice de Basileia é acima de 20%", destacou.

Essa dívida da Caixa com o Tesouro diz respeito a Instrumentos Híbridos de Capital e Dívida (IHCD), que foram utilizados pelo governo da presidente Dilma Rousseff para capitalizar instituições públicas.

No caso da Caixa, há um estoque próximo de R$ 40 bilhões, sendo que o banco tem a intenção de devolver metade disso em 2019. Estes R$ 3 bilhões anunciados nesta quarta-feira são a primeira parcela. Os demais R$ 17 bilhões ainda carecem de autorização do Banco Central.

Com o pagamento desta quarta-feira, a Caixa é o primeiro banco público a devolver recursos em função da emissão de IHCD.

Considerando todas as instituições públicas, a dívida com o Tesouro é próxima de R$ 90 bilhões. Estão nesta lista BNDES, Banco do Nordeste (BNB) e Banco da Amazônia. Os recursos devolvidos não entram como receita para o governo, mas contribuirão para reduzir a dívida pública.

Renegociação de débitos

O presidente da Caixa Econômica Federal afirmou ainda, durante a entrevista, que, em função dos programas de renegociação com devedores, a instituição renegociou, em dez dias, dívidas de 125 mil CPFs, em valor próximo de R$ 150 milhões.

Ele lembrou ainda que, na semana passada, a Caixa lançou programa para renegociação de dívidas relacionadas a financiamentos de imóveis.

Guimarães afirmou que, com isso, já foi reiniciado o processo de renegociação de 25 mil imóveis.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Governo utilizará recursos devolvidos por bancos públicos para resgatar dívida


12/06/2019 | 11:57


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira, 12, que o governo utilizará recursos devolvidos por bancos públicos para resgatar a dívida pública. Guedes participa de coletiva com o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. "Vamos resgatar a dívida pública, que aumentou na contabilidade criativa. As pedaladas acabaram levando a impeachment de presidente", disse.

Guedes frisou que os recursos não voltam para o Ministério da Economia, mas sim para o abatimento da dívida pública. "Nossa responsabilidade é garantir que recursos devolvidos por bancos abatam dívida pública", completou.

O ministro afirmou que o governo está "despedalando" e removendo privilégios, como empréstimos a juros subsidiados para as empresas chamadas de "campeões nacionais". "O Brasil virou paraíso dos rentistas e inferno dos investidores", acrescentou.

Devolução da Caixa ao Tesouro

O presidente da Caixa Econômica Federal confirmou durante a entrevista à imprensa que a instituição vai devolver ao Tesouro Nacional "o dinheiro que se deve". Hoje, serão devolvidos R$ 3 bilhões, mas "o plano é devolver R$ 20 bilhões este ano."

Guimarães fez questão de pontuar que a devolução dos recursos ao Tesouro não prejudica os índices financeiros da Caixa. "Nosso índice de Basileia é acima de 20%", destacou.

Essa dívida da Caixa com o Tesouro diz respeito a Instrumentos Híbridos de Capital e Dívida (IHCD), que foram utilizados pelo governo da presidente Dilma Rousseff para capitalizar instituições públicas.

No caso da Caixa, há um estoque próximo de R$ 40 bilhões, sendo que o banco tem a intenção de devolver metade disso em 2019. Estes R$ 3 bilhões anunciados nesta quarta-feira são a primeira parcela. Os demais R$ 17 bilhões ainda carecem de autorização do Banco Central.

Com o pagamento desta quarta-feira, a Caixa é o primeiro banco público a devolver recursos em função da emissão de IHCD.

Considerando todas as instituições públicas, a dívida com o Tesouro é próxima de R$ 90 bilhões. Estão nesta lista BNDES, Banco do Nordeste (BNB) e Banco da Amazônia. Os recursos devolvidos não entram como receita para o governo, mas contribuirão para reduzir a dívida pública.

Renegociação de débitos

O presidente da Caixa Econômica Federal afirmou ainda, durante a entrevista, que, em função dos programas de renegociação com devedores, a instituição renegociou, em dez dias, dívidas de 125 mil CPFs, em valor próximo de R$ 150 milhões.

Ele lembrou ainda que, na semana passada, a Caixa lançou programa para renegociação de dívidas relacionadas a financiamentos de imóveis.

Guimarães afirmou que, com isso, já foi reiniciado o processo de renegociação de 25 mil imóveis.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;