Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

‘Só o Metrô é capaz de reurbanizar’

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Peter Alouche, consultor em transportes, ressalta que monotrilho é a melhor opção para a Linha 18-Bronze


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

01/06/2019 | 07:00


A possibilidade de alteração do projeto original da Linha 18-Bronze, que ligará a região à Capital, de monotrilho para BRT (transporte rápido por ônibus) coloca as sete cidades na direção contrária da modernidade, para onde caminham países de primeiro mundo. Essa é a visão do engenheiro elétrico e consultor em transportes Peter Alouche. “O Grande ABC é uma região importante e merece um sistema de transporte moderno, limpo ecologicamente e capaz de reurbanizar as cidades”, frisa.

A troca de modal é estudada pelo governador João Doria (PSDB) – o prazo para o anúncio é 30 de junho – sob a justificativa financeira, tendo em vista a necessidade de desembolsar R$ 600 milhões com desapropriações o longo do traçado. Entretanto, a promessa é avaliar a questão do ponto de vista técnico.

“Já foi realizado estudo sério e que analisou as diversas alternativas de transporte para o Grande ABC. Foi constatado que o monotrilho é a melhor opção, porque é elevado e se trata de região que inunda quando chove”, pontua Alouche. O especialista se refere ao projeto funcional da Linha 18-Bronze, feito em 2010 pela Prefeitura de São Bernardo. O documento serviu como base para o projeto executivo que culminou na assinatura de PPP (Parceria Público-Privada) entre o governo do Estado e o Consórcio Vem ABC para a construção do sistema – estão previstas 13 estações, saindo de Tamanduateí, em São Paulo, até o Centro de São Bernardo (parada Djalma Dutra), passando por São Caetano e Santo André.

A principal sugestão do especialista, integrante do UITP (Associação Internacional de Transporte Público), é que a tomada de decisões públicas levem em conta as consequências a médio e longo prazo. “Não estamos falando só de transportar pessoas, mas de reurbanizar toda a região por onde ele passa. Nunca vi um corredor de ônibus contribuir dessa forma para a melhoria urbana. É preciso revolucionar.”

Alouche observa que não é contra o transporte por ônibus, mas esclarece que cada modal cumpre um papel. “Ninguém vai eliminar os ônibus. Mas é preciso ter um sistema estrutural de alta capacidade e que seja rápido. Os ônibus são importantes para alimentar estes sistemas estruturais e fazer o trajeto até os bairros”, diz. Ele ressalta, entretanto, que é preciso se preocupar com o meio ambiente e substituir fontes poluidoras de combustíveis. “O Acordo de Paris diz que em cinco anos o diesel deve ser eliminado.”

Outro ponto abordado pelo especialista é a importância da participação popular no processo de escolha do modal que a beneficiará. “Na França, todas as cidades já têm ou estão implantando o transporte sobre trilhos. E houve pesquisas em todas as cidades. Quem tem de decidir é o povo, não o governante”, avalia.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;