Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Déficit da balança comercial de produtos químicos soma US$ 4,9 bi, diz Abiquim



20/03/2019 | 17:21


O déficit acumulado da balança comercial de produtos químicos atingiu US$ 4,9 bilhões nos dois primeiros meses do ano, o que representa um crescimento de 31,4% em relação ao mesmo período do ano passado, informou nesta quarta-feira, 20, a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

No primeiro bimestre de 2018, as importações de produtos químicos somaram US$ 6,9 bilhões, uma elevação de 14,4% em relação ao mesmo período de 2018, sendo o maior valor importado para o período em toda a série histórica do acompanhamento da balança comercial setorial.

No mesmo período, as exportações totalizaram de US$ 2 bilhões, uma redução de 13,3% na mesma comparação, marcadas pela queda de 23,4% nas vendas externas para a Argentina. Segundo a Abiquim, a queda das vendas para a Argentina, principal parceiro comercial em produtos químicos, deve-se ao "delicado momento econômico do país vizinho".

Em fevereiro, as importações de produtos químicos foram de US$ 3,3 bilhões, uma elevação de 16% em relação ao mesmo mês no ano passado. Já as exportações, de US$ 960 milhões, tiveram uma redução de 7,4% em igual comparação.

A entidade destaca que os intermediários para fertilizantes permaneceram como principal item da pauta de produtos químicos importados, com forte elevação, de 41,4% em quantidades (4,4 milhões de toneladas) e de 64,1% em valor (US$ 1,3 bilhão), no primeiro bimestre deste ano. Já as resinas termoplásticas continuaram sendo os produtos químicos mais exportados pelo País, com vendas de US$ 321,2 milhões, apesar da redução de 8,2% em relação ao primeiro bimestre de 2018.

"O Brasil, que já despontava como alvo prioritário para desova de produtos excedentes com a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, será ainda mais impactado caso não sejam resolvidos rapidamente os problemas de alto custo de energia e de insumos estratégicos para o setor, que impedem as empresas brasileiras de competirem no mercado nacional e internacional", afirma em nota o presidente-executivo da Abiquim, Fernando Figueiredo.

"O déficit vem aumentando seguidamente e já ultrapassou US$ 30,8 bilhões nos últimos 12 meses, enquanto os volumes de produção são praticamente os mesmos de 2007. Lamentavelmente, o cenário econômico da Argentina, principal parceiro comercial brasileiro em produtos químicos, é muito delicado, o que agrava ainda mais o prognóstico para o transcurso do ano", destaca também em nota a diretora de assuntos de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Déficit da balança comercial de produtos químicos soma US$ 4,9 bi, diz Abiquim


20/03/2019 | 17:21


O déficit acumulado da balança comercial de produtos químicos atingiu US$ 4,9 bilhões nos dois primeiros meses do ano, o que representa um crescimento de 31,4% em relação ao mesmo período do ano passado, informou nesta quarta-feira, 20, a Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

No primeiro bimestre de 2018, as importações de produtos químicos somaram US$ 6,9 bilhões, uma elevação de 14,4% em relação ao mesmo período de 2018, sendo o maior valor importado para o período em toda a série histórica do acompanhamento da balança comercial setorial.

No mesmo período, as exportações totalizaram de US$ 2 bilhões, uma redução de 13,3% na mesma comparação, marcadas pela queda de 23,4% nas vendas externas para a Argentina. Segundo a Abiquim, a queda das vendas para a Argentina, principal parceiro comercial em produtos químicos, deve-se ao "delicado momento econômico do país vizinho".

Em fevereiro, as importações de produtos químicos foram de US$ 3,3 bilhões, uma elevação de 16% em relação ao mesmo mês no ano passado. Já as exportações, de US$ 960 milhões, tiveram uma redução de 7,4% em igual comparação.

A entidade destaca que os intermediários para fertilizantes permaneceram como principal item da pauta de produtos químicos importados, com forte elevação, de 41,4% em quantidades (4,4 milhões de toneladas) e de 64,1% em valor (US$ 1,3 bilhão), no primeiro bimestre deste ano. Já as resinas termoplásticas continuaram sendo os produtos químicos mais exportados pelo País, com vendas de US$ 321,2 milhões, apesar da redução de 8,2% em relação ao primeiro bimestre de 2018.

"O Brasil, que já despontava como alvo prioritário para desova de produtos excedentes com a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, será ainda mais impactado caso não sejam resolvidos rapidamente os problemas de alto custo de energia e de insumos estratégicos para o setor, que impedem as empresas brasileiras de competirem no mercado nacional e internacional", afirma em nota o presidente-executivo da Abiquim, Fernando Figueiredo.

"O déficit vem aumentando seguidamente e já ultrapassou US$ 30,8 bilhões nos últimos 12 meses, enquanto os volumes de produção são praticamente os mesmos de 2007. Lamentavelmente, o cenário econômico da Argentina, principal parceiro comercial brasileiro em produtos químicos, é muito delicado, o que agrava ainda mais o prognóstico para o transcurso do ano", destaca também em nota a diretora de assuntos de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;