Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 22 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Segurança tenta salvar carro e perde a vida

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

12/03/2019 | 07:00


Não havia palavras que pudessem confortar Pâmela Tuane, 32 anos, mulher de Lisandro Batista Rezende Júnior, 44, uma das vítimas do temporal que atingiu a região na noite de domingo. O corpo do segurança foi encontrado ontem, em braço do Rio Tamanduateí, em Santa Terezinha, Santo André. Ele havia saído de casa no começo da chuva para tentar salvar o carro da família, um Voyage, mas acabou surpreendido pela força da água e foi parar no rio. Testemunhas dizem que ele escapou do veículo por volta das 22h e vizinhos tentaram acalmá-lo, mas ele não resistiu. Os bombeiros o localizaram às 16h, agarrado a arbusto. Ele deixa quatro filhos do primeiro casamento.

Cunhada da vítima, Fabiola Souza explicou que o casal morava havia um mês em Utinga e Lisandro não conhecia a região. “Por aqui sempre alaga, estamos acostumados. Mas ele não. Quando saiu e não voltou minha irmã achou que ele tinha ido para a casa dos meus pais guardar o carro. Só de manhã soubemos que ele não estava lá e bateu o desespero”, explicou. “Ele não sabia nadar.”

Um dos moradores que tentaram ajudar Lisandro foi Joel Carvalho, 48, funcionário de borracharia. Ele mora na parte superior do comércio e viu quando o carro entrou no rio. “Escutei pedido por ajuda, mas estava muito escuro, não sabia de onde vinha. Tentei acalmar ele, falei para segurar em uma árvore que nós estávamos ligando nos bombeiros. Ligamos, ninguém atendeu. Falei com ele por 40 minutos e depois não respondeu mais”, contou Joel. “Pensei em descer e ir lá ajudar, mas minha mulher tem síndrome do pânico e começou a passar mal”, lamentou o comerciante, que é acostumado com enchentes no local, mas nunca viu nada parecido. “A água subiu muito. Nunca vi isso”, comentou. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Segurança tenta salvar carro e perde a vida

Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

12/03/2019 | 07:00


Não havia palavras que pudessem confortar Pâmela Tuane, 32 anos, mulher de Lisandro Batista Rezende Júnior, 44, uma das vítimas do temporal que atingiu a região na noite de domingo. O corpo do segurança foi encontrado ontem, em braço do Rio Tamanduateí, em Santa Terezinha, Santo André. Ele havia saído de casa no começo da chuva para tentar salvar o carro da família, um Voyage, mas acabou surpreendido pela força da água e foi parar no rio. Testemunhas dizem que ele escapou do veículo por volta das 22h e vizinhos tentaram acalmá-lo, mas ele não resistiu. Os bombeiros o localizaram às 16h, agarrado a arbusto. Ele deixa quatro filhos do primeiro casamento.

Cunhada da vítima, Fabiola Souza explicou que o casal morava havia um mês em Utinga e Lisandro não conhecia a região. “Por aqui sempre alaga, estamos acostumados. Mas ele não. Quando saiu e não voltou minha irmã achou que ele tinha ido para a casa dos meus pais guardar o carro. Só de manhã soubemos que ele não estava lá e bateu o desespero”, explicou. “Ele não sabia nadar.”

Um dos moradores que tentaram ajudar Lisandro foi Joel Carvalho, 48, funcionário de borracharia. Ele mora na parte superior do comércio e viu quando o carro entrou no rio. “Escutei pedido por ajuda, mas estava muito escuro, não sabia de onde vinha. Tentei acalmar ele, falei para segurar em uma árvore que nós estávamos ligando nos bombeiros. Ligamos, ninguém atendeu. Falei com ele por 40 minutos e depois não respondeu mais”, contou Joel. “Pensei em descer e ir lá ajudar, mas minha mulher tem síndrome do pânico e começou a passar mal”, lamentou o comerciante, que é acostumado com enchentes no local, mas nunca viu nada parecido. “A água subiu muito. Nunca vi isso”, comentou. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;