Fechar
Publicidade

Domingo, 21 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Deliberação sobre Plano de Desenvolvimento Regional é adiada para março

Aline Melo/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mais de 35 representantes das cidades da Região Metropolitana estiveram no Palácio dos Bandeirantes


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

07/02/2019 | 13:58


Ficou para o dia 26 de março a deliberação dos prefeitos da Região Metropolitana de São Paulo sobre o PDUI (Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado), série de diretrizes que vão orientar e nortear os municípios nas discussões e atualizações dos seus planos diretores.

Mais de 35 prefeitos e representantes das cidades da Região Metropolitana de São Paulo estiveram essa manhã no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, para a apresentação do PDUI, que vem sendo debatido e construído desde 2015. Apenas o prefeito de São Caetano, José Auricchio Jr (PSDB) compareceu à agenda, entre os chefes dos Executivos do Grande ABC. A secretária de Desenvolvimento Urbano de Santo André, Andréa Brisida, representou o prefeito Paulo Serra (PSDB) e o vice-prefeito de Diadema e deputado estadual eleito, Márcio Paschoal Giudicio, o Márcio da Farmácia (Podemos), também compareceu. As demais cidades não enviaram representantes.

"Hoje iniciamos uma discussão com os prefeitos, fizemos nesses primeiros dias de governo ajustes necessários e apresentamos o plano. Agora eles têm 30 dias para dar as contribuições necessárias para ser aprovado em março", afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.

"Esse plano tange questões de diretrizes urbanísticas, planejamento urbano dos municípios e a partir disso a gente fica integrado às determinações do Plano Nacional de Cidades e do Estatuto das Metrópoles, que vai possibilitar que todos os planos diretores das cidades sejam integrados a esse, de acordo com o plano da RMSP", completou.

Um ponto específico debatido durante a reunião foram os critérios que serão adotados para as próximas lícitacoes de transporte coletivo na RMSP. Dividida em cinco áreas, a região reúne, em média, 1,8 milhões de passageiros em dias úteis, em 547 linhas e teve, em 2018, R$1,9 bilhão em receitas tarifárias.

Entre os critérios que serão adotados para as próximas licitações - prevista para o primeiro semestre - está a inclusão de ar condicionado e wi-fi em 100% da frota, e ao menos 20% dos veículos com câmbio automático e motor traseiro.

Os novos certames também vão incluir a tarifa de remuneração, valor que conta com apoio de subsídios dos demais lotes e também é reajustado periodicamente, e não somente repasse dos valores da tarifa pública.

A região do Grande ABC é a única na metrópole que não conta com contrato de licitação em vigência. As 17 empresas que atuam nas linhas entre as sete cidades e transportam cerca de 300 passageiros funcionam sob regime de contratos precários. Desde 2006, sete tentativas de licitação da Área 5 foram frustradas. Em 2015, o governo estadual chegou a anunciar que a região seria incorporada em contratos de outras áreas, mas recuou e anunciou que novamente a Área 5 seria licitada. Leia a matéria completa na edição de amanhã do Diário do Grande ABC e no dgabc.com.br 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Deliberação sobre Plano de Desenvolvimento Regional é adiada para março

Mais de 35 representantes das cidades da Região Metropolitana estiveram no Palácio dos Bandeirantes

Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

07/02/2019 | 13:58


Ficou para o dia 26 de março a deliberação dos prefeitos da Região Metropolitana de São Paulo sobre o PDUI (Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado), série de diretrizes que vão orientar e nortear os municípios nas discussões e atualizações dos seus planos diretores.

Mais de 35 prefeitos e representantes das cidades da Região Metropolitana de São Paulo estiveram essa manhã no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, para a apresentação do PDUI, que vem sendo debatido e construído desde 2015. Apenas o prefeito de São Caetano, José Auricchio Jr (PSDB) compareceu à agenda, entre os chefes dos Executivos do Grande ABC. A secretária de Desenvolvimento Urbano de Santo André, Andréa Brisida, representou o prefeito Paulo Serra (PSDB) e o vice-prefeito de Diadema e deputado estadual eleito, Márcio Paschoal Giudicio, o Márcio da Farmácia (Podemos), também compareceu. As demais cidades não enviaram representantes.

"Hoje iniciamos uma discussão com os prefeitos, fizemos nesses primeiros dias de governo ajustes necessários e apresentamos o plano. Agora eles têm 30 dias para dar as contribuições necessárias para ser aprovado em março", afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.

"Esse plano tange questões de diretrizes urbanísticas, planejamento urbano dos municípios e a partir disso a gente fica integrado às determinações do Plano Nacional de Cidades e do Estatuto das Metrópoles, que vai possibilitar que todos os planos diretores das cidades sejam integrados a esse, de acordo com o plano da RMSP", completou.

Um ponto específico debatido durante a reunião foram os critérios que serão adotados para as próximas lícitacoes de transporte coletivo na RMSP. Dividida em cinco áreas, a região reúne, em média, 1,8 milhões de passageiros em dias úteis, em 547 linhas e teve, em 2018, R$1,9 bilhão em receitas tarifárias.

Entre os critérios que serão adotados para as próximas licitações - prevista para o primeiro semestre - está a inclusão de ar condicionado e wi-fi em 100% da frota, e ao menos 20% dos veículos com câmbio automático e motor traseiro.

Os novos certames também vão incluir a tarifa de remuneração, valor que conta com apoio de subsídios dos demais lotes e também é reajustado periodicamente, e não somente repasse dos valores da tarifa pública.

A região do Grande ABC é a única na metrópole que não conta com contrato de licitação em vigência. As 17 empresas que atuam nas linhas entre as sete cidades e transportam cerca de 300 passageiros funcionam sob regime de contratos precários. Desde 2006, sete tentativas de licitação da Área 5 foram frustradas. Em 2015, o governo estadual chegou a anunciar que a região seria incorporada em contratos de outras áreas, mas recuou e anunciou que novamente a Área 5 seria licitada. Leia a matéria completa na edição de amanhã do Diário do Grande ABC e no dgabc.com.br 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;