Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Fim da redução do IPI afeta produção industrial


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

28/05/2010 | 07:00


A retirada da medida de redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para a venda de automóveis e eletrodomésticos influiu de forma decisiva para o desempenho mais fraco da indústria em abril, segundo especialistas.

Depois de apresentar forte aceleração em março, a produção industrial ficou praticamente estável no mês passado, apontam duas pesquisas divulgadas ontem.

Um dos estudos apresentados ontem foi o INA (Indicador do Nível de Atividade), da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), que registrou queda de 0,4% em abril frente a março.

Outro foi a sondagem industrial, apurada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). O índice que mede a fabricação também ficou estável. Somou 51 pontos (numa escala que vai zero a 100), na linha divisória entre aumento (acima de 50) e queda da produção (abaixo desse número). No mês anterior, o indicador da CNI estava em 62,9 pontos, que mostrava forte alta.

Apesar de o setor industrial não ter crescido no mês, analistas avaliam que não há, por enquanto, motivo de preocupação. "Mostra mais que é uma acomodação. Não é reversão do ciclo (de expansão)", afirma o gerente do departamento de Economia da Fiesp, André Rebello.

Ele cita que, outro estudo, o sensor Fiesp (que aponta a percepção do empresariado em relação aos negócios) confirma a expectativa. Enquanto em março, o indicador ficou em 57 pontos, em abril caiu para 55,9 e em maio retoma o crescimento, chegando a 57,6.

O economista do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), Rogério César de Souza, tem visão semelhante. "Os números mostram pequeno ajuste, mas isso não pode ser considerado inflexão. A perspectiva ainda é de um ano muito bom", avalia.

A expectativa registrada na sondagem da CNI para os próximos seis meses mostra que o empresariado segue otimista, tanto em relação às exportações quanto em compras de matérias-primas. No entanto, está um pouco menos confiante quanto à demanda.

A Fiesp projeta que a indústria paulista crescerá na ordem de dois dígitos, de 10% a 13%, neste ano em comparação com 2009.

EUROPA - Apesar de algum otimismo, há números que mostram que a atividade industrial brasileira não ficou imune às dificuldades das finanças em países europeus. "O investimento estrangeiro direto no primeiro quadrimestre foi pequeno. Com a crise, os investidores ficaram mais cautelosos", afirma Souza.

Por sua vez, o vice-diretor da regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de Diadema, Donizete Duarte da Silva, avalia que é ainda preciso aguardar para ver como o mercado se comporta sem os incentivos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;