Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

BNDES vai apoiar projetos da região


Roney Domingos
Do Diário do Grande ABC

23/02/2003 | 19:08


O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) vai apoiar os projetos do Grande ABC para resolver problemas de infra-estrutura que impedem o desenvolvimento econômico da região, assim como dar respaldo à recuperação da atividade industrial na indústria automobilística e na petroquímica – coração da economia local. A garantia é do vice-presidente Darc Antônio da Luz Costa e do diretor do banco para a área industrial Maurício Borges Lemos. O Grande ABC não recebe privilégios paroquiais por ter um presidente da República nascido na região. Darc Costa explica que o projeto é mais amplo, o de “refundar” a política industrial brasileira, aquela que deu origem ao Grande ABC.

Na quinta-feira, os dois executivos visitaram o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e o Consórcio Intermunicipal do Grande ABC e depois conheceram duas empresas que antecipam o que deverá pautar a atuação do BNDES na região nos próximos quatro anos: a primeira foi a indústria de autopeças Arteb – sobrevivente com sucesso do processo de internacionalização da indústria automobilística nos anos 90. A segunda foi a Uniforja, um exemplo de economia solidária em que trabalhadores se encarregaram de gerir e erguer as finanças de uma fábrica falida.

Lemos ressaltou a vocação do Grande ABC para a produção e assegurou a intenção do BNDES em dar suporte à recuperação dos dois principais setores da economia regional: a indústria automobilística – com destaque para as autopeças – e a indústria petroquímica, com atenção especial para a ampliação do Pólo Petroquímico de Capuava. Ele também destacou que é possível para o conjunto dos municípios elaborar projetos que demandam somas vultosas em financiamento.

Parece sonho mas é verdade. Tanto que os executivos não fizeram promessas ou prometeram a sempre genérica prioridade, mas se comprometeram a criar e manter um grupo de estudos para estudar a viabilidade dos projetos. “Resolver todos os problemas, não. Mas minorá-los, a gente acha que pode”, respondeu Costa quando perguntado se haveria tempo em quatro anos para reestruturar a região.

Diário – O BNDES ficou também um bom tempo sem políticas de financiamento para infra-estrutura para entes públicos (municípios). Isso foi retomado há pouco tempo. Como deverá ser a gestão de recursos para infra-estrutura agora no governo Lula?
Darc Antônio da Luz Costa – O banco prioriza a questão da infra-estrutura pelo fato de que, se você observar o discurso do governo anterior, era um discurso de reduzir o custo Brasil, que está todo apoiado em cima da infra-estrutura. E o que o governo fez foi completamente contra o discurso, porque o custo Brasil aumentou muito. Basta ver as tarifas de energia elétrica, os pedágios, o que se paga em termos de gás (por causa do contrato com gás boliviano indexado em dólar). Então, toda infra-estrutura do país foi profundamente onerada, o que torna o país muito menos competitivo em termos internacionais. Por isso é que nós estamos priorizando a questão da infra-estrutura. Porque é necessário entender que a infra-estrutura gera a própria produtividade. Não se mede o custo da infra-estrutura senão olhando para ela como elemento efetivo de melhoria das condições gerais da economia.

Diário – O que dá para tirar desta reunião com os prefeitos e sindicalistas que o senhor teve aqui. Mudou a visibilidade do Grande ABC dentro do BNDES? Tem alguma coisa em concreto que pode ser anunciado agora?
Costa – Sim. A montagem de um grupo de trabalho para estudar as principais questões que cercam a região.

Diário – Os projetos que a região deve apresentar terão prioridades dentro do banco, como deve ser o relacionamento?
Costa – Na medida em que os projetos forem pré-analisados eles devem trafegar pelo banco de maneira muito mais fácil. Estamos organizando o sistema de pré-análises e esses projetos serão encaminhados muito mais rápido no banco do que seriam se não tivesse essa pré-análise. Estamos fazendo um pré-enquadramento dos projetos para agilizar a implementação.

Diário – É possível resolver os problemas que já foram apresentados na reunião com os prefeitos do Grande ABC dentro desses quatro anos do governo Lula, dentro dessa política de refundar a política industrial brasileira?
Costa – Resolver todos os problemas, não. Mas minorá-los, a gente acha que pode.

Diário – O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC tem vários projetos que exigem investimento em pesquisa e em obras de infra-estrutura. São necessários para solucionar gargalos que impedem o desenvolvimento econômico e social da região. Mas temos problemas legais. O Consórcio não tem personalidade jurídica para contrair empréstimos pelo conjunto dos municípios. E os municípios não tem estrutura financeira para comprovar capacidade de pagamento de financiamentos vultosos. Como poderá ser resolvida esta questão?
Maurício Lemos – São dois problemas: um é como você faz um projeto único e distribui as dívidas, os financiamento e os ônus desse financiamento para cada prefeitura. Isso tecnicamente não é difícil de fazer. Existe uma prática dentro de instituições como o BNDES, o Banco Mundial e do BID de fazer assim, de trabalhar com vários entes. Desta forma, cada um assume responsabilidade em uma parte do projeto, que é assinado em conjunto. Então isso é uma dimensão. A outra dimensão é a seguinte: se o financiamento tiver um valor muito alto – acima da capacidade de pagamento do conjunto das prefeituras – aí a negociação que extrapola o BNDES. Isso significa que será necessária a participação de recursos próprios do governo do Estado ou do governo federal. Neste caso, o BNDES pode ser parceiro em uma ação mais conjunta dos vários entes federativos e do próprio governo federal. Isso é uma coisa que deve ser articulada. Agora, teoricamente, o BNDES pode fazer o empréstimo conjunto para o Consórcio. Isso exige mais uma questão de gestão específica, de como montar um projeto comum e depois fazer um processo de ação solidária, em que cada município fica responsável por uma parte do endividamento.

Diário – O Grande ABC vive desde a década de 90 um processo de fuga de empresas provocado de um lado pela exigência de modernização do parque industrial brasileiro e de outro pela guerra fiscal. O que o BNDES pode fazer a partir de agora para tentar reforçar a vocação industrial da região ou para auxiliar na implementação de alternativas econômicas, como as do terceiro setor?
Lemos – Eu acho que a reconversão econômica ainda é um pouco discutível. O Grande ABC tem ainda uma forte vocação industrial. É claro que a vocação industrial é menos chaminé, é mais indústria limpa. Tem várias mudanças. Mas eu diria o seguinte: agora nós estamos querendo, e é a proposta do governo Lula, refundar a política industrial no país. Então nós conseguindo construir essa novas bases da política industrial, como é que nós vamos trabalhar num parque industrial ainda muito importante no Brasil que se chama Grande ABC. É nesse contexto – e a partir daí – que nós vamos ver qual é a reorientação. Agora eu não acho que o ABC vai deixar de ser industrial. Ele pode ter alguns setores, inclusive este espaço para o terceiro setor aí, mas em certo sentido estamos trabalhando dentro de uma perspectiva industrial no país está caminhado novamente para ter.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;