Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

SPTrans é acusada de gastar R$ 42 mi sem licitaçao


Do Diário do Grande ABC

03/05/2000 | 09:44


Documentos coletados pela assessoria técnica do vereador Devanir Ribeiro (PT) indicam que a Sao Paulo Transporte (SPTrans), empresa da Prefeitura que gerencia o sistema de ônibus na capital, gastou R$ 42 milhoes entre 1994 e 98 para pagar serviços contratados sem licitaçao. O vereador fará um pedido de investigaçao ao Ministério Público nesta quarta-feira.

De acordo com a denúncia, a diretoria da Eletrobus, empresa de ônibus do Tatuapé cuja frota pertencia à Companhia Municipal de Transporte Coletivo (CMTC), recebeu da Prefeitura a incumbência de contratar as empresas que fariam a reforma de 285 trolebus.

O critério para a escolha das empresas que fariam o serviço era da própria Eletrobus. Por ser privada, nao precisa fazer licitaçao. As reformas foram pagas pela SPTrans, conforme cópias de notas fiscais colhidas por Devanir.

Segundo o assessor econômico do vereador, José Borges, a liberdade para contratar empresas e passar as contas para o poder público pagar nao era objeto do edital de licitaçao que transferiu a frota da CMTC para a Eletrobus. O assunto, diz, nao foi citado na audiência pública da licitaçao, em agosto de 93. Teria aparecido depois, no contrato entre a SPTrans e a entao recém-contratada Eletrobus.

Devanir aponta outras possíveis irregularidades. Pelos serviços prestados à Eletrobus - montagem e desmontagem de trolebus -, a CRF recebeu da SPTrans cerca de R$ 4 milhoes. O endereço da empresa é de um prédio residencial na Rua Fradique Coutinho, bairro de Pinheiros, zona sul. Depois de 1998, ano em que as reformas terminaram, a empresa nunca mais teria funcionado.

Além da liberdade de contratar quem bem entender e repassar as dívidas para a SPTrans, a Eletrobus ainda ganhava oficialmente uma participaçao de 12% do valor dos contratos.

O terceiro grande problema apontado por Devanir ao Ministério Público refere-se ao valor da reforma de cada ônibus, inicialmente estipulado em, no máximo, 30% do valor de mercado de um trolebus novo.

Nos documentos do vereador, consta que houve pelo menos 11 aditamentos ao contrato feito entre a SPTrans e a Eletrobus. Um deles teria estipulado que o valor da reforma de cada ônibus poderia superar o limite de 30%.

Devanir Ribeiro já entrou com açao popular na Justiça e pediu na Câmara a abertura de Comissao Parlamentar de Inquérito para apurar suas denúncias.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;