Fechar
Publicidade

Sábado, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Do Pilar a Mauá, ano 30


Ademir Medici

28/05/2017 | 07:00


 “Proponho que seja formado em Mauá um Conselho de Patrimônio Histórico.”

Foi o que sugerimos em entrevista ao Diário em 28 de maio de 1987, quando do lançamento do livro De Pilar a Mauá, 30 anos atrás

 

Vocês não imaginam como a Memória de hoje traz tantas boas recordações. Ela focaliza os 30 anos de lançamento do livro De Pilar a Mauá, ocorrido na noite de 28 de maio de 1987 no Cokeluxe, então sede social da AA Industrial.

As pessoas que lá estavam nos são muito caras. Beltran Asêncio – que depois nos ofereceu um álbum com fotos tiradas durante o lançamento; o historiador Wanderley dos Santos, que veio de trem desde São Paulo; o jornalista Valdenízio Petrolli, que veio de trem de Santo André; as colegas da eterna Sala São Bernardo, hoje promovida à seção. E a Comissão Memória de Mauá – Arlete, Dorinha, Lúcia, Maria Inês...

Ah, a Comissão Memória de Mauá! Renato Mariani, o presidente; as meninas Carolina Leardini Rimazza, Lídia Colalilo Cecon, Natalina Camioli Benedetti, arquiteta Sonia Antico; e os meninos Armando Scilla, Moacyr Antonio Ferrari, João Sérgio Rimazza, só para citar alguns. A lista completa está na foto de hoje.

Entre a foto coletiva e o lançamento do livro passaram-se menos de dois anos. Foi um dos trabalhos mais gostosos que fizemos, pois envolveu a cidade de Mauá com reuniões ao estilo redação de jornal.

 

PAUTA DA SEMANA

As reuniões de pauta eram realizadas no Museu de Mauá, às sextas-feiras. Ali eram definidas as tarefas da semana. Sete dias depois, recebíamos as matérias, geralmente manuscritas, com fotos originais retiradas dos fundos dos baús.

Armando Scilla nos trouxe seus escritos datilografados em fita de algodão vermelha. Uma relíquia.

Antes do início do trabalho, recorremos ao Banco de Dados do Diário. Queríamos saber o que havia de material sobre a cidade de Mauá. A resposta foi desalentadora: “Mauá não tem história”.

Não tem história? Então vamos construir uma. Resultado: um livro de 468 páginas, todo ilustrado, capa dura. Prefácio de Vera Guazzelli. Projeto gráfico de Rubens Justo (o diagramador Giji, ex-Diário). Reprodução de fotos de Gemecê de Menezes. E a participação direta – repetimos – desta comissão da foto coletiva, a Comissão Memória de Mauá.

 

NOME TROCADO

Infelizmente, vários dos fotografados partiram. De Pilar a Mauá tornou-se um clássico. Disputadíssimo. Talvez eu modificasse o nome: para não ensejar trocadilho, trocaria o ‘De’ por ‘Do’. Ficaria: Do Pilar (primitivo nome da cidade) a Mauá. Do mais, manteria todos os capítulos e fotos, acrescentando o que foi levantado depois, nos 30 anos seguintes que se completam neste domingo de saudades.

Era o nosso quinto livro. Hoje são quase 40. Quando me perguntam qual foi o livro que me deu maior satisfação, eu respondo que são dois: este de Mauá e o dos 70 anos do Sindicato dos Químicos do ABC, pela participação maior de parceiros que ambos tiveram.

Por isso recorro uma vez mais ao Banco de Dados do Diário, agora recheado com notícias históricas de Mauá e das demais seis cidades que formam o Grande ABC. E descobrimos os negativos das fotos tiradas desde então, como estas de hoje. Intactos. De um tempo bom. E de tantas conquistas que vieram desde então. Obrigado ‘seo’ Renato, obrigado dona Carolina.

 

Concerto de órgão

Gianmario Cavallaro apresenta-se hoje, às 20h, na Basílica Nossa Senhora da Boa Viagem, a Matriz de São Bernardo, que possui o mais moderno e potente órgão do Grande ABC.

O maestro Cavallaro é italiano. Tem 50 anos. Participou da fundação da Orquestra Filarmônica Amadeus. Em Roma recebeu o Prêmio Paul Harris da Fundação Rotary Internacional por méritos artísticos. Cultiva um grande interesse pelos órgãos de igrejas, instrumento que o fascinaram desde pequeno e que contribuíram para seguir carreira profissional de músico. O concerto deste domingo começará logo após a missa das 19h. Entrada grátis.

 

Diário há 30 anos

Quinta-feira, 28 de maio de 1987 – ano 30, edição 6453

Manchete – Para Sarney (José, presidente da República) inflação de 22% será suportável

Indústria – Rhodia não teme crise e confirma investimentos.

São Caetano – Começa devassa no DAE.

Primeira Divisão – Em Limeira, Internacional local 3, Santo André 2.

 

Em 28 de maio de...

1917 – Organiza-se o Congresso de Estradas de São Paulo. Escoteiros ciclistas policiarão a Estrada do Mar. Três postos serão instalados na serra, que se corresponderão por sinais semafóricos, orientando os congressistas que virão de Santos, via São Bernardo, em direção à Capital.

1972 – Santo André sagra-se campeão da chave A da Segunda Divisão ao vencer a Esportiva, em Guaratinguetá, por 2 a 0, gols de Jonas.

 

Hoje

Dia Nacional de Luta pela Saúde da Mulher

Dia do Seresteiro

 

Santos do Dia

Germano de Paris

Bernardo de Novara

Emílio

Margarida Pole

 

Município Paulista

Hoje é o aniversário de Valinhos. Elevado a município em 1953, quando se separa de Campinas.

Valinhos é a terra natal de Adoniran Barbosa. O nome do compositor foi dado ao Centro de Artes, Cultura e Comércio, inaugurado em 2008 ao lado da estação rodoviária local. De Valinhos, Adoniran mudou-se para Santo André e daqui para São Paulo, onde alcançou sucesso nacional e internacional.

 

Municípios Brasileiros

Celebram seus aniversários em 28 de maio

No Mato Grosso do Sul, Amambai

Em Goiás, Corumbaíba

No Rio Grande do Sul, Machadinho e Viadutos.

No Pará, Maracanã.

Na Bahia, Senhor do Bonfim.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Do Pilar a Mauá, ano 30

Ademir Medici

28/05/2017 | 07:00


 “Proponho que seja formado em Mauá um Conselho de Patrimônio Histórico.”

Foi o que sugerimos em entrevista ao Diário em 28 de maio de 1987, quando do lançamento do livro De Pilar a Mauá, 30 anos atrás

 

Vocês não imaginam como a Memória de hoje traz tantas boas recordações. Ela focaliza os 30 anos de lançamento do livro De Pilar a Mauá, ocorrido na noite de 28 de maio de 1987 no Cokeluxe, então sede social da AA Industrial.

As pessoas que lá estavam nos são muito caras. Beltran Asêncio – que depois nos ofereceu um álbum com fotos tiradas durante o lançamento; o historiador Wanderley dos Santos, que veio de trem desde São Paulo; o jornalista Valdenízio Petrolli, que veio de trem de Santo André; as colegas da eterna Sala São Bernardo, hoje promovida à seção. E a Comissão Memória de Mauá – Arlete, Dorinha, Lúcia, Maria Inês...

Ah, a Comissão Memória de Mauá! Renato Mariani, o presidente; as meninas Carolina Leardini Rimazza, Lídia Colalilo Cecon, Natalina Camioli Benedetti, arquiteta Sonia Antico; e os meninos Armando Scilla, Moacyr Antonio Ferrari, João Sérgio Rimazza, só para citar alguns. A lista completa está na foto de hoje.

Entre a foto coletiva e o lançamento do livro passaram-se menos de dois anos. Foi um dos trabalhos mais gostosos que fizemos, pois envolveu a cidade de Mauá com reuniões ao estilo redação de jornal.

 

PAUTA DA SEMANA

As reuniões de pauta eram realizadas no Museu de Mauá, às sextas-feiras. Ali eram definidas as tarefas da semana. Sete dias depois, recebíamos as matérias, geralmente manuscritas, com fotos originais retiradas dos fundos dos baús.

Armando Scilla nos trouxe seus escritos datilografados em fita de algodão vermelha. Uma relíquia.

Antes do início do trabalho, recorremos ao Banco de Dados do Diário. Queríamos saber o que havia de material sobre a cidade de Mauá. A resposta foi desalentadora: “Mauá não tem história”.

Não tem história? Então vamos construir uma. Resultado: um livro de 468 páginas, todo ilustrado, capa dura. Prefácio de Vera Guazzelli. Projeto gráfico de Rubens Justo (o diagramador Giji, ex-Diário). Reprodução de fotos de Gemecê de Menezes. E a participação direta – repetimos – desta comissão da foto coletiva, a Comissão Memória de Mauá.

 

NOME TROCADO

Infelizmente, vários dos fotografados partiram. De Pilar a Mauá tornou-se um clássico. Disputadíssimo. Talvez eu modificasse o nome: para não ensejar trocadilho, trocaria o ‘De’ por ‘Do’. Ficaria: Do Pilar (primitivo nome da cidade) a Mauá. Do mais, manteria todos os capítulos e fotos, acrescentando o que foi levantado depois, nos 30 anos seguintes que se completam neste domingo de saudades.

Era o nosso quinto livro. Hoje são quase 40. Quando me perguntam qual foi o livro que me deu maior satisfação, eu respondo que são dois: este de Mauá e o dos 70 anos do Sindicato dos Químicos do ABC, pela participação maior de parceiros que ambos tiveram.

Por isso recorro uma vez mais ao Banco de Dados do Diário, agora recheado com notícias históricas de Mauá e das demais seis cidades que formam o Grande ABC. E descobrimos os negativos das fotos tiradas desde então, como estas de hoje. Intactos. De um tempo bom. E de tantas conquistas que vieram desde então. Obrigado ‘seo’ Renato, obrigado dona Carolina.

 

Concerto de órgão

Gianmario Cavallaro apresenta-se hoje, às 20h, na Basílica Nossa Senhora da Boa Viagem, a Matriz de São Bernardo, que possui o mais moderno e potente órgão do Grande ABC.

O maestro Cavallaro é italiano. Tem 50 anos. Participou da fundação da Orquestra Filarmônica Amadeus. Em Roma recebeu o Prêmio Paul Harris da Fundação Rotary Internacional por méritos artísticos. Cultiva um grande interesse pelos órgãos de igrejas, instrumento que o fascinaram desde pequeno e que contribuíram para seguir carreira profissional de músico. O concerto deste domingo começará logo após a missa das 19h. Entrada grátis.

 

Diário há 30 anos

Quinta-feira, 28 de maio de 1987 – ano 30, edição 6453

Manchete – Para Sarney (José, presidente da República) inflação de 22% será suportável

Indústria – Rhodia não teme crise e confirma investimentos.

São Caetano – Começa devassa no DAE.

Primeira Divisão – Em Limeira, Internacional local 3, Santo André 2.

 

Em 28 de maio de...

1917 – Organiza-se o Congresso de Estradas de São Paulo. Escoteiros ciclistas policiarão a Estrada do Mar. Três postos serão instalados na serra, que se corresponderão por sinais semafóricos, orientando os congressistas que virão de Santos, via São Bernardo, em direção à Capital.

1972 – Santo André sagra-se campeão da chave A da Segunda Divisão ao vencer a Esportiva, em Guaratinguetá, por 2 a 0, gols de Jonas.

 

Hoje

Dia Nacional de Luta pela Saúde da Mulher

Dia do Seresteiro

 

Santos do Dia

Germano de Paris

Bernardo de Novara

Emílio

Margarida Pole

 

Município Paulista

Hoje é o aniversário de Valinhos. Elevado a município em 1953, quando se separa de Campinas.

Valinhos é a terra natal de Adoniran Barbosa. O nome do compositor foi dado ao Centro de Artes, Cultura e Comércio, inaugurado em 2008 ao lado da estação rodoviária local. De Valinhos, Adoniran mudou-se para Santo André e daqui para São Paulo, onde alcançou sucesso nacional e internacional.

 

Municípios Brasileiros

Celebram seus aniversários em 28 de maio

No Mato Grosso do Sul, Amambai

Em Goiás, Corumbaíba

No Rio Grande do Sul, Machadinho e Viadutos.

No Pará, Maracanã.

Na Bahia, Senhor do Bonfim.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;