Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar passa a subir com previsão de fluxo de saída, após abertura em baixa

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


26/11/2018 | 09:52


O dólar abriu em queda ante o real nesta segunda-feira, 26, em linha com as perdas da moeda americana no exterior em meio à recuperação dos preços do petróleo, mas passou a subir e renovou máximas por volta das 9h30; também influencia a moeda o enfraquecimento do peso mexicano e do rublo russo lá fora e um movimento de antecipação de vendas dadas as expectativas de intensificação das saídas de investidores estrangeiros do País com a proximidade do fim de novembro e do ano.

"O dólar abriu em queda acompanhando o exterior, mas já inverteu sinal com a perspectiva de saída de recursos estrangeiros", disse Jefferson Rugik, diretor da Correparti. Segundo ele, o final de novembro e início de dezembro são momentos em que os fundos estrangeiros reduzem suas posições para o fechamento dos balanços do ano e também muitas empresas pagam juros e dividendos para as suas matrizes no exterior. Ou seja, deveremos ter muita saída de dólar do País e o mercado já se antecipa a este movimento.

No exterior, o dólar recua em relação ao euro, libra e a maioria das divisas emergentes e ligadas a commodities, após ter subido na sexta-feira (23) paralelamente ao recuo de quase 8% no petróleo WTI e de mais de 6% no Brent por temores relacionados à expansão da oferta da commodity e por sinais de desaceleração da economia global.

Lá fora, o índice do dólar DXY - que mensura a moeda americana ante outras seis divisas fortes - opera com fraqueza diante do fortalecimento do euro em meio a relatos de que o governo da Itália está discutindo a possibilidade de reduzir sua meta de déficit orçamentário para 2019 do atual nível proposto de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) para de 2% a 2,1%, de forma a evitar o início de um procedimento disciplinar da União Europeia. Também a libra está mais forte nesta segunda, após a União Europeia ter aprovado o acordo do Brexit.

Essa decisão já era esperada e os analistas afirmam que o maior teste da separação será no início do próximo mês, quando o Parlamento britânico avaliará o documento. Já as moedas emergentes ligadas a commodities se beneficiam e sobem junto com o petróleo.

Às 9h30 desta segunda-feira, o dólar à vista subia 0,27%, a R$ 3,8344. O dólar futuro de dezembro estava em alta de 0,18% neste mesmo horário, a R$ 3,8350.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar passa a subir com previsão de fluxo de saída, após abertura em baixa


26/11/2018 | 09:52


O dólar abriu em queda ante o real nesta segunda-feira, 26, em linha com as perdas da moeda americana no exterior em meio à recuperação dos preços do petróleo, mas passou a subir e renovou máximas por volta das 9h30; também influencia a moeda o enfraquecimento do peso mexicano e do rublo russo lá fora e um movimento de antecipação de vendas dadas as expectativas de intensificação das saídas de investidores estrangeiros do País com a proximidade do fim de novembro e do ano.

"O dólar abriu em queda acompanhando o exterior, mas já inverteu sinal com a perspectiva de saída de recursos estrangeiros", disse Jefferson Rugik, diretor da Correparti. Segundo ele, o final de novembro e início de dezembro são momentos em que os fundos estrangeiros reduzem suas posições para o fechamento dos balanços do ano e também muitas empresas pagam juros e dividendos para as suas matrizes no exterior. Ou seja, deveremos ter muita saída de dólar do País e o mercado já se antecipa a este movimento.

No exterior, o dólar recua em relação ao euro, libra e a maioria das divisas emergentes e ligadas a commodities, após ter subido na sexta-feira (23) paralelamente ao recuo de quase 8% no petróleo WTI e de mais de 6% no Brent por temores relacionados à expansão da oferta da commodity e por sinais de desaceleração da economia global.

Lá fora, o índice do dólar DXY - que mensura a moeda americana ante outras seis divisas fortes - opera com fraqueza diante do fortalecimento do euro em meio a relatos de que o governo da Itália está discutindo a possibilidade de reduzir sua meta de déficit orçamentário para 2019 do atual nível proposto de 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) para de 2% a 2,1%, de forma a evitar o início de um procedimento disciplinar da União Europeia. Também a libra está mais forte nesta segunda, após a União Europeia ter aprovado o acordo do Brexit.

Essa decisão já era esperada e os analistas afirmam que o maior teste da separação será no início do próximo mês, quando o Parlamento britânico avaliará o documento. Já as moedas emergentes ligadas a commodities se beneficiam e sobem junto com o petróleo.

Às 9h30 desta segunda-feira, o dólar à vista subia 0,27%, a R$ 3,8344. O dólar futuro de dezembro estava em alta de 0,18% neste mesmo horário, a R$ 3,8350.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;