Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Buscando a saída

A pesquisa da CNT-MDA mostra em números a queda do prestígio do governo federal (e lembremos:


Do Diário do Grande ABC

25/03/2015 | 07:00


A pesquisa da CNT-MDA mostra em números a queda do prestígio do governo federal (e lembremos: El supremo da Confederação Nacional dos Transportes, Clésio Andrade, PMDB, é ligadíssimo ao PT, vice do governador petista de Minas, Fernando Pimentel). Dilma tem 10,8% de aprovação, 65% de rejeição – Collor, ao cair, tinha 68%. O desempenho pessoal de Dilma, que em setembro era positivo para 52,5%, caiu para 19% – contra 78% que o desaprovaram. Não são só as pesquisas. Dilma tem problemas com os aliados, incluindo o maior de todos, o PMDB; é contestada no seu PT. E ainda o tesoureiro do partido virou réu no processo do Petrolão. É difícil, mas se a campanha do PT recebeu dinheiro ilegal, Dilma pode perder o mandato sem impeachment. Qual a saída? Dilma acaba de recorrer à sua maior arma: Lula, o político de maior prestígio, popularidade e habilidade do PT, foi chamado a Brasília. Ao contrário de Dilma, Lula conversa com todos e procura atraí-los, sem agressões. Pode ser a grande saída (Lula sabe como buscar de volta apoios como o do PMDB), se as fraturas provocadas pela arrogância de Dilma forem curáveis. Mas o problema maior não são os aliados, que com esses Lula conversa: é a própria Dilma, que se afastou dos políticos mais ligados a Lula e fez que não ouviu as sugestões de seu criador. Por exemplo, Dilma escolheu Joaquim Levy, com quem não tem qualquer afinidade, só para rejeitar Henrique Meirelles, o preferido de Lula. Mas a bola está com ela: ou ouve Lula ou mantém sua popularidade em curva descendenta.

Sem diploma
A entrada de mais um tesoureiro do PT no mundo dos réus levanta a hipótese de financiamento ilegal de campanha (quem o dirá é a Justiça). No caso, haveria a cassação automática do diploma de Dilma e do vice Michel Temer, eleitos em conjunto. A decisão não é tão automática assim, há fatores políticos a serem levados em conta, a hipótese é remota. Mas existe e é outro problema a ser encarado.

O fundo do poço
Lembra daqueles ótimos fundos de pensão de estatais, que garantiriam a seus funcionários aposentadoria decente? Pois é: o Postalis, fundo de pensão do Correio, apresenta deficit de R$ 5,6 bilhões. E o buraco será tapado como de costume: aposentados e pensionistas terão os salários reduzidos em 26% pelos próximos 15 anos. O Correio deve R$ 1,15 bilhão ao Fundo. Um dia pagará.

Por falar em governo
O Tribunal de Contas da União ordenou ao BNDES que explicasse o grande investimento no grupo JBS Friboi. O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, negou-se a obedecer, alegando sigilo bancário. Só que o TCU nada pediu sobre movimentação bancária: apenas valor do investimento e seu resultado. O TCU multou Luciano Coutinho em R$ 10 mil e reiterou a ordem. Caso Coutinho continue resistindo, a multa passa a R$ 30 mil. E, numa terceira recusa, Coutinho pode ser inabilitado para o exercício de função pública – inclusive no BNDES. Luciano Coutinho alega que não foi avisado da multa. Mas, se até este colunista e o caro leitor sabem da multa, como é que ele, o interessado, ainda não sabe?

E vai rolando a festa
Três senadores ocupam ilegalmente apartamentos funcionais destinados a deputados federais: Romário (PSB, Rio), Rose de Freiras (PMDB, Espírito Santo) e Wellington Fagundes (PR, Mato Grosso). A Câmara reformou seus apartamentos funcionais, ao custo de R$ 280 milhões, para que os deputados não se sintam desconfortáveis. Senador em apartamento funcional de deputado é irregularidade. Mas o mais estranho é a existência desses imóveis, onde moram de graça parlamentares com salários bem superiores à média dos que, com seus impostos, sustentam a mordomia. Nos Estados Unidos não há imóveis funcionais: cada parlamentar decide se quer alugar, comprar, morar na casa de amigos, tudo com seu próprio dinheiro. No Brasil isso também não existia: surgiu em 1960, quando a Capital foi do Rio para Brasília e lá não havia imóveis para todos. Hoje, 55 anos depois, em Brasília há imóveis à vontade. Mas e a vontade de desfrutar a mordomia? 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Buscando a saída

A pesquisa da CNT-MDA mostra em números a queda do prestígio do governo federal (e lembremos:

Do Diário do Grande ABC

25/03/2015 | 07:00


A pesquisa da CNT-MDA mostra em números a queda do prestígio do governo federal (e lembremos: El supremo da Confederação Nacional dos Transportes, Clésio Andrade, PMDB, é ligadíssimo ao PT, vice do governador petista de Minas, Fernando Pimentel). Dilma tem 10,8% de aprovação, 65% de rejeição – Collor, ao cair, tinha 68%. O desempenho pessoal de Dilma, que em setembro era positivo para 52,5%, caiu para 19% – contra 78% que o desaprovaram. Não são só as pesquisas. Dilma tem problemas com os aliados, incluindo o maior de todos, o PMDB; é contestada no seu PT. E ainda o tesoureiro do partido virou réu no processo do Petrolão. É difícil, mas se a campanha do PT recebeu dinheiro ilegal, Dilma pode perder o mandato sem impeachment. Qual a saída? Dilma acaba de recorrer à sua maior arma: Lula, o político de maior prestígio, popularidade e habilidade do PT, foi chamado a Brasília. Ao contrário de Dilma, Lula conversa com todos e procura atraí-los, sem agressões. Pode ser a grande saída (Lula sabe como buscar de volta apoios como o do PMDB), se as fraturas provocadas pela arrogância de Dilma forem curáveis. Mas o problema maior não são os aliados, que com esses Lula conversa: é a própria Dilma, que se afastou dos políticos mais ligados a Lula e fez que não ouviu as sugestões de seu criador. Por exemplo, Dilma escolheu Joaquim Levy, com quem não tem qualquer afinidade, só para rejeitar Henrique Meirelles, o preferido de Lula. Mas a bola está com ela: ou ouve Lula ou mantém sua popularidade em curva descendenta.

Sem diploma
A entrada de mais um tesoureiro do PT no mundo dos réus levanta a hipótese de financiamento ilegal de campanha (quem o dirá é a Justiça). No caso, haveria a cassação automática do diploma de Dilma e do vice Michel Temer, eleitos em conjunto. A decisão não é tão automática assim, há fatores políticos a serem levados em conta, a hipótese é remota. Mas existe e é outro problema a ser encarado.

O fundo do poço
Lembra daqueles ótimos fundos de pensão de estatais, que garantiriam a seus funcionários aposentadoria decente? Pois é: o Postalis, fundo de pensão do Correio, apresenta deficit de R$ 5,6 bilhões. E o buraco será tapado como de costume: aposentados e pensionistas terão os salários reduzidos em 26% pelos próximos 15 anos. O Correio deve R$ 1,15 bilhão ao Fundo. Um dia pagará.

Por falar em governo
O Tribunal de Contas da União ordenou ao BNDES que explicasse o grande investimento no grupo JBS Friboi. O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, negou-se a obedecer, alegando sigilo bancário. Só que o TCU nada pediu sobre movimentação bancária: apenas valor do investimento e seu resultado. O TCU multou Luciano Coutinho em R$ 10 mil e reiterou a ordem. Caso Coutinho continue resistindo, a multa passa a R$ 30 mil. E, numa terceira recusa, Coutinho pode ser inabilitado para o exercício de função pública – inclusive no BNDES. Luciano Coutinho alega que não foi avisado da multa. Mas, se até este colunista e o caro leitor sabem da multa, como é que ele, o interessado, ainda não sabe?

E vai rolando a festa
Três senadores ocupam ilegalmente apartamentos funcionais destinados a deputados federais: Romário (PSB, Rio), Rose de Freiras (PMDB, Espírito Santo) e Wellington Fagundes (PR, Mato Grosso). A Câmara reformou seus apartamentos funcionais, ao custo de R$ 280 milhões, para que os deputados não se sintam desconfortáveis. Senador em apartamento funcional de deputado é irregularidade. Mas o mais estranho é a existência desses imóveis, onde moram de graça parlamentares com salários bem superiores à média dos que, com seus impostos, sustentam a mordomia. Nos Estados Unidos não há imóveis funcionais: cada parlamentar decide se quer alugar, comprar, morar na casa de amigos, tudo com seu próprio dinheiro. No Brasil isso também não existia: surgiu em 1960, quando a Capital foi do Rio para Brasília e lá não havia imóveis para todos. Hoje, 55 anos depois, em Brasília há imóveis à vontade. Mas e a vontade de desfrutar a mordomia? 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;