Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Barrichello é o 1º nome da lista para substituir Montoya


Flavio Gomes
Da Warm Up, para o Diário do Grande ABC

04/09/2003 | 00:43


Conformada com a saída de Juan Pablo Montoya para a McLaren, a Williams já tem sua lista de possíveis substitutos para 2005. E o nome que lidera as preferências internas é o de Rubens Barrichello. O brasileiro, assim como o colombiano, tem contrato válido até o final do ano que vem. Os acontecimentos da semana passada, com a Ferrari acusando o piloto pela quebra da suspensão no GP da Hungria, praticamente selaram seu futuro em Maranello. É difícil sua permanência, até porque a Ferrari tem outros planos: promover Felipe Massa a titular em 2005.

Barrichello faz parte de uma lista quádrupla que repousa sobre a mesa de Frank Williams em Grove, a sede da equipe. Atrás dele vêm Mark Webber, Jenson Button e, com chances mais remotas no momento, Nelson Ângelo Piquet. A princípio, o time vai tentar segurar Montoya mais um ano. Se não der, porque o colombiano ameaça ir à Justiça, alguém será contratado para um ‘mandato-tampão’ de uma temporada, até a chegada do sucessor.

Rubens já teve um contato com a Williams, em 1998, mas em circunstâncias bem diferentes. Correndo pela Stewart, sem boas perspectivas de futuro, foi à fábrica do time para se oferecer. Correria de graça, se fosse preciso. No fim, a Williams optou por contratar Ralf Schumacher. Na época, o brasileiro ficou indignado. "O que esse cara já fez na F-1 para merecer essa vaga?", questionou. Agora a situação é outra. Barrichello está há três anos numa equipe de ponta e já venceu seis GPs. A Ferrari é a grande rival da Williams na atualidade e seria muito útil para o time inglês ter alguém em suas fileiras que conheça os segredos da concorrência.

Por fim, há o "fator Petrobras". A estatal é hoje uma das principais parceiras técnicas da Williams e seria interessante ter um brasileiro divulgando sua gasolina. Montoya acertou com a McLaren e está tentando sair da Williams antes do fim de seu contrato. Para isso, porém, teria de pagar uma multa rescisória de US$ 10 milhões. A McLaren, que não quer bancar a conta, até já anunciou sua dupla para 2004, mantendo Coulthard e Raikkonen.

Julian Jakobi, empresário de Montoya, estaria tentando uma última cartada para liberar o piloto. De acordo com a imprensa européia, ele estuda a possibilidade de recorrer aos tribunais baseado na Lei Bosman, que em dezembro de 1995 acabou com o passe para os jogadores de futebol na Europa.

O belga Jean-Marc Bosman jogava no Liège em 1990 quando, por não estar sendo aproveitado pela equipe, assinou um contrato com o Dunquerque, da França. Seu time não o liberou e ele entrou na Justiça alegando que estava sendo impedido de trabalhar. A longa batalha jurídica acabou definindo o sistema usado hoje para transferências de jogadores, que são livres para atuar onde quiserem. Quando recebem uma boa proposta de outro clube, caso tenham contrato em vigor, basta pagar uma multa e ir embora.

Jakobi teria planos de alegar que Montoya não terá boas condições de trabalho na Williams em 2004, já que todos sabem de seu acerto com a McLaren.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Barrichello é o 1º nome da lista para substituir Montoya

Flavio Gomes
Da Warm Up, para o Diário do Grande ABC

04/09/2003 | 00:43


Conformada com a saída de Juan Pablo Montoya para a McLaren, a Williams já tem sua lista de possíveis substitutos para 2005. E o nome que lidera as preferências internas é o de Rubens Barrichello. O brasileiro, assim como o colombiano, tem contrato válido até o final do ano que vem. Os acontecimentos da semana passada, com a Ferrari acusando o piloto pela quebra da suspensão no GP da Hungria, praticamente selaram seu futuro em Maranello. É difícil sua permanência, até porque a Ferrari tem outros planos: promover Felipe Massa a titular em 2005.

Barrichello faz parte de uma lista quádrupla que repousa sobre a mesa de Frank Williams em Grove, a sede da equipe. Atrás dele vêm Mark Webber, Jenson Button e, com chances mais remotas no momento, Nelson Ângelo Piquet. A princípio, o time vai tentar segurar Montoya mais um ano. Se não der, porque o colombiano ameaça ir à Justiça, alguém será contratado para um ‘mandato-tampão’ de uma temporada, até a chegada do sucessor.

Rubens já teve um contato com a Williams, em 1998, mas em circunstâncias bem diferentes. Correndo pela Stewart, sem boas perspectivas de futuro, foi à fábrica do time para se oferecer. Correria de graça, se fosse preciso. No fim, a Williams optou por contratar Ralf Schumacher. Na época, o brasileiro ficou indignado. "O que esse cara já fez na F-1 para merecer essa vaga?", questionou. Agora a situação é outra. Barrichello está há três anos numa equipe de ponta e já venceu seis GPs. A Ferrari é a grande rival da Williams na atualidade e seria muito útil para o time inglês ter alguém em suas fileiras que conheça os segredos da concorrência.

Por fim, há o "fator Petrobras". A estatal é hoje uma das principais parceiras técnicas da Williams e seria interessante ter um brasileiro divulgando sua gasolina. Montoya acertou com a McLaren e está tentando sair da Williams antes do fim de seu contrato. Para isso, porém, teria de pagar uma multa rescisória de US$ 10 milhões. A McLaren, que não quer bancar a conta, até já anunciou sua dupla para 2004, mantendo Coulthard e Raikkonen.

Julian Jakobi, empresário de Montoya, estaria tentando uma última cartada para liberar o piloto. De acordo com a imprensa européia, ele estuda a possibilidade de recorrer aos tribunais baseado na Lei Bosman, que em dezembro de 1995 acabou com o passe para os jogadores de futebol na Europa.

O belga Jean-Marc Bosman jogava no Liège em 1990 quando, por não estar sendo aproveitado pela equipe, assinou um contrato com o Dunquerque, da França. Seu time não o liberou e ele entrou na Justiça alegando que estava sendo impedido de trabalhar. A longa batalha jurídica acabou definindo o sistema usado hoje para transferências de jogadores, que são livres para atuar onde quiserem. Quando recebem uma boa proposta de outro clube, caso tenham contrato em vigor, basta pagar uma multa e ir embora.

Jakobi teria planos de alegar que Montoya não terá boas condições de trabalho na Williams em 2004, já que todos sabem de seu acerto com a McLaren.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;