Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Navios dos EUA poderão entrar em Cuba após mais de 40 anos


Do Diário OnLine

17/11/2001 | 15:46


O presidente cubano, Fidel Castro, anunciou, em discurso que atravessou a madrugada deste sábado, que seu país comprará alimentos e remédios dos Estados Unidos pela primeira vez em mais de 40 anos. Fidel disse que está liberada a entrada entrada em Cuba de navios americanos ou de outros países que contenham esse tipo de material.

Segundo Fidel, diante de "dificuldades objetivas" impostas pelas leis americanas, Cuba desistiu de sua idéia original de trazer alimentos em barcos cubanos.

Washington ofereceu ajuda humanitária a Cuba, em razão dos danos provocados pelo furacão Michelle, que devastou várias regiões do país, deixando cinco mortos. Cerca de 700 mil pessoas deixaram suas casas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Navios dos EUA poderão entrar em Cuba após mais de 40 anos

Do Diário OnLine

17/11/2001 | 15:46


O presidente cubano, Fidel Castro, anunciou, em discurso que atravessou a madrugada deste sábado, que seu país comprará alimentos e remédios dos Estados Unidos pela primeira vez em mais de 40 anos. Fidel disse que está liberada a entrada entrada em Cuba de navios americanos ou de outros países que contenham esse tipo de material.

Segundo Fidel, diante de "dificuldades objetivas" impostas pelas leis americanas, Cuba desistiu de sua idéia original de trazer alimentos em barcos cubanos.

Washington ofereceu ajuda humanitária a Cuba, em razão dos danos provocados pelo furacão Michelle, que devastou várias regiões do país, deixando cinco mortos. Cerca de 700 mil pessoas deixaram suas casas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;