Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

diarinho@dgabc.com.br | 4435-8396

Por que o cão está sempre de língua de fora?

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Caroline Ropero
Do Diário do Grande ABC

13/03/2011 | 07:00


A língua do cão serve para muitas coisas. Com ela, é possível sentir o sabor dos alimentos e ajudar na mastigação, conhecer o ambiente, se expressar. Quando lambe o dono, ele demonstra afeto, carinho e respeito. Entretanto, pode ser que esteja pedindo um pouco mais de atenção. Mas não é só isso.

Uma das utilidades importantes é regular a temperatura do corpo. Você nunca viu um cão suar né? Ele não transpira como a gente (pela pele); por isso, fica com a língua de fora, para respirar e soltar o ar quente. Quando faz isso não significa apenas que esteja cansado, mas que precisa resfriar o corpo.

Assim como muitos bichos, o cão costuma lamber os machucados porque a saliva pode ajudar a limpar a ferida. Entretanto, se passar a língua muitas vezes na mesma região, pode machucar ainda mais.

COMPORTAMENTO - Os cães dão muitos sinais do que estão sentindo. Para entendê-los basta prestar atenção em seu comportamento. Quando estão agachados com as patas para frente e o bumbum levantado, por exemplo, indica que estão chamando para brincar. Se a orelha está em pé, é porque estão prestando atenção em alguma coisa ou estão confiantes. O rabo abanando significa alegria; esticado, é sinal de alerta; para baixo das pernas indica medo ou submissão.

 

Focinho gelado é sinal de saúde

O focinho do cão é gelado e molhadinho, mesmo em dias quentes. Isso é resultado do fato de não suar como nós e transpirar pela boca e nariz. É preciso estar atento. Se o focinho estiver seco ou quente é sinal de que ele está doente; pode ser febre e indicar gripe ou infecção. Então, é necessário levá-lo ao veterinário.

O olfato - 30 vezes melhor que o do humano - é o principal sentido do cão. Pelo cheiro, consegue identificar o dono, os membros da famílias e se algum outro bicho passou por ali. O mesmo ocorre quando vai fazer xixi; consegue descobrir se o cão que passou por lá é macho, fêmea, saudável, se está no cio. Por farejar muito bem, é o animal escolhido para trabalhar como rastreador, localizando pessoas perdidas, vítimas de soterramento, drogas e explosivos pelo cheiro.

 

Bigode ajuda o bicho a se orientar

O bigode é importante para o cão. Ajuda na hora de farejar e tem a mesma função que o tato para os humanos. Por isso, não é saudável cortar o bigode do bichinho. Ele pode perder um pouco da sensibilidade necessária para caçar e até se machucar. É que o ajuda, por exemplo, a saber se colocar a cabeça em um buraco, poderá retirá-la de lá depois.

A visão também é especial e bem diferente da dos humanos. Antes acreditava-se que esse animal enxergava só em vários tons de preto e branco, mas hoje sabe-se que vê algumas cores, mas não como nós. Se for brincar no gramado, irá localizar melhor a bolinha azul do que a vermelha, já que não consegue distinguir o vermelho do verde da grama. Para ele, verde, amarelo, laranja e vermelho não têm diferença.

 

Gato lambedor

O gato tem muitas características parecidas com as do cão. Também transpira pela língua e vive se lambendo. A língua desse felino tem milhares de pontinhos ásperos que a deixam como uma lixa. Serve para lamber as presas e retirar penas ou pelos. E é fundamental para sua higiene; por isso, dizem que gato não precisa de banho, está sempre se limpando com a língua. Passa cerca de 10% do tempo fazendo isso, percorre todo o corpo, da cabeça à cauda. Lamber é algo tão natural, que se ele parar de fazer, pode ser que esteja doente.

 

- O cachorro ouve muito bem, melhor que os humanos e a uma distância quatro vezes maior. Consegue identificar rapidamente de onde vem o barulho e sabe diferenciar sons parecidos, como o de um pedaço de carne ou de legume caindo no chão. Por ter audição tão sensível, fica irritado com barulhos fortes, como trovões, fogos de artifício e alarmes.

 

Giovana Fusaro, 7 anos, de São Bernardo, tem um cachorrinho muito brincalhão de apenas três meses. "Ele parece uma bolinha de gude de tão pequeno", diz Giovana, que adora brincar com o bichinho. "Ele sempre lambe atrás da minha orelha e vive com a língua de fora."



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;