Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 15 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Garotas, lança-perfume e viva o Carnaval


Ademir Medici

13/02/2015 | 07:00


“É verdade que o Carnaval está às portas da cidade e ninguém nota por essas ruas a mais leve manifestação de alegria. Mas o fato tem sua explicação. Antigamente, com o café a 20 mil réis, toda a gente andava alegre e por isso as festas em honra de Momo começavam dois meses antes. Com o café, atualmente, a um preço que causa lástima, é claro que só nos três grandes dias o paulista se resolverá a adotar a teoria de que tristezas não pagam dívidas.”

Cf. O Estado de S.Paulo, 10-2-1915.

A história do lança-perfume é contada pelo Diário ao longo do tempo, desde a época do semanário News Seller (1958 a 1968). São geralmente matérias envolventes, como esta, de 30 anos atrás, assinada por José Marqueiz (texto) e Alberto Murayama (fotos).

O enfoque está no título: Lança-perfume pode voltar com a Nova República (Diário, 17-2-1985). Não voltou naquela fase de reabertura, com a eleição indireta de Tancredo Neves à Presidência da República, mas nossos colegas colecionaram depoimentos de andreenses que viveram fases distintas do lança-perfume.

O lança-perfume foi proibido por Jânio Quadros e enterrado por Castelo Branco, o primeiro presidente militar.

Trinta anos depois, o Banco de Dados do Diário recupera fotos e depoentes que Marqueiz e Murayama contataram no 1985 da História.

IMAGEM

A professora e pesquisadora Roseli Dias Ortigoso nos oferece a imagem que abre Memória hoje. Estamos no Valparaíso, Santo André, residência do fotógrafo Frederico Falbo, do estúdio Shirley Temple. Ano: 1934.

Aqui estão três sobrinhos de Falbo: Nena, Dalva e Ernesto. Dalva tornou-se tia de Roseli, pois se casou com o tio da professora, Ernesto Brunoro, o Teto. A foto foi guardada por Neuza, prima da Roseli, filha de Dalva e Teto.

- Agenor Pereira Franco, o Velho Borracha, torcedor do EC Santo André: “Eu usava mais para jogar nas meninas.”

- Armênio Fernandes Callado, publicitário: “O lança-perfume era vendido como refrigerantes nos bares.”

- Henrique Ricci, o Sapeca, dos grandes bailes que promoveria: “Se não houvesse a proibição, hoje não se registraria essa variedade de tóxicos, como maconha e cocaína.”

- Casemiro Domingos, aposentado mas ainda folião: “Depois que o lança-perfume foi proibido, o Carnaval morreu, perdeu todo o seu significado, toda sua alegria.”

- Luiz Antonio Naccheri, engenheiro: “Se voltasse a ser produzido, compraria lança-perfume e, como nos velhos tempos, só para refrescar o corpo ardente das garotas.”

- Sebastião Marques, o Lumumba, cabeleireiro: “O lança-perfume jamais será liberado porque ele deixou de ser um investimento para se transformar em tóxico.”

- Nilson Fernandes, estudante: “Pelo que me dizem, o Carnaval antigo era bem mais animado. A turma curtia mais, era mais alegre. Deve ser por causa do lança-perfume.”

Diário há 30 anos

Quarta-feira, 13 de fevereiro de 1985 – ano 27, nº 5748

Manchete – Já está pronto o plano de emergência de Tancredo

Economia – Campanha dos metalúrgicos alerta Fiesp.

Santo André – Requisitórios de Brandão (Newton, prefeito) exigem dois bilhões de cruzeiros.

Polícia – Ladrões continuam ataques por toda a região.

Em 13 de fevereiro de...

1915 – Fábrica Ipiranguinha, no Distrito de Santo André, trabalha com toda regularidade em suas diversas secções. E eleva o número de seus operários a mais de 400, depois das dificuldades enfrentadas em 1914, quando chegou a interromper as atividades.

- A guerra. Do noticiário do Estadão: ‘A ação da artilharia na Bélgica e na Champagne.’

1930 – Câmara de São Bernardo aprova a revisão das leis que deram nomes às ruas, praças e avenidas dos distritos de Santo André e São Caetano.

1935 – Criada a Escola Profissional Dr. Júlio de Mesquita, atual ETE, no Distrito de Santo André, pelo ato número 132, reorganizada em 13 de setembro do mesmo ano, pelo ato número 152.

1938 – Fundada, oficialmente, a Associação Comercial e Industrial de Santo André, a Acisa.

1960 – Odeon Clube, de São Bernardo, inaugura sua sede social, à Rua Padre Lustosa. Um baile é realizado, com a orquestra de Orlando Ferri e os cantores Isaura Garcia, Francisco Egidio, Peri Ribeiro e Léo Romano.

1990 – Morre, na Vila Metalúrgica, em Santo André, onde morava há 40 anos, Antonio Venceguerra, aos 81 anos. Operário, Venceguerra trabalhou em empresas como a Swift e Nordon e foi militante do Partido Comunista, sem exercer cargos de cúpula. Deixou precioso depoimento gravado, que pode ser consultado no Museu de Santo André.

Município Paulista

Em 1859 a Freguesia de Nossa Senhora das Dores de Brotas, antiga Fazenda Velha, é elevada à categoria de Vila.

Hoje

- Dia do Ministério Público Estadual, criado por lei de 1978.

- Dia Mundial do Rádio, pois foi em 13-2-1946 que a United Nations Rádio emitiu pela primeira vez um programa em simultâneo para um grupo de seis países. A data foi declarada em 2011 pela Unesco e celebrada pela primeira vez em 2012.

Santos do dia

- São Martiniano. Nasceu no século 4, na Cesaréia, Palestina. Era um monge eremita, mas acabou se tornando um andarilho para que o pecado nunca o achasse "em endereço fixo".

- Benigno

- Estevão di Rieti

- Ermelinda 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;