Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Camolesi limita horas extras de servidores

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Presidente estabelece novas regras e causa polêmica em meio a questionamentos do TCE


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

22/08/2021 | 00:01


O presidente da Câmara de São Bernardo, Estevão Camolesi (PSDB), publicou portaria que limita a concessão de horas extras aos servidores concursados.

A decisão causou polêmica nos bastidores porque ocorreu no mesmo tempo em que a casa precisa dar explicações ao TCE (Tribunal de Contas do Estado) sobre pagamento de gratificações de funcionários que atuam na mesa diretora.

Na sexta-feira, no Notícias do Município, Camolesi tornou pública a portaria 3.221/2021, que limita a duas horas extras diárias – o teto mensal é de 40 horas adicionais e o anual, de 120 horas. O funcionário precisará justificar a necessidade da jornada adicional, com preenchimento de formulário das atividades exercidas além do expediente. 

O superior imediato do servidor que requisitar a hora extra também precisa estar ciente do pleito. Se o colaborador não seguir a regra, fica sujeito a penalidades internas.

O assunto gerou estremecimento interno porque diversos servidores recorrem às horas extras para atender pedido de vereadores, em especial durante as sessões. Quando a plenária traz temas polêmicos, é comum a presidência instalar sessões extraordinárias sucessivas até destravar o assunto. 

O recurso também é utilizado em sessões solenes e de títulos de cidadão ou demais honrarias – que costumam acontecer à noite, fora do expediente tradicional de trabalho. Na semana passada, inclusive, a Câmara revogou o dispositivo que impedia a realização desse tipo de sessão e a tendência é a de organização em massa por causa de apresentação de medalhas represadas.

A portaria foi editada no mesmo mês em que a diretoria de fiscalização do TCE encaminhou relatório à casa sobre pagamento de funções gratificadas a servidores que atendem à mesa diretora. Ao analisar as contas de 2020, sob gestão de Juarez Tudo Azul (PSDB), o TCE identificou o benefício a 15 servidores, cujos salários mensais somados atingiram R$ 695,4 mil.

Segundo Camolesi, a nova portaria “disciplinou a realização e o cômputo das horas-crédito, assim como a utilização de horas-débito de forma a adequar às disposições contidas na legislação municipal em vigor”. “Considerando-se que os decretos municipais, em princípio, destinam-se aos servidores do Executivo, é necessário que no Poder Legislativo seja dado tratamento isonômico, pois, são todos servidores públicos municipais com iguais direitos e obrigações”, adicionou o tucano.

O presidente da casa pontuou ainda que a medida também serve para “conter eventuais abusos, para que sejam realizadas somente em caso de justificado interesse e demonstrada a necessidade do serviço público, pois a nova portaria veio a dar novo regramento no âmbito interno da Câmara de São Bernardo”. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;