Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Sindicatos se unem e cobram solução para as dívidas da Metodista


Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

23/09/2020 | 00:01


A Universidade Metodista, em São Bernardo, coleciona problemas trabalhistas desde 2015. Agravante é que, neste ano, a instituição cortou pela metade o salário de professores desde março sem acordo para redução de jornada. Ontem, 12 sindicatos e quatro federações que representam trabalhadores da rede Metodista no País realizaram mobilização on-line intitulada Dia Nacional do Basta.

Segundo Edilene Arjoni, presidente do Sinpro ABC (Sindicato dos Professores do Grande ABC), são pelo menos 300 professores no ensino superior e todos tiveram o salário cortado em 50%, sem redução de jornada, há seis meses. Os valores do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) não são depositados desde 2015, enquanto o 13º salário, o pagamento das férias e os vencimentos de dezembro, todos relativos a 2019, não foram pagos. “Pagaram um oitavo desta dívida em agosto e agora, em setembro, pagaram mais um oitavo, mas sem as multas.”

Em fevereiro, após a Metodista prometer pagar os salários deste ano em dia e descumprir, os professores e administrativos da unidade são-bernardense entraram em estado de greve. “Em relação à regularização do pagamento e do FGTS, há pelo menos dois anos (a reitoria) não está preocupada”, afirmou Rodolfo Bonventti, presidente da Associação de Professores da Metodista, de São Bernardo.

Questionada, a Metodista afirmou que tem relatado aos funcionários os desafios financeiros que vem enfrentando. Entre os obstáculos, a instituição destacou o desemprego, que afetou “significativamente as famílias, gerando aumento expressivo na inadimplência”.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sindicatos se unem e cobram solução para as dívidas da Metodista

Flavia Kurotori
Do Diário do Grande ABC

23/09/2020 | 00:01


A Universidade Metodista, em São Bernardo, coleciona problemas trabalhistas desde 2015. Agravante é que, neste ano, a instituição cortou pela metade o salário de professores desde março sem acordo para redução de jornada. Ontem, 12 sindicatos e quatro federações que representam trabalhadores da rede Metodista no País realizaram mobilização on-line intitulada Dia Nacional do Basta.

Segundo Edilene Arjoni, presidente do Sinpro ABC (Sindicato dos Professores do Grande ABC), são pelo menos 300 professores no ensino superior e todos tiveram o salário cortado em 50%, sem redução de jornada, há seis meses. Os valores do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) não são depositados desde 2015, enquanto o 13º salário, o pagamento das férias e os vencimentos de dezembro, todos relativos a 2019, não foram pagos. “Pagaram um oitavo desta dívida em agosto e agora, em setembro, pagaram mais um oitavo, mas sem as multas.”

Em fevereiro, após a Metodista prometer pagar os salários deste ano em dia e descumprir, os professores e administrativos da unidade são-bernardense entraram em estado de greve. “Em relação à regularização do pagamento e do FGTS, há pelo menos dois anos (a reitoria) não está preocupada”, afirmou Rodolfo Bonventti, presidente da Associação de Professores da Metodista, de São Bernardo.

Questionada, a Metodista afirmou que tem relatado aos funcionários os desafios financeiros que vem enfrentando. Entre os obstáculos, a instituição destacou o desemprego, que afetou “significativamente as famílias, gerando aumento expressivo na inadimplência”.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;