Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Capital paulista tem a maior frota de helicópteros do mundo


Wilson Marini
Da APJ

08/02/2021 | 07:02


Entre inúmeros recordes, a cidade de São Paulo acaba de incorporar mais um. É a campeã em frota de helicópteros no mundo inteiro. O dado é da Associação Brasileira dos Pilotos de Helicóptero (Abraphe). Segundo o levantamento, publicado oficialmente, a cada 45 segundos um helicóptero pousa na capital paulista. O movimento é tão intenso que a Força Aérea Brasileira (FAB) criou um sistema inédito para garantir a segurança desse intenso tráfego. Com isso, é também a única cidade do mundo que possui um controle de tráfego aéreo exclusivo para helicópteros. O Brasil está à frente de países como México, Venezuela, Argentina, Colômbia e Chile, no que diz respeito ao mercado de aviação executiva na América Latina.

Região metropolitana
Atualmente, segundo a entidade, existem no mundo mais de 50 mil helicópteros utilizados para fins civis e militares, e a metrópole com a maior frota desse tipo de transporte é São Paulo, acima de Nova York. No total, o Brasil conta com uma frota de mais de 2 mil helicópteros, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A região metropolitana e cidades vizinhas à capital hospedam 411 aeronaves registradas e cerca de 2.200 pousos e decolagens diários.

Ranking
São estas as cidades com maiores frotas de helicópteros no mundo: São Paulo (1º lugar); Nova York (2º); Tóquio (3º); Rio de Janeiro (4º); Londres (5º); Belo Horizonte (6º); Santiago (7º), Cidade do México (8º), Bogotá (9º) e Pequim (10º). Apenas na capital paulista existem mais de 260 heliportos, dos 427 do país.

Agricultura e construção
De janeiro a dezembro de 2020, o número de empregos formais paulistas permaneceu estável ( menos 1 mil postos de trabalho) de acordo com a Fundação Seade, com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O total de trabalhadores contratados celetistas no Estado manteve-se em 12 milhões (31% do total do país). As variações negativas no emprego nos serviços (-42 mil), no comércio (-29 mil) e na indústria (-7 mil) foram compensadas pelas variações positivas na agricultura (46 mil) e na construção (31 mil).

Regional
Saldos positivos ocorreram em 11 regiões paulistas com destaque para as regiões de Bauru (7 mil) e São José do Rio Preto (5 mil), enquanto as maiores reduções do nível de emprego foram observadas no município de São Paulo (-15 mil) e nas regiões de São José dos Campos (-10 mil) e Santos (-9 mil).

Nos supermercados
O setor supermercadista do Estado de São Paulo teve saldo positivo de 18,7 mil empregos formais gerados em 2020. O número é 46,5% maior que o registrado em 2019 e é o melhor resultado desde 2014, quando o saldo anual foi de 18,9 mil empregos.
São Paulo foi o Estado com o maior saldo do país no mês de dezembro, com 4,5 mil novas vagas, quase o dobro do Estado de Minas Gerais, que ficou em segundo lugar, com 2,4 mil.

Varejo alimentar
O mês de dezembro é, historicamente, o melhor para a geração de empregos no setor. O varejo alimentar criou 18 mil vagas em todo o Brasil neste mês, um resultado 76,5% maior que o mesmo período de 2019. Em São Paulo, todos os canais de vendas contrataram em dezembro. O saldo foi de 3.091 vagas em hiper e supermercados; 687 em minimercados e mercearias; 327 em hortifrutis e 457 em atacados e atacarejos.

E mais
? A rede de atacarejo Assaí anunciou um projeto de abertura de 123 lojas que pode atingir investimento de quase R$ 7 bilhões em cinco anos. A empresa tem hoje cerca de 180 pontos. Neste ano, serão 28 aberturas.
? A JBS investiu R$ 60 milhões na expansão de sua fábrica em Jaguariúna para aumentar em 67% a produção de mortadela defumada da linha Seara Gourmet, voltada para o mercado interno.

Viticultura em alta
O Instituto Agronômico realiza pesquisas em viticultura envolvendo a dupla poda, a safra de inverno, o cultivo protegido em Y e o melhoramento genético da videira. As duas primeiras técnicas possibilitaram a viticultura no Estado de São Paulo com qualidade para produção de vinho fino contribuindo para superar as dificuldades em relação ao clima e à identidade de bebida desenvolvida nas regiões produtoras paulistas. Já a técnica do cultivo protegido em Y viabiliza redução de até 70% na aplicação de defensivos agrícolas e aumento de produtividade de até 100%, podendo ser maior, dependendo da especialização do produtor.

Rota do vinho
O perfil dos produtores paulistas de vinho é heterogêneo. Há desde pequenos e informais, até membros de associações e novos viticultores, principalmente na Serra da Mantiqueira. O enoturismo está melhor estruturado nas regiões de Jundiaí e São Roque.

Frase
“Há uma produção paulista de vinhos de qualidade, viabilizada pela adoção, pelos viticultores, de técnicas introduzidas e desenvolvidas pelo Instituto Agronômico. Em regiões de São Paulo com déficit hídrico durante o inverno, existem boas condições de maturação da uva, com dias quentes e noites frias, que possibilitam boa qualidade da fruta e, consequentemente, do vinho” - José Luiz Hernandes, pesquisador do IAC. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;