Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 26 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Seis cidades do Grande ABC estão entre as 10 menos vulneráveis à pandemia na Região Metropolitana

Divulgação/São Bernardo é a cidade menos vulnerável à Covid-19 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Levantamento criado pelo Instituto Votorantim considera dados do PIB, IBGE, SUS, CNES e ANSS; Diadema foi a única que não apareceu no ranking


Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

16/07/2020 | 13:56


Santo André, São Bernardo, São Caetano, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra estão entre as 10 cidades menos vulneráveis da Região Metropolitana de São Paulo, de acordo com o levantamento do Índice de Vulnerabilidade Municipal, criado pelo Instituto Votorantim.

Lançado em maio deste ano, o índice classifica todos os municípios brasileiros em relação ao seu grau de vulnerabilidade diante da pandemia de Covid-19. O IVM (Índice de Vulnerabilidade dos Municípios), que varia de 0 a 100 - quanto mais alto o valor, maior é a vulnerabilidade -- pode ser consultado no site: http://www.institutovotorantim.org.br/municipioscontraocorona/ivm/.

São Bernardo aparece no primeiro lugar, com 30,06, seguido da cidade de São Caetano, em segundo, com 38,61. Mauá aparece em sexta posição com 42,31 e em sétimo, Santo André, com 43,44. Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra aparecem em oitava posição e nona, com 44,2 e 44,54, respectivamente. Diadema só aparece na décima primeira posição com 46,41. 

O IVM considera fatores como a proporção da população idosa, o PIB (Produto Interno Bruto) per capita, o número de leitos hospitalares e de UTI e o número de respiradores por 100 mil habitantes. São utilizados apenas dados públicos, de órgãos como IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), SUS (Sistema Único de Saúde), CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde) e ANSS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). 

Mais informações, amanhã (17) no caderno de Setecidades. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Seis cidades do Grande ABC estão entre as 10 menos vulneráveis à pandemia na Região Metropolitana

Levantamento criado pelo Instituto Votorantim considera dados do PIB, IBGE, SUS, CNES e ANSS; Diadema foi a única que não apareceu no ranking

Yasmin Assagra
Do Diário do Grande ABC

16/07/2020 | 13:56


Santo André, São Bernardo, São Caetano, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra estão entre as 10 cidades menos vulneráveis da Região Metropolitana de São Paulo, de acordo com o levantamento do Índice de Vulnerabilidade Municipal, criado pelo Instituto Votorantim.

Lançado em maio deste ano, o índice classifica todos os municípios brasileiros em relação ao seu grau de vulnerabilidade diante da pandemia de Covid-19. O IVM (Índice de Vulnerabilidade dos Municípios), que varia de 0 a 100 - quanto mais alto o valor, maior é a vulnerabilidade -- pode ser consultado no site: http://www.institutovotorantim.org.br/municipioscontraocorona/ivm/.

São Bernardo aparece no primeiro lugar, com 30,06, seguido da cidade de São Caetano, em segundo, com 38,61. Mauá aparece em sexta posição com 42,31 e em sétimo, Santo André, com 43,44. Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra aparecem em oitava posição e nona, com 44,2 e 44,54, respectivamente. Diadema só aparece na décima primeira posição com 46,41. 

O IVM considera fatores como a proporção da população idosa, o PIB (Produto Interno Bruto) per capita, o número de leitos hospitalares e de UTI e o número de respiradores por 100 mil habitantes. São utilizados apenas dados públicos, de órgãos como IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), SUS (Sistema Único de Saúde), CNES (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde) e ANSS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). 

Mais informações, amanhã (17) no caderno de Setecidades. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;