Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 25 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Auditório Ibirapuera será adotado pelo MinC



28/06/2010 | 07:00


O Ministério da Cultura, a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e o Instituto Auditório Ibirapuera (IAI) anunciam hoje um novo modelo de gestão pública de um equipamento cultural.

Após se tornar órfão do patrocínio da TIM, em fevereiro, o Auditório estava prestes a ficar sem recursos de manutenção, mas o governo federal resolveu adotá-lo. Será destinada, nos próximos dois anos, a quantia de R$ 13 milhões para a instituição, que muda de perfil e passa a se constituir no Centro de Referência da Música Brasileira (CRMB).

Segundo o governo federal, o Auditório Ibirapuera abre o que está sendo chamado de Programa Permanente de apoio a Instituições Culturais. "Essa parceria com a Prefeitura de São Paulo e o instituto pretende redefinir as condições de sustentabilidade de uma instituição cultural no País", disse José Luiz Herência, secretário de Políticas Culturais do MinC.

Inicialmente, o convênio receberá R$ 5 milhões do tesouro federal, recurso direto (não incentivado). Em 2011, receberá o restante. Atualmente, o Auditório mantém uma orquestra, uma escola de música (com cerca de 120 alunos) e uma programação anual muito elogiada. "Reconhecemos antes de tudo a excelência da programação e a vocação de se constituir num centro de reflexão sobre a música brasileira", disse Herência.

Projetado em 1950 por Oscar Niemeyer, o Auditório foi construído e doado pela TIM Celular à Prefeitura de São Paulo durante a gestão de Marta Suplicy e inaugurada pelo então prefeito José Serra em 2005. Durante 5 anos, o espaço foi mantido pela TIM Celular por meio de uma parceria que contava com a doação anual de R$ 7 milhões sem incentivo fiscal. Além dessa doação, o orçamento do Instituto era composto pela soma da receita da bilheteria e aluguel da casa para eventos fechados, num total anual de R$ 10 milhões. Com a saída da TIM, Mario Cohen, diretor do Instituto Auditório Ibirapuera, entrou em negociações com o governo federal. Se o convênio não fosse fechado, o Auditório já começaria a enfrentar prejuízo na programação e nas atividades educacionais.

O CRMB começará a funcionar já em julho, segundo Mario Cohen. Terá como objetivo "promover reflexões e propor ações contemporâneas para a relação entre música, sociedade e economia". Será formado por núcleos de estudo que vão atuar em diversas áreas, como Economia da Música, Fomentos e Incentivos, Circulação e Difusão, Planejamento e Gestão Pública. E promoverá palestras, workshops, mesas-redondas, congressos e simpósios.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Auditório Ibirapuera será adotado pelo MinC


28/06/2010 | 07:00


O Ministério da Cultura, a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e o Instituto Auditório Ibirapuera (IAI) anunciam hoje um novo modelo de gestão pública de um equipamento cultural.

Após se tornar órfão do patrocínio da TIM, em fevereiro, o Auditório estava prestes a ficar sem recursos de manutenção, mas o governo federal resolveu adotá-lo. Será destinada, nos próximos dois anos, a quantia de R$ 13 milhões para a instituição, que muda de perfil e passa a se constituir no Centro de Referência da Música Brasileira (CRMB).

Segundo o governo federal, o Auditório Ibirapuera abre o que está sendo chamado de Programa Permanente de apoio a Instituições Culturais. "Essa parceria com a Prefeitura de São Paulo e o instituto pretende redefinir as condições de sustentabilidade de uma instituição cultural no País", disse José Luiz Herência, secretário de Políticas Culturais do MinC.

Inicialmente, o convênio receberá R$ 5 milhões do tesouro federal, recurso direto (não incentivado). Em 2011, receberá o restante. Atualmente, o Auditório mantém uma orquestra, uma escola de música (com cerca de 120 alunos) e uma programação anual muito elogiada. "Reconhecemos antes de tudo a excelência da programação e a vocação de se constituir num centro de reflexão sobre a música brasileira", disse Herência.

Projetado em 1950 por Oscar Niemeyer, o Auditório foi construído e doado pela TIM Celular à Prefeitura de São Paulo durante a gestão de Marta Suplicy e inaugurada pelo então prefeito José Serra em 2005. Durante 5 anos, o espaço foi mantido pela TIM Celular por meio de uma parceria que contava com a doação anual de R$ 7 milhões sem incentivo fiscal. Além dessa doação, o orçamento do Instituto era composto pela soma da receita da bilheteria e aluguel da casa para eventos fechados, num total anual de R$ 10 milhões. Com a saída da TIM, Mario Cohen, diretor do Instituto Auditório Ibirapuera, entrou em negociações com o governo federal. Se o convênio não fosse fechado, o Auditório já começaria a enfrentar prejuízo na programação e nas atividades educacionais.

O CRMB começará a funcionar já em julho, segundo Mario Cohen. Terá como objetivo "promover reflexões e propor ações contemporâneas para a relação entre música, sociedade e economia". Será formado por núcleos de estudo que vão atuar em diversas áreas, como Economia da Música, Fomentos e Incentivos, Circulação e Difusão, Planejamento e Gestão Pública. E promoverá palestras, workshops, mesas-redondas, congressos e simpósios.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;