Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 22 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Coco é usado para conter erosão de areia em Fortaleza


Do Diário OnLine
Com Agência Brasil

17/12/2006 | 13:19


Os moradores do bairro de Serviluz, em Fortaleza, Ceará, sofrem com a invasão da areia das dunas. O problema aumenta no fim do ano, quando o vento está mais forte: a areia entra nas casas e, em alguns casos, encobre salas, cozinha e até quartos.

Para tentar solucionar a questão, pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) desenvolveram um projeto de reaproveitamento de cascas do coco verde, que são moídas e separadas em pó e fibra.

Segundo o pesquisador João Alencar, a fibra se transforma em manta que, colocada próxima às residências, impede que a areia se espalhe.

Uma cooperativa criada no bairro de Jangurussu desenvolve o projeto. Lá os cocos são triturados e separados. Os trabalhos já começaram e a previsão é que as mantas sejam entregues em janeiro.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Coco é usado para conter erosão de areia em Fortaleza

Do Diário OnLine
Com Agência Brasil

17/12/2006 | 13:19


Os moradores do bairro de Serviluz, em Fortaleza, Ceará, sofrem com a invasão da areia das dunas. O problema aumenta no fim do ano, quando o vento está mais forte: a areia entra nas casas e, em alguns casos, encobre salas, cozinha e até quartos.

Para tentar solucionar a questão, pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) desenvolveram um projeto de reaproveitamento de cascas do coco verde, que são moídas e separadas em pó e fibra.

Segundo o pesquisador João Alencar, a fibra se transforma em manta que, colocada próxima às residências, impede que a areia se espalhe.

Uma cooperativa criada no bairro de Jangurussu desenvolve o projeto. Lá os cocos são triturados e separados. Os trabalhos já começaram e a previsão é que as mantas sejam entregues em janeiro.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;