Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Com salão fechado, dono põe a mão na massa e doa máscaras feitas por ele

Arquivo Pessoal Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Andreense Maurício Franzo aproveita os dotes com costura e fabrica 300 unidades


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

31/03/2020 | 00:01


Solidariedade vem sendo uma das principais palavras na luta contra o novo coronavírus. Apesar dos problemas econômicos que os comércios fechados vêm trazendo aos empreendedores, há aqueles que encontram na ajuda ao próximo alternativa para manter a cabeça ativa e o tempo preenchido. Maurício Franzo, 54 anos, teve de fechar seu salão de cabeleireiro em Santo André em razão da quarentena. Entretanto, a falta de máscaras nas farmácias e supermercados fez com que ele passasse a colocar em prática habilidade com a costura – aproveitando algumas sobras de TNT (Tecido Não Tecido) que tinha em casa – para fabricar os seus próprios itens de proteção. De repente, observando que pessoas próximas também estavam com dificuldade em encontrar o objeto, iniciou a produção para doar e fez 300 unidades desde então.

“Preferi manter distância para não correr risco ou colocá-las (clientes) em risco, porque a essa altura ninguém sabe quem está contaminado ou não. Estou isolado, só saio uma única vez ao dia, para comprar alimentos”, contou ele. “Todos os dias frequento a mesma padaria e notei que as meninas que estão na linha de frente não estavam usando material de proteção porque, assim como eu, não encontraram para comprar. Fiquei bastante preocupado e resolvi fazer. Vi tutorial no YouTube mostrando como fazia, que era algo rápido, e passei a fazer para levar para elas”, complementou Maurício.

Segundo ele, profissionais que seguem na ativa nos estabelecimentos considerados essenciais merecem reconhecimento. “São heroínas, porque a maioria ganha um salário mínimo para se expor tanto lidando com o público. Não têm a opção de não trabalhar, têm de trabalhar”, disse o autônomo, crítico dos governos federal, estadual e municipal por não fornecerem os itens ou, ao menos, uma solução para a falta de máscaras da população.

Ao notar que outros estabelecimentos próximos tinham funcionários com o mesmo tipo de problema, Maurício intensificou a produção. “Acabei doando também para pessoas que têm comércio na minha rua (Juquiá) e que também estavam com dificuldade em comprar a máscara”, afirmou ele, que aprendeu a costurar com a mãe.
Segundo Maurício, o custo para fazer 30 máscaras é de apenas R$ 2 – preço do TNT. Além disso, cada uma leva aproximadamente cinco minutos para ficar pronta. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;