Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 2 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Em SP, rotina estudantil volta a ser alterada com paralisação e pais se dividem



30/05/2018 | 11:10


Pais de alunos de colégios particulares de São Paulo tiveram outra vez a rotina alterada pela paralisação dos professores. Algumas escolas cancelaram as aulas ou fizeram atividades alternativas nesta terça-feira, 29. Com movimento já baixo por causa da greve dos caminhoneiros, o que se viu em algumas instituições foram salas de aulas vazias.

Para a gerente comercial Patrícia França, de 41 anos, esta terça foi perdida. Ela gastou o pouco combustível que tinha para levar o filho Lucca, de 16 anos, à escola, mas o jovem, que estuda em tempo integral, teve apenas três aulas e voltou antes do horário convencional.

"A gente levou para a escola, mas tivemos de buscar mais cedo. Ele não teve aula e não conseguiu achar um Uber", diz Patrícia. Lucca até mandou uma foto da sala do Colégio Santa Maria, onde estuda, para a mãe: quase inteiramente vazia. "A gente faz um esforço. Abasteci o carro na semana passada só para levar as crianças na escola, mas gastamos gasolina à toa. O clima já está difícil. Vai parar a escola também?"

Outras atividades

A engenheira de alimentos Vanessa Moraes, de 46 anos, conta que o dia ontem foi diferente para as filhas. No Colégio Santa Clara, na zona oeste, escola da mais nova, de 7 anos, apenas atividades recreativas foram realizadas e Vanessa preferiu deixá-la em casa.

Já no Santa Cruz, colégio da mais velha, de 11 anos, os estudantes não tiveram aulas à tarde. Mas participaram pela manhã de atividades lúdicas e até discussões sobre o movimento dos professores. "Tentaram abordar de forma que eles (alunos) entendessem, com assuntos relacionados à educação, à democracia", diz ela. "É óbvio que não gostamos de não ter aula, ficamos apreensivos. Mas, se estão reivindicando algo que lhes parece pertinente, temos de discutir." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em SP, rotina estudantil volta a ser alterada com paralisação e pais se dividem


30/05/2018 | 11:10


Pais de alunos de colégios particulares de São Paulo tiveram outra vez a rotina alterada pela paralisação dos professores. Algumas escolas cancelaram as aulas ou fizeram atividades alternativas nesta terça-feira, 29. Com movimento já baixo por causa da greve dos caminhoneiros, o que se viu em algumas instituições foram salas de aulas vazias.

Para a gerente comercial Patrícia França, de 41 anos, esta terça foi perdida. Ela gastou o pouco combustível que tinha para levar o filho Lucca, de 16 anos, à escola, mas o jovem, que estuda em tempo integral, teve apenas três aulas e voltou antes do horário convencional.

"A gente levou para a escola, mas tivemos de buscar mais cedo. Ele não teve aula e não conseguiu achar um Uber", diz Patrícia. Lucca até mandou uma foto da sala do Colégio Santa Maria, onde estuda, para a mãe: quase inteiramente vazia. "A gente faz um esforço. Abasteci o carro na semana passada só para levar as crianças na escola, mas gastamos gasolina à toa. O clima já está difícil. Vai parar a escola também?"

Outras atividades

A engenheira de alimentos Vanessa Moraes, de 46 anos, conta que o dia ontem foi diferente para as filhas. No Colégio Santa Clara, na zona oeste, escola da mais nova, de 7 anos, apenas atividades recreativas foram realizadas e Vanessa preferiu deixá-la em casa.

Já no Santa Cruz, colégio da mais velha, de 11 anos, os estudantes não tiveram aulas à tarde. Mas participaram pela manhã de atividades lúdicas e até discussões sobre o movimento dos professores. "Tentaram abordar de forma que eles (alunos) entendessem, com assuntos relacionados à educação, à democracia", diz ela. "É óbvio que não gostamos de não ter aula, ficamos apreensivos. Mas, se estão reivindicando algo que lhes parece pertinente, temos de discutir." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;