Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Houve tento no ludopédio

Saiu um militante do PCdoB do Ministério do Esporte, entrou outro militante do PCdoB no Ministério do Esporte.


Carlos Brickmann

30/10/2011 | 00:00


Saiu um militante do PCdoB do Ministério do Esporte, entrou outro militante do PCdoB no Ministério do Esporte. Os problemas do Ministério do Esporte ocorreram por causa do ministro? Em parte; mas especialmente pela força que o Ministério do Esporte procurou dar a entidades ligadas ao PCdoB, com verbas que se multiplicaram de R$ 148 milhões em 2003 para R$ 800 milhões em 2011. Talvez o novo ministro seja mais competente; com certeza é mais engraçado. Rebelo se notabilizou não pela CPI da CBF (na época, apontou muitas irregularidades, mas depois fez as pazes com Ricardo Teixeira e hoje são amigos de infância), mas por querer obrigar os brasileiros a traduzir cada palavra que usem em outro idioma - ou, pelo menos, a publicar a pronúncia em português. Pois tem uma chance de ouro: o anglicismo futebol, que vem de football, pode ser traduzido para ludopédio. Gol, do inglês goal, nem pensar: tento, talvez. E aquele espaço definido por três paus, que também chamamos de gol? Pode ser meta; quem o defende, não podendo ser goleiro, porque goleiro é derivação de gol, nem meteiro, por questão de decoro, talvez vire guardião - como o próprio ministro, que é guardião (um dos últimos) do Livro Vermelho do camarada Mao.

Futebol dá para traduzir - mas como fazer com o Ministério do Esporte? Esporte vem do francês arcaico desport, por meio do inglês sport. Desporto, que os puristas sempre pensaram que fosse português de raiz, vem do desport francês. Enfim, talvez isso se ajeite. Mas como resolver a roubalheira, que é coisa nossa?

t TENTO! LEDO MOMENTO!

Imaginemos a torcida ao comemorar um, digamos, gol. Gritarão os torcedores algo como "Tento! Que ledo momento!" Pensemos em Kaká driblando o goleiro e chutando para o gol. Mas não pode driblar, goleiro já não há, chute vem de to shoot, inglês castiço. Que tal algo como Kaká fintando o guardião e atirando para a meta - mas Kaká, com dois ‘K'?

CACÁ, PRONTO.

A propósito, Aldo Rebelo quis trocar o Halloween, festa estrangeira, pelo Dia do Saci. E toma posse em 31 de outubro, Dia do Saci. Querem data mais adequada para o atual estágio do futebol brasileiro, que joga com uma perna só?

PORTA-VOZ SEM VOTO

Um detalhe curioso, na queda do ministro Orlando Silva, foi o discurso do deputado federal ACM Neto, do DEM baiano: "O povo brasileiro quer o sr. fora do Ministério". OK, OK. ACM Neto até consegue se reeleger deputado federal, mas o poderoso partido que seu avô montou na Bahia e ele hoje comanda não ganhou nem a Prefeitura de Salvador. Como quer falar em nome do "povo"?

HADDAD, ATÉ APRENDER

O ministro da Educação, Fernando Vaidadd (PT), terá problemas para se candidatar a prefeito de São Paulo: há rumores de que fica como ministro até aprender a fazer um ENEM (pelo jeito, demora). No Brasil, diz Delfim Netto, até o passado é imprevisível: mas é possível prever que o ENEM vai ter erro.

O pior é a explicação: a de que um colégio em Fortaleza usou, nos simulados, perguntas do pré-teste do ENEM de 2010. E por que o ENEM usa as mesmas perguntas um ano depois, embora pague de novo para ter perguntas novas?

Tudo nulo

Na verdade, o pior nem é a explicação: é o remendo que tentam fazer, de anular apenas o exame nas escolas em que apareceu o problema. Não dá! Para que seja possível avaliar os estudantes, é preciso que todos respondam às mesmas perguntas. Não há equivalência possível entre perguntas diferentes. Digamos que o país inteiro tenha respondido a algo como "qual foi o jogador que primeiro fez mil gols em sua carreira". O equivalente seria o que: "qual o CPF do jogador que primeiro fez mil gols em sua carreira?" O correto, por inconveniente que pareça, é fazer um novo ENEM no País. E chamar gente competente para organizá-lo.

VERGONHA 1

Grupos nazistas usam a Internet para combinar ataques a negros, judeus, punks e nordestinos, e não acontece nada: a Polícia espera a agressão para prender um criminoso ou outro, ignorando a prevenção. O racismo vai avançando: em Curitiba, sete estudantes espancaram uma colega negra, por ser negra. Há meses a moça era chamada de "macaca" por algumas colegas, sem que a direção da escola agisse. Uma das agressoras postou mensagem numa rede social repetindo o insulto. Vamos ficar esperando até que a situação se torne insustentável?

VERGONHA 2

Uma Medida Provisória do Governo já aprovada pela Câmara (só falta o Senado) autoriza fabricantes de cigarros a patrocinar eventos esportivos e musicais. A medida vai contra as recomendações da Organização Mundial da Saúde, que recomenda mais restrições (e não menos) à propaganda de cigarros, que reconhece como causadores de graves doenças. Se a medida passar (as cigarreiras são riquíssimas, poderosas e têm muitos argumentos), haverá recursos até o Supremo.

QUE MALDADE!

A presidente Dilma mandou a Lula, em seu aniversário, dois livros de presente. É mais ou menos como dar de presente a Jô Soares uma temporada no spa.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Houve tento no ludopédio

Saiu um militante do PCdoB do Ministério do Esporte, entrou outro militante do PCdoB no Ministério do Esporte.

Carlos Brickmann

30/10/2011 | 00:00


Saiu um militante do PCdoB do Ministério do Esporte, entrou outro militante do PCdoB no Ministério do Esporte. Os problemas do Ministério do Esporte ocorreram por causa do ministro? Em parte; mas especialmente pela força que o Ministério do Esporte procurou dar a entidades ligadas ao PCdoB, com verbas que se multiplicaram de R$ 148 milhões em 2003 para R$ 800 milhões em 2011. Talvez o novo ministro seja mais competente; com certeza é mais engraçado. Rebelo se notabilizou não pela CPI da CBF (na época, apontou muitas irregularidades, mas depois fez as pazes com Ricardo Teixeira e hoje são amigos de infância), mas por querer obrigar os brasileiros a traduzir cada palavra que usem em outro idioma - ou, pelo menos, a publicar a pronúncia em português. Pois tem uma chance de ouro: o anglicismo futebol, que vem de football, pode ser traduzido para ludopédio. Gol, do inglês goal, nem pensar: tento, talvez. E aquele espaço definido por três paus, que também chamamos de gol? Pode ser meta; quem o defende, não podendo ser goleiro, porque goleiro é derivação de gol, nem meteiro, por questão de decoro, talvez vire guardião - como o próprio ministro, que é guardião (um dos últimos) do Livro Vermelho do camarada Mao.

Futebol dá para traduzir - mas como fazer com o Ministério do Esporte? Esporte vem do francês arcaico desport, por meio do inglês sport. Desporto, que os puristas sempre pensaram que fosse português de raiz, vem do desport francês. Enfim, talvez isso se ajeite. Mas como resolver a roubalheira, que é coisa nossa?

t TENTO! LEDO MOMENTO!

Imaginemos a torcida ao comemorar um, digamos, gol. Gritarão os torcedores algo como "Tento! Que ledo momento!" Pensemos em Kaká driblando o goleiro e chutando para o gol. Mas não pode driblar, goleiro já não há, chute vem de to shoot, inglês castiço. Que tal algo como Kaká fintando o guardião e atirando para a meta - mas Kaká, com dois ‘K'?

CACÁ, PRONTO.

A propósito, Aldo Rebelo quis trocar o Halloween, festa estrangeira, pelo Dia do Saci. E toma posse em 31 de outubro, Dia do Saci. Querem data mais adequada para o atual estágio do futebol brasileiro, que joga com uma perna só?

PORTA-VOZ SEM VOTO

Um detalhe curioso, na queda do ministro Orlando Silva, foi o discurso do deputado federal ACM Neto, do DEM baiano: "O povo brasileiro quer o sr. fora do Ministério". OK, OK. ACM Neto até consegue se reeleger deputado federal, mas o poderoso partido que seu avô montou na Bahia e ele hoje comanda não ganhou nem a Prefeitura de Salvador. Como quer falar em nome do "povo"?

HADDAD, ATÉ APRENDER

O ministro da Educação, Fernando Vaidadd (PT), terá problemas para se candidatar a prefeito de São Paulo: há rumores de que fica como ministro até aprender a fazer um ENEM (pelo jeito, demora). No Brasil, diz Delfim Netto, até o passado é imprevisível: mas é possível prever que o ENEM vai ter erro.

O pior é a explicação: a de que um colégio em Fortaleza usou, nos simulados, perguntas do pré-teste do ENEM de 2010. E por que o ENEM usa as mesmas perguntas um ano depois, embora pague de novo para ter perguntas novas?

Tudo nulo

Na verdade, o pior nem é a explicação: é o remendo que tentam fazer, de anular apenas o exame nas escolas em que apareceu o problema. Não dá! Para que seja possível avaliar os estudantes, é preciso que todos respondam às mesmas perguntas. Não há equivalência possível entre perguntas diferentes. Digamos que o país inteiro tenha respondido a algo como "qual foi o jogador que primeiro fez mil gols em sua carreira". O equivalente seria o que: "qual o CPF do jogador que primeiro fez mil gols em sua carreira?" O correto, por inconveniente que pareça, é fazer um novo ENEM no País. E chamar gente competente para organizá-lo.

VERGONHA 1

Grupos nazistas usam a Internet para combinar ataques a negros, judeus, punks e nordestinos, e não acontece nada: a Polícia espera a agressão para prender um criminoso ou outro, ignorando a prevenção. O racismo vai avançando: em Curitiba, sete estudantes espancaram uma colega negra, por ser negra. Há meses a moça era chamada de "macaca" por algumas colegas, sem que a direção da escola agisse. Uma das agressoras postou mensagem numa rede social repetindo o insulto. Vamos ficar esperando até que a situação se torne insustentável?

VERGONHA 2

Uma Medida Provisória do Governo já aprovada pela Câmara (só falta o Senado) autoriza fabricantes de cigarros a patrocinar eventos esportivos e musicais. A medida vai contra as recomendações da Organização Mundial da Saúde, que recomenda mais restrições (e não menos) à propaganda de cigarros, que reconhece como causadores de graves doenças. Se a medida passar (as cigarreiras são riquíssimas, poderosas e têm muitos argumentos), haverá recursos até o Supremo.

QUE MALDADE!

A presidente Dilma mandou a Lula, em seu aniversário, dois livros de presente. É mais ou menos como dar de presente a Jô Soares uma temporada no spa.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;