Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Nos pênaltis, Paraguai bate Venezuela e vai à final



21/07/2011 | 00:47


O Paraguai contou novamente com os pênaltis para avançar na Copa América. Ainda sem vencer na competição, o time do técnico Gerardo Martino empatou sem gols com a Venezuela no tempo normal e na prorrogação, mas foi superior nas penalidades para garantir sua vaga na final na noite desta quarta-feira.

 

Em busca do terceiro título no torneio, os paraguaios enfrentarão o Uruguai na decisão deste domingo, no Monumental de Nuñes, em Buenos Aires, às 16 horas. A Venezuela, que disputou sua primeira semifinal de Copa América, vai disputar o terceiro lugar contra o Peru, no sábado, em La Plata, às 16 horas.

 

Com o resultado, o Paraguai repetiu o placar das quartas de final, quando eliminou o Brasil após empatar sem gols com a bola rolando e obter a vitória nas cobranças de pênalti. O time finalista ainda não venceu nesta Copa América. Foram cinco empates seguidos, três na fase de grupos e dois no mata-mata.

 

O JOGO - Paraguai e Venezuela abandonaram a retranca, apresentada diante da seleção brasileira, e fizeram um duelo franco nesta quarta. Melhor tecnicamente, a equipe paraguaia foi mais incisiva no início e aproveitou o nervosismo dos venezuelanos para chegar ao ataque com mais facilidade.

 

Aos 7 minutos, Barreto criou a primeira boa chance de gol ao cabecear com perigo, sem marcação, após levantamento na área. Vega fez boa defesa e evitou o gol. Em outra boa oportunidade, Valdez escapou pela direita, entrou na área, mas bateu mal na bola. O goleiro da Venezuela não teve problemas para espalmar a bola, aos 24.

 

Mas, mesmo superior tecnicamente, o Paraguai perdia tempo na armação por conta dos seguidos erros de passe. A Venezuela passou a adiantar a marcação, dificultando ainda mais o jogo do rival. Mais confiante, chegou a mandar a bola para as redes, aos 34 minutos.

 

Vizcarrondo completou de cabeça para gol, mas o árbitro anulou o lance por causa do impedimento de Rondón. Em posição irregular, o atacante raspou na bola e atrapalhou o goleiro. Villar levou mais um susto aos 42, quando Moreno acertou o travessão. No rebote, o mesmo Rondón bateu forte no canto e exigiu grande defesa do goleiro.

 

As duas equipes mantiveram o ritmo no segundo tempo, mas com menos qualidade, principalmente no ataque. Jogando na base da vontade, Paraguai e Venezuela buscavam o gol em chutões para frente, sem maiores consequências. Villar e Vega tinham pouco trabalho debaixo de suas traves.

 

Aos 30, a torcida presente em Mendoza começou a soltar as primeiras vaias, diante dos insistentes erros de passe e das roubadas de bola no meio-campo. Gerardo Martino, técnico do Paraguai, resolveu arriscar e mandou a campo Roque Santa Cruz, recém-recuperado de lesão. O atacante, porém, voltou a sentir dores e pouco produziu. Ficou apenas cinco minutos em campo e foi substituído.

 

As duas seleções caíram ainda mais de rendimento no final do segundo tempo e levaram o duelo para a prorrogação. A Venezuela foi melhor no tempo extra e mandou duas bolas na trave em menos de três minutos. Aos 3, Maldonado finalizou de fora da área e contou com desvio de Fedor para carimbar o poste direito de Villar. Na sequência, Arango mandou na trave em cobrança de falta.

 

Pressionado, o Paraguai ficou em situação complicada aos 12 minutos do primeiro tempo da prorrogação, quando Santana recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso de campo. Com um a menos, o time paraguaio se concentrou na defesa para segurar as investidas da incansável Venezuela. Aos 14, Rondón bateu de voleio dentro da área e quase surpreendeu Villar.

 

Os venezuelanos continuaram melhor no segundo tempo e estiveram mais perto de balançar as redes, principalmente em jogadas individuais de Fedor e Rondón. Acuado, o Paraguai se defendeu como pôde e levou a disputa para os pênaltis.

 

Nas cobranças, o time paraguaio se impôs pelo placar de 5 a 3, com gols de Ortigoza, Barrios, Riveros, Martinez e Verón. A Venezuela desperdiçou somente uma finalização, com Lucena, que parou nas mãos de Villar.

 

Ficha Técnica:

 

Paraguai 0 (5) x (3) 0 Venezuela

 

Paraguai - Villar; Cáceres, Da Silva, Verón, Piris; Santana, Riveros, Ortigoza, Barreto (Estigarribia); Barrios e Valdez (Santa Cruz, Martinez). Técnico: Gerardo Martino.

 

Venezuela - Vega; Rosales, Vizcarrondo, Perozo (Manuel Rey) e Cichero; Di Giorgi, Lucena, González (Maldonado), Arango; Rondón e Moreno (Fedor). Técnico: Cesar Farias.

 

Cartões amarelos - Verón (Paraguai); Rosales (Venezuela).

 

Cartão vermelho - Santana (Paraguai).

 

Árbitro - Francisco Chacón (Fifa-México).

 

Renda e público - Não disponíveis.

 

Local - Estádio Malvinas Argentinas, em Mendoza (Argentina).



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;