Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 5 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Curta o ônibus

Se o transporte público da sua cidade tivesse boa qualidade, você deixaria o carro em casa? É possível reverter seu fascínio pelo veículo?


Cristina Baddini

14/05/2010 | 00:00


Se o transporte público da sua cidade tivesse boa qualidade, você deixaria o carro em casa? É possível reverter seu fascínio pelo veículo? Você já pensou como será o futuro das cidades e a vida das pessoas com tanto automóvel?
Essa mania parece irreversível. Somos viciados no carro, e o governo se utiliza de vultosos recursos para universalizar o seu acesso. Bons sistemas de transporte público são essenciais para reduzir a dependência do automóvel, mas não são suficientes. É preciso também que os governos adotem medidas restritivas ao transporte individual motorizado, pois há um grave desequilíbrio entre os investimentos que toda a sociedade faz na infraestrutura rodoviária e o seu uso quase exclusivo por parte de quem anda de carro no dia a dia. É preciso taxar estacionamentos e fazer pedágios urbanos nos grandes centros, destinando os recursos arrecadados aos transportes públicos; acabar com isenções de impostos para compra de veículos; transformar os estacionamentos das vias públicas dos centros urbanos e corredores de circulação em calçadas acessíveis, faixas de ônibus; e investir permanentemente em metrôs, corredores de ônibus e VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos), utilizando o sistema viário existente.
Isso deve ser uma preocupação real, pois o espaço viário urbano não cresce na mesma proporção da frota de veículos, provocando aumento dos congestionamentos e impactos diretos na qualidade de vida. Uma vez mantidas as estimativas de crescimento de 2,5% da população urbana brasileira e 4% da frota de veículos, se constata valores extremamente preocupantes, quando se parte do ano de 1995, quando a frota era de 25 milhões , e hoje se apresenta em 50 milhões, portanto um crescimento de 100% contra o da população no mesmo período de 60%, passando de 120 milhões para 190 milhões.
Considerando essas cifras e tendo como base que os congestionamentos sobem geometricamente em relação ao crescimento da frota, em um quadro já crítico nas principais cidades brasileiras, percebe-se que o modelo de mais carro/mais sistema viário está esgotado, sendo impossível de ser suprido com os recursos do País. O caos que já se verifica atualmente em São Paulo (10 km/h a 15 km/h no pico) irá piorar significativamente e já está se espalhando pelas demais cidades brasileiras.
O setor de transportes urbanos tem, infelizmente, atuado de forma muito tímida, para não dizer conservadora, com relação ao seu mercado. Temos um setor que, com raríssimas exceções, parece conformar-se com a perspectiva de um transporte público sempre ruim e os governos municipais e estaduais na maior parte dos casos refratários a um trabalho que envolva o conjunto do setor (rodoviários, empresários, usuários, fabricantes) e ainda muito distantes de um trabalho que escute as demandas e expectativas da população através das pesquisas de opinião e dos serviços de atendimento aos usuários.
A expectativa é que no futuro possamos ver em nossas cidades sistemas integrados onde o usuário reduza seu tempo de viagem, sem ser penalizado com acréscimo de tempo de viagem, nos deslocamentos em pequenas distâncias e no custo pago por ele para operar o sistema. Outra expectativa é que sejam qualificados os acessos a integração e aos equipamentos de integração entre automóveis, bicicletas e mesmo o pedestre, que deve ter uma calçada decente para se locomover com paz e segurança.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;